Review / Tutorial: Samurai Bringer

Ola, aqui é o Pena e acompanhando o post de ontem do thiagomusashi, hoje vamos com um jogo que mistura os elementos de rogue-like com musou, o Samurai Bringer.

O jogo foi produzido pela Alphawing Inc Games, sendo esse o primeiro jogo deles, enquanto a publicação ficou a cargo da Playism, responsável pela publicação de jogos como “Record of Lodoss War: Deedlit in Wonder Labyrinth” e “Mighty Goose” (você encontra todos os nossos reviews deles aqui).

Review feito em base da versão do PS4 (código cedido pela Playism)

Titulo: Samurai Bringer
Produtora: Alphawing Inc Games
Distribuidora: Playism
Gênero: Rogue-Like / Musou
Plataformas: PlayStation 4 , Nintendo Switch e PC (Steam)
Mídia: Digital
Textos: Inglês, Japonês, Chinês tradicional e Simplificado

História

Um dia, Susanoo foi exilado do Takamagahara, a terra dos deuses e foi mandado pra Nakatsukini pela sua irmã Amaterasu, a deusa do Sol. Lá ele encontra Kushinada que o ajuda no momento de dificuldade.

Algum tempo depois ela é escolhida para ser o próximo sacrifício para o temível Tamata-no-Orochi, a besta de oito cabeças. Só que nem tudo sai como o planejado e ele perde a batalha, perdendo os seus poderes no processo e agora precisa recupera-los e aprender novos estilos de combates com os samurais para assim conseguir finalmente resgatar Kushinada.

Uma das artes representando a história do confronto

O jogo usa como base o conto da batalha entre Susanoo e Yamata-no-Orochi da mitologia japonesa misturando com o aparecimento de diversas figuras históricas do pais, tais como Oda Nobunaga e Miyamoto Musashi. Mesmo que a história é contada de um modo simples e rápido, já basta pra manter o jogador na missão.

Gráficos

O jogo foi criado usando a Engine Unity, trazendo gráficos em 3D que simulam artes em pixel, dando um visual mais retro a jogatina.

Enquanto os gráficos são relativamente simples, eles são muito carismáticos e vai agradar bastante quem gosta de gráficos mais retro ou dos “chibis” cabeçudos, além de que tem vários golpes bem legais com as diversas armas encontradas aqui, da pra aproveitar bastante ele.

Áudio

As musicas do jogo são todas em chiptunes e, enquanto elas são bem gostosas de ouvir, infelizmente não tem uma variação muito grande durante a campanha, aonde basicamente você ouvirá apenas 2 musicas dependendo do momento do campo de batalha dos humanos, aonde se passa a maior parte do jogo. Também não temos dublagem, mas isso não é algo que atrapalha a jogatina.

Infelizmente não achei a OST dele em nenhum local, vou ficar devendo essa nesse review.

Jogabilidade

Como esse jogo é em rogue-like, já fica sabendo que o que vai mais ocorrer (principalmente no começo) é morrer rapidamente, mas conforme melhora a personagem, isso diminuiu bastante.

O jogo tem 3 espaços pra save e pelo menos tem como salvar no meio da campanha, o que facilita bastante, já que dependendo do que você vai fazer, pode levar várias horas.

Base

Num jogo com contexto histórico japonês não podia faltar o Oda Nobunaga

Ao contrário da maioria dos rogue-likes, aqui a base é relativamente simples e sem muitas opções no sentido diversas áreas pra melhorar o personagem, já que o sistema dele não é dessa maneira. Aqui, conforme você enfrenta as figuras históricas no jogo, libera as suas aparências pra iniciar uma nova partida em forma de “estátuas” na sala toda.

Não é só a aparência do Susanoo que muda, ao pegar emprestada elas, vem junto o pacote de técnicas que eles usam quando você enfrenta eles, assim você não precisa ficar tentando descobrir as combinações de ataques pra usar as técnicas (explico isso adiante). Só que cada um tem os pré-requisitos necessários, como ter uma certa quantidade e ataques liberados ou combinações de comandos.

Não só na base, mas também durante a campanha você encontra essa estátua aonde, conforme alcança os requisitos, como derrotar uma certa quantidade de inimigos ou usar várias vezes um tipo de arma, libera recompensas que melhoram permanentemente o Susanoo, facilitando a sua jornada.

Menu

O menu geral do jogo é acessível a qualquer momento, mas se quiser ir direto para alguma área especifica, basta usar o direcional para o lado correspondente sem nem precisar entrar aqui. É a partir do menu principal que você pode voltar para a tela título do jogo e salvar a sua partida, podendo retornar de onde você parou.

Só um detalhe bem importante aqui. Nenhum dos menus do jogo PAUSA a partida, somente faz com que o tempo passe bem devagar, mas você ainda pode receber dano dentro dos menus, então tome cuidado. Outro ponto também é que, mesmo tendo acesso aos menus na base, você não pode editar nada lá, só no campo de batalha.

A área “Action Builder” é aonde você monta os seus ataque, que vai variar de efeito dependendo dos equipamentos que você estiver utilizando no momento.

Enquanto a sequencia básica do jogo sempre mantém um padrão de comandos, como o para ataques normais, você não precisa seguir essa base, podendo configurar os ataques conforme preferir. A quantidade de vezes que você pode usar em sequencia depende do quanto já foi liberado na campanha.

Aqui entramos no ponto de customização dos ataques. Você pode combinar diversos elementos no ataque dentro do limite de SP disponível no momento (que aumenta conforme você faz as conquistas do jogo). Conforme coloca e retira os comandos, um toque diferente indica quando cria uma técnica diferente.

Outro detalhe que é bom comentar aqui é que nem tudo é possível combinar e tem alguns padrões necessários para usar com as armas, segue uma base pra entender melhor:

  • Slash Down, Up, Slice, Reverse Slice & Thrust: Essas técnicas básicas utilizadas com armas de ataque direto, como espadas, machados e lanças, podendo combinar de diversas maneiras pra realizar diversos golpes;
  • Gun: Necessário pra usar pistolas e precisa ter uma pistola equipada pra usar. Quanto mais desse equipado, mais balas dispara num único tiro;
  • War Fan: Segue o mesmo principio da Gun, precisando um leque pra utiliza-lo;
  • Bow: Usando essa técnica, o personagem utiliza o arco que ele sempre tem com ele, não precisando equipar pra utiliza-lo;
  • Covering Fire: Ao usar esse, o personagem recebe um apoio de fora da tela com flechas ou outros ataques dependendo da quantidade de que essa técnica foi aplicada.
  • Manipule: Usa a arma durante o ataque sem precisa segurar ela, isso é utilizado pra usar rapidamente armas secundárias ou liberar outras técnicas especiais;
  • Step & Jump: Enquanto o seu uso individual é pra conseguir pular e esquivar normalmente, você pode combina-los com outras técnicas pra usar especiais diferentes;
  • Sub-Weapon: Esse daqui é necessário pra usar armas que estão equipadas no ombro do personagem;
  • Expand, Samidare, Defense Break, Wave, Power, Guidance: Esses são utilizado para adicionar efeitos extras nos ataques, como deixar a arma maior ou criar ondas de energia. Cada combo pode ter até 8 de cada um deles;
  • Elementos: Aplica o elemento selecionado no ataque, criando diversos efeitos diferentes. Só tome cuidado pois, caso você não tenha resistência ao elemento utilizado, pode sofrer os efeitos deles também;
  • Fortitude: Esse é um comando especial, se aplicado na técnica, ela utiliza HP em vez de SP, o que é bem perigoso dependendo da ocasião.

Como a quantidade de combinações é muito grande, você pode salvar as suas combinações em pergaminhos e aplicar diretamente sem ter que selecionar comando por comando, mas primeiro tem que configura-los no Dojo.

Na área “Gear Builder” podemos equipar os diversos equipamentos das figuras históricas no Susanoo, que vai variar a sua aparência conforme são equipadas. Além da aparência, elas afetam o estilo de luta dependendo da arma e também podem ter técnicas passivas, como resistência a elementos, mais HP e diversos outros, podendo criar um combo muito forte conforme são combinados.

No geral, a posição aonde são equipadas afeta a jogabilidade da seguinte maneira:

  • Costume: Qualquer equipamento colocado aqui muda a aparência da parte equipada, como o torço e cabeça, além de claro adicionar a técnica passiva da peça;
  • Main Weapon: Ao equipar aqui, Susanoo utiliza a arma relacionada ao personagem dono do set, que fica marcado pelo símbolo logo no final do seu bloco. É possível usar armas diferentes nas duas mãos e isso varia também na jogabilidade e também tem estilo que usa espadas duplas;
  • Sub Weapon: Equipamentos aqui só são utilizados com a técnicas “Sub-Weapon”, mas tirando isso, funcionam como as armas principais.

Cada campo de batalha tem um mapa diferente, mas assim que entra nele já vem completo, assim facilita a exploração e combate nele. Nele não mostra os inimigos (apenas no mini-mapa), mas qualquer outro ponto importante, como lojas, baús e estátuas são mostrados.

Estabelecimentos e Locais Diversos

Nos campos de batalha encontramos diversos locais de interação. No Dojo podemos comprar pergaminhos para salvar as sequencias que mais gostamos, podendo renomeá-las e até importar diretamente das que você está equipado no momento, assim não precisa decorar várias combinações diferentes.

Mas claro, nada é gratuito, cada novo pergaminho custa 500 moedas de ouro, mas uma vez comprado, você não perde eles ao morrer.

Na Loja temos algumas armaduras a venda, com o preço variando dependendo da técnica passiva que ela vem, só que não é possível saber QUAL É A TÉCNICA, só depois que compra ela.

Também tem como vender os equipamentos que não utilizará mais, já que você pode ter “apenas” 1000 equipamentos de uma vez no inventário (coisa pouca, sabe ahahahah).

No Ferreiro você pode combinar 2 equipamentos, transferindo a técnica passiva de um para o outro pagando um valor que varia dependendo da força do equipamento.

Cada equipamento varia de força entre 0 e +5, sendo marcado pelos pontos no final da área do equipamento. Combinar equipamentos com a mesma técnica tem uma chance maior (mas não é certeza) de aumentar a força do equipamento, assim como combinar equipamentos sem nenhuma técnica, mas as vezes pode ocorrer de perder força no processo.

No hotel você pode descansar por um valor bem baixo, mas assim passa o tempo no jogo, o que vai afetar a partida, dai vai do quanto você realmente precisa recuperar energia.

Algumas vezes você encontra pontos com puzzles e desafios diversos pra quebrar a cabeça e desafiar o quanto você está acostumado com as mecânicas de movimento do jogo, tendo boas recompensas pra quem finaliza elas.

Campo de Batalha

A contagem de combos não afeta o dano

É aqui aonde você passa a maior parte do jogo, enfrentando as hordas de samurais pra recuperar os poderes do Susanoo e aprender novas técnicas. Usar as diversas armas e estilos faz com que a partida seja bem mais agradável, já que tem uma variedade enorme aqui.

Você não precisa ficar preso nos ataques de curta distância, podendo usar flechas, tiros e magias caso preferir, aqui a jogabilidade é bem livre pra adaptar aos diversos tipos de jogadores.

Só tome cuidado ao utilizar os seus ataques, já que cada um gasta SP e se você consumir todo ele, Susanoo fica tonto por um tempo, não conseguindo atacar (mas ainda consegue se mover) até que a barra recarregue totalmente. Ela carrega normalmente se não utilizar ataques.

Os inimigos normais deixa dinheiro ao derrota-los e tem chance de deixar pergaminhos, que é dai que você consegue as técnicas utilizadas pra combinar nos movimentos e criar seus ataques. Também podem deixar alguns onigiris (o famoso bolinho de arroz japonês), usado pra recuperar HP do Susanoo.

Entre os milhares de lutadores você encontra alguns Chefes de Clãs (nome branco) e Bravos Guerreiros (nomes em amarelo), além de mais forte, tem recompensas extras, seguindo o padrão:

  • Chefes de Clã: Esses, além de deixa pergaminhos, podem deixar chaves usadas pra abrir os baús encontrados nos campos de batalha;
  • Bravos Guerreiros: Eles não deixam chaves, mas ao derrota-los, além de deixar uma peça da sua armadura e um pergaminho, libera o acesso ao set deles na base e nas lojas.
Miyamoto Musashi também aparece e é um dos mais apelões do jogo, boa sorte XD

Um ponto aqui no jogo é que ele tem uma passagem de tempo e a cada dia que passa, os inimigos ficam mais fortes e Susanoo não evolui por experiência, são os equipamentos e técnicas que ditam a sua força, então pode ocorrer dos inimigos ficaram fortes demais se você demorar demais.

Para mudar de campo de batalha você precisa liberar esses portais, mas tem uma diferença entre eles:

  • Portal Azul: Esse portal te direciona para o próximo campo de batalha no reino dos humanos, aonde você consegue pergaminhos e tem acesso aos estabelecimentos;
  • Protal Roxo: Esse portal te direciona para o mundo dos Yokais, aonde as batalhas mais difíceis e obrigatória te espera.

Enquanto você no prosseguir com todas as batalhas obrigatórias no mundo dos Yokais, o jogo continua infinitamente, deixando a sua escolha quando vai tentar finalizar ele.

A dupla de Yokais é bem conhecida nos jogos já

No mundo dos Yokais você encontra os chefes do jogo, dos quais precisa derrotar os 8 pra finalmente seguir para a parte final dele. Os chefes são variados puxando bastante a mitologia japonesa e quando derrota cada um deles pela primeira vez, também aumenta a quantidade de HP que o Susanoo tem permanentemente.

Quando você morrer, algo que vai acontecer bastante hahahaha, você retorna automaticamente para a base e perde todos os equipamentos e dinheiro, mas mantém todos os pergaminhos e melhoras do personagem, como HP e SP.

Extra

Quando você derrota o Yamata no Orochi pela primeira vez na sequencia atual, logo após os créditos libera o NG+ dessa parte, aonde você volta direto para o primeiro dia da campanha sem passar na base, mas mantém todos os equipamentos, dinheiro e técnicas que estava assim que fechou, podendo assim avançar rapidamente na campanha.

Conquistas

Só falta os troféus que consomem tempo, isso sai daqui alguns dias.

Depois de algumas (várias) mortes, o jogo fica bem mais tranquilo, mas fazer todas as conquistas consome um bom tempo, já que a maioria se resume em alcançar números altos de diversas ações durante o jogo, então já se prepara pra várias horas de grinding caso for correr atrás. Entre os mais complicados temos:

ConquistaDescrição
Quick RescueSalvar Kushinada em 3 dias
Devastating BlowCausa 3000 de dano num único ataque
TravellerPassar por 240 campos de batalha
Record of VictoryDerrotar 50.000 samurais
Record of Arms CollectedColetar 1000 partes de armaduras dos generais.

Conclusão

A finalização mais rápida que eu consegui, ta uma mistureba de parte ai, mas esta tudo certo hahaahha

Samurai Bringer traz um rogue-like que mistura a quantidade enorme de inimigos dos Musous com um gráfico carismático sem pretensão de ser sério, tendo uma boa ação.

Os gráficos, apesar de serem em 3D, traz uma falsa aparência de pixel, deixando o jogo todo com um visual mais caricato, mas não é por isso que são mal feitos, muito ao contrário, os diversos cenários e inimigos que aparecem aqui são todos bem trabalhados.

As musicas e efeitos sonoros são feitas em chiptunes pra manter o clima retro que, enquanto são gostosos de ouvir no geral, peca por quase não ter variação, tanto que durante toda a partida você ouvira quase que só 2 musicas nesse decorrer, o que acaba deixando um pouco monótono isso.

A ação é dele é bem interessante, com uma combinação enorme de golpes e armas, podendo criar combos personalizados pra deixar o combate do jeito que o jogador preferir. Demora um pouco pra se acostumar com alguns detalhes, ainda mais no começo que você está bem fraco, mas é só se acostumar pra conseguir avançar bem nele.

Uma única coisa que ficou faltando (apesar de não atrapalhar a diversão), foi a falta de um breve resumo ou comentário sobre as figuras históricas que aparecem, que acabam apagadas no meio da grande quantidade, ficando destacado apenas aqueles mais conhecidos no publico geral, como o Oda Nobunaga e o Miyamoto Musashi. Pelo menos aqui eles mantiveram a caracterização mais conhecida deles, como o do Date Masamune com a sua armadura azul e o tampa olho.