Review / Tutorial: Record of Lodoss War: Deedlit in Wonder Labyrinth

O uso do arco é bem variado, desde o combate até puzzles

Ola, aqui é o Pena e hoje vamos com um metroidvania que traz uma série de anime lá dos anos 90, o Record of Lodoss War: Deedlit in Wonder Labyrinth.

O jogo foi produzido pela Team Ladybug, que fez o Shin Megami Tensei: Synchronicity Prologue e o Tohou Luna Nights, enquanto a publicação dele ficou por conta da Playism, da qual já fizemos o review do Mighty Goose e do Giraffe And Annika.

Enquanto o jogo tem uma enorme base do Castlevania: Symphony of the Night, ele também utiliza boa parte das mecânicas encontradas nos jogos anteriores da empresa, tal como o Shin Megami Tensei: Synchronicity Prologue, que foi um jogo gratuito com os mascotes da Atlus.

Ele ficou em acesso antecipado por um bom tempo trabalhando em conjunto com a comunidade e agora recebe o port para os consoles. Também receberá versão física para o Nintendo Switch e Playstation 4, os links de importação dele estão logo após a ficha técnica do jogo.

Jack Frost e Pyro Frost, os personagens do metroidvania da série SMT produzida pela Team Ladybug
Review feito em base da versão pra PS4
(Código cedido pela Playism)

Titulo: Record of Lodoss War: Deedlit in Wonder Labyrinth
Produtora: Team Ladybug / Why So Serious? inc.
Distribuidora: Playism
Gênero: Metroidvania / Plataforma
Plataformas: PlayStation 4, PlayStation 5, Nintendo Switch, Xbox One e PC (Steam)
Mídia: Físico e Digital
Textos: Português, Inglês, Espanhol, Italiano, Francês, Alemão, Russo, Japonês, Coreano, Chinês Tradicional e Simplificado

História

No jogo controlamos Deedlit, uma elfa que acorda num lugar misterioso sem muitas memórias de como chegou ali e outros detalhes do seu passado.

Conforme explora o local, ela encontra com diversas caras familiares, mas que por algum motivo não a ajuda diretamente. Agora ela precisa descobrir o que realmente está acontecendo e escapar desse local cheio de armadilhas e monstros.

Enquanto o jogo usa como base a história da série “Record of Lodoss War” e foi supervisionado pelo Ryo Mizuno, criador da série em conjunto com Akihiro Yamada, ele não se aprofunda muito no que ocorreu anteriormente, então não é necessário conhecer de ponta a ponta a série pra curtir a campanha aqui, mas claro, conhecer pelo menos os personagens e alguns fatos aumentam bastante a diversão do jogo.

Gráficos

A arte do jogo é toda em pixel art, muito bem feita, desde os inimigos menores até os que ocupam bom espaço do cenário e claro que os locais explorados são todos bem detalhados também.

Pra quem curte esse tipo de arte nos jogos, vai aproveitar muito ele, já que deram uma bela caprichada nessa parte, os efeitos de movimento e magias também chamam muito a atenção, realmente vale a pena.

Áudio

Um pouco de jogatina pra fugir dos perigos do labirinto

As musicas do jogo são bem gostosas, mantém o clima da exploração, tendo várias musicas mais misteriosas e outra mais agitadas dependendo do ponto do jogo, vale bem a pena escuta-las. Infelizmente, como já era de se esperar, não temos dublagem nesse jogo, mas não é algo que vá atrapalhar a jogatina, mas é sempre bom avisar pra aqueles que fazem total questão disso.

Infelizmente não achei a OST do jogo no Spotify, mas achei uma playlist completa dele no Youtube, então coloquei ela aqui pra você curtir enquanto termina de ler o review.

Jogabilidade

Alguns comandos aqui já estão alterados

Esse segue bem a linha do SOTN, então se você já jogou ele, boa parte das mecânicas são similares, mas claro que ele tem alguns detalhes próprios. Aqui eles permitiram a alteração dos comandos conforme o seu gosto, ajuda bastante isso.

O menu do jogo abre com o cenário de fundo, mas ele pausa a ação. Na parte principal você já pode alterar a arma principal e o arco que pretende utilizar, sempre prestando atenção na velocidade deles e a sua força.

Aqui também mostra o mapa que você já percorreu e a sua posição atual. Nele eles separaram por cor pra facilitar o reconhecimento das áreas.

Ao selecionar a opção do lado direito, abre a aba com mais opções, como abrir a enciclopédia, configurar o jogo e outros detalhes.

A enciclopédia é bem simples e direta, mostrando as informações necessárias dos monstros, equipamentos e magias. É bom sempre olhar aqui em caso de duvida.

Aproveitando que estamos na enciclopédia, já adiantar um ponto. Nesse jogo o uso dos elementos é bem importante e sempre que atacar um inimigo, além do nome e HP dele, mostra esses dados com um elemento, que indicam:

  • Valor entre 1 e 3: Inimigo é fraco contra o elemento, sendo que 1 ele é extremamente fraco a ele;
  • Valor de 4 e 5: Inimigo é resistente ao elemento, recebendo um dano menor;
  • Valor 6: Inimigo anula o dano do elemento, precisando usar outro tipo de ataque.

A exploração do jogo é bem no estilo clássico dos metroidvanias de plataforma, sendo que você também tem acesso a alguns tipos de armas diferentes, dai vai do gosto do jogador com qual vai continuar a campanha.

Deedlit não fica travada enquanto usa o arco e flecha, da pra mover ela, mesmo que seja mais lento

Com o arco e flecha é possível acertar o ângulo do disparo e isso é bastante utilizado nos puzzles. Paredes de metal fazem com que a flecha ricocheteie e usar isso tanto nos puzzles como nos combates faz bastante diferença. Só vale lembrar que enquanto você tem flechas infinitas, o uso dela gasta MP, então não da pra usar somente ela.

Existem também magias e itens que você encontra na campanha. Pra usar, basta equipar (segurando o botão configurado pro uso delas) e escolher ela no menu e apenas apertar o botão pra usa-los. Vale lembrar que as magias usam MP e pra recupera-lo precisa esperar recarregar automaticamente aos poucos ou usar item de recarga, enquanto os itens você pode carregar até 10 unidades de cada categoria.

O jogo conta com sistema de níveis, ganhando experiência conforme derrota os inimigos, deixando a Deedlit mais forte. Mas isso não aumenta o HP e MP, somente itens espeficifos aumentam essas caracteristicas.

Como falei anteriormente, o uso de elementos no jogo é um ponto forte, principalmente usando os 2 espíritos elementais de fogo e vento. Você pode troca-los com apenas um comando a qualquer momento e cada um deles tem usos variados:

  • Salamander: Ao usa-lo, você fica imune aos ataques de fogo e seus ataques normais usam esse elemento, podendo explodir barris e andar na lava sem grandes problemas;
  • Sylph: Ao usa-la, você fica imune aos ataques de vento e seus ataques normais usam esse elemento, além de poder planar sobre o chão e alterar a altura desse voo quando está perto do chão.

Quando você evita um ataque elemental, além de não perder HP, ainda recupera MP no processo, sendo que isso é muito utilizado durante as batalhas de chefe e em vários pontos dos estágios como barreiras.

Essas barreiras elementais aparecem com bastante frequência no jogo

Outro detalhe aqui é que esses dois elementos tem níveis de força, que são os números logo abaixo da esfera central. Conforme você derrota inimigos com um elemento, você carrega o OUTRO ELEMENTO, podendo chegar até o nível 3. Conforme sobe o nível deles, ocorre:

  • Aumento do dano causado pelo elemento;
  • Caso não esteja com o HP no máximo, equipar um elemento no nível 3 faz com que comece a recarregar HP automaticamente.

Um ponto importante é que, enquanto pra carregar um nível elemental pode precisar de vários inimigos pra isso, basta sofrer um ataque pra perder um nível do elemento que você está equipado no momento do dano.

Essas estátuas são os saves points do jogo, que além de salvar, recupera todo o HP e MP da Deedlit. Eles tem marcação no mapa, fica fácil de acha-las.

Já esse portal é utilizado pra viagem rápida entre todo o labirinto. Isso agiliza bastante a exploração durante a campanha, principalmente se você quer fazer 100% dele.

Ghim aparece como vendedor nesse jogo, tendo uma boa seleção de equipamentos e itens consumíveis, guarde uma grana pra gastar com ele, você vai precisar.

Já Woodchuck aparece pra levar a Deedlit pro mal caminho da jogatina. Com ele você pode apostar num jogo pra adivinhar o resultado numa jogada de três dados. Cada tipo de combinação tem uma chance diferente e quanto mais difícil aparecer, maior a recompensa, então vai do jogador tentar a sorte aqui.

Extras

Não temos um New Game Plus nesse jogo, mas assim que você finaliza ele, libera o acesso ao Boss Rush no save finalizado. Só que ao contrário da maioria dos boss rushes em que você enfrenta os chefes com configurações predeterminadas, nesse você usa diretamente o seu save, puxando nível e equipamentos pra enfrentar esse modo.

Outra coisa interessante é que caso inicie uma nova partida depois de finalizar o jogo, libera uma seleção de configurações extras para esse novo save, tendo as seguintes opções:

  • Iniciar o jogo com todas as magias;
  • Iniciar o jogo com todas as armas;
  • Fixar o nível da Deedlit para um durante toda a partida;
  • Manter o HP sempre em 1 durante toda a partida;
  • Fixar o nível dos espíritos em 1.

Conquistas

Achei que não ia conseguir a platina por causa do boss rush 😛

O jogo tem uma dificuldade razoável, mas nada que um pouco de costume com a troca de elemento não resolva, mas pra fazer 100% dele você precisa correr atrás de cada detalhe do jogo, o que toma um tempo extra pra isso, já que tem umas coisas bem escondidas. Entre as conquistas mais trabalhosas tempos.

ConquistaDescrição
Boss Rush Cleared: S RankConseguir rank S no Boss Rush.
Weapons 100%Encontrar todas as armas e arcos.
Master of ArcheryConseguir rank S no treino de arco e flecha.
Bestiary 100%Derrotar todos os inimigos do jogo.

Conclusão

Record of Lodoss War: Deedlit in Wonder Labyrinth traz um metroidvania simples mas gostoso de jogar, com uma exploração um pouco mais direta que a maioria dos jogos do gênero, mas ainda assim exige um olho pra detalhes caso queria fazer tudo nele.

A pixel art do jogo é muito bonita, todos os movimentos são bem fluidos e tem uns cenários bem detalhados, além de efeitos de especiais que chamam bastante a atenção durante as batalhas de chefes.

As músicas agradam bastante, tanto durante a exploração como nas batalhas de chefes, fizeram um bom trabalho nelas. Não temos dublagem, mas isso não é algo que atrapalhe a diversão nesse tipo de jogo.

A jogabilidade, mesmo puxando muita coisa do Symphony of the Night, traz elementos diferentes que encontramos em outros jogos da produtora, então mesmo que você já tenha jogado o SOTN, não espere conseguir avançar tudo achando que sabe de tudo, você precisa se acostumar com essas mecânicas diferentes se quiser fechar o jogo.

A história é interessante, serve o propósito pra manter a atenção do jogador durante a campanha e serve de base pra os acontecimentos da saga “Diadem of the Covenant”, mas mesmo quem nunca teve contato com ela consegue aproveitar a partida sem ficar muito perdido, mas claro que se conhecer um pouco da série da pra aproveitar mais o jogo.

Só dois pontos que eu preciso comentar aqui:

  • Infelizmente o jogo é bem curto, sendo que mesmo na primeira vez você consegue fechar em menos de 4 horas caso não vasculhe cada canto e só se preocupar com a exploração total posteriormente;
  • Pelo menos na versão do PlayStation 4 eu me deparei com umas 2~3 vezes dando erro no jogo e finalizando ele logo em seguida, o que me fez perder um pouco de progresso na partida…

4 comentários sobre “Review / Tutorial: Record of Lodoss War: Deedlit in Wonder Labyrinth