Review / Tutorial de Assassin’s Creed Mirage

* Esta análise foi feita com o código cedido pela Ubisoft (versão PS4/PS5)

Distribuidora: Ubisoft
Produtora: Ubisoft Bourdeaux / Ubisoft Montreal
Plataforma: PS4 / PS5 / Xbox One / Xbox Series X / Xbox Series S / PC / Amazon Luna
Mídia: Física e Digital
Ano de Lançamento: 2023

Assassin’s Creed Mirage é a nova entrada na franquia de ação open world, desta vez acompanhando as aventuras de Basim Ibn Is’haq em sua entrada para os Ocultos, antes de sua participação em Valhala.

O LADRÃO E O ASSASSINO

Basim vive com uma guilda de ladrões, em Anbar, província de Bagdá, no século IX.
Chefiado por Dervis, a guilda sobrevive de pequenos furtos e eventuais trabalhos para os Ocultos (os Assassinos antes de adotarem tal nomenclatura).

William, o pai de Desmond, narra apenas as cenas iniciais
Dervis é o chefe da guilda de ladrões e contato dos Ocultos


Basim sonha com algo maior para si, ansiando por trabalhar para os Ocultos, ao contrário de sua amiga Nehal.
Ao tentar atrair a atenção de Roshan, uma mestra dos Ocultos, Basim e Nehal invadem o Palácio de Inverno do califado, atrás de um baú.

Basim é atormentado por pesadelos com um djinn
A guilda vive de pequenos furtos praticados no mercado de Anbar


Através das sombras, ambos presenciam uma reunião entre o Califa e A Ordem dos Antigos (os “pré-Templários”).
Após a saída do grupo, Basim tenta roubar o artefato contido no baú, mas ativa uma estranha projeção e atrai a atenção do Califa.
Na confusão que se segue, Basim e Nehal entram em conflito com o Califa e precisam sair às pressas do palácio.

A dupla presencia um encontro entre o Califa e os Antigos
Ao entrar em contato com o artefato, Basim acidentalmente o ativa


Passado um período escondido, o jovem ladrão retorna à sua guilda, para descobrir a maior parte dos ladrões, incluindo crianças, executados.
Roshan salva Basim e o leva para a fortaleza de Alamut, a fim de ingressá-lo ao mundo dos Ocultos.

Basim é sonhador, enquanto Nehal se mostra mais realista quanto ao mundo de ambos
Roshan passa a ser a mentora de Basim


A ERA DE OURO ISLÂMICA

A Península Arábica era constituída por diversas tribos de comerciantes nômades e agricultores, com crenças em diferentes deuses.
Mas tudo mudaria com o profeta Maomé, na cidade de Meca que, após receber uma visão de Deus, passou a pregar a existência de apenas uma divindade, chamada Alá.
Aos poucos, o islamismo começou a difundir-se entre os povos arábicos, o que desagradou a elite, que passou a perseguir o profeta.

Al’Uzza, Allat e Manat, três deusas da Arábia pré-Islâmica
Os djinn, espíritos pré-Islamismo, sobreviveram na cultura popular


Maomé foi obrigado a deixar Meca para trás, migrando com seus seguidores para Iatreb, onde continuou sua pregação no deus único e formou um exército, que marchou novamente para Meca.
Mesmo após sua morte, em 632, o Islamismo fora estabelecido na Península, unificando as diferentes tribos sob a crença Alá.

Maomé unificou os povos arábicos na crença de um Deus único (Alá)
Caaba, a “casa de Deus”, fica em Meca, local de peregrinação para os muçulmanos


A unificação deu início ao Império Islâmico (ou Império Árabe Islâmico) através do livro sagrado, o Alcorão, que reunia aspectos como economia, sociedade, militarismo e política.
Esta unificação permitiu a expansão territorial por grande parte do Oriente Médio e uma parte da Europa, com os sucessores de Maomé, os Califas, como governantes teocráticos.

Os califas são os sucessores de Maomé na tradição islâmica
O jogo contém uma extensa biblioteca explicando o califado Abássida


É neste período, entre os séculos VIII e XIII, que se estabelece a Era de Ouro Islâmica, onde acadêmicos, comerciantes e engenheiros contribuíram para áreas como agricultura, ciências, economia, filosofia, indústria, literatura, navegação e tecnologia, incrementando estudos clássicos e criando inovações.

A Casa da Sabedoria de Bagdá foi um importante centro cultural e de desenvolvimento
Al-Khuarismi, o responsável pelos algarismo arábicos e pelo sistema decimal


O califado abássida transferiu a capital de Damasco para Bagdá, seguindo os preceitos do Alcorão e do Hadiz (registro escrito de discursos e pensamentos de Maomé), de onde surgem reflexões como: “A tinta dos cientistas vale tanto quanto o sangue dos mártires.”.
Desta forma, os abássidas estabelecem na Casa da Sabedoria de Bagdá, um importante centro cultural e acadêmico formado neste período, abrangendo e promulgando diversos novos conhecimentos, onde muçulmanos e não-muçulmanos reuniram-se para traduzir todo o conhecimento mundial para a língua árabe. Assim, obras clássicas foram traduzidas para o árabe, incluindo conhecimentos da China Antiga, da Índia, da Pérsia, do Egito, do Norte da África, da Grécia Clássica e do Império Bizantino.

A fabricação do papel, anteriormente um segredo chinês, foi aprimorada pelos abássidas, popularizando escrita e leitura em Bagdá
Os observatórios para estudo dos astros são um dos grandes legados da Era de Ouro


Estes conhecimentos foram posteriormente traduzidos para turco, persa, hebreu e latim, garantindo que seu legado não fosse perdido durante a Idade Média ocidental.
Dentre as inovações da Era de Ouro, inclui-se o papel, melhorado pelos árabes através da modificação da fórmula original (chinesa) com o uso de amido e casca de amoreira, além do uso da pena ao invés do pincel. Fábricas de papel foram instaladas em Bagdá e Samarra, semeando uma cultura literária na região.
Além do papel, os hospitais públicos, bibliotecas públicas, universidades para graduados e observatórios astronômicos para fins de estudo. A diversidade e o respeito às diferentes ideias, linhas filosóficas e religiões também é famoso na Era de Ouro Islâmica, permitindo o ingresso de muçulmanos, judeus e cristãos.

RETORNO ÀS ORIGENS

Mirage é uma reformulação da franquia, retornando parcialmente aos títulos anteriores à trilogia com elementos de RPG (Odissey, Origins e Valhala).
Os níveis de inimigos foram removidos, sendo possível matar qualquer adversário dominando o combate. Este, por sua vez, mantém os comandos nos gatilhos, sendo R1 o botão de ataque (segurando para golpe forte) e L1 a defesa e parry; R2 seleciona os itens arremessáveis (faca, dardo, distração, armadilha e bomba de fumaça). Quadrado serve como esquiva.

Basim avança em seu treinamento
A fortaleza de Alamut
O Foco de Assassinato permite mover-se rapidamente e executar grupos de guardas antes que eles possam perceber sua presença


Uma novidade aqui é o foco de assassinato: ao encher barrinhas de poder (matando em stealth) o Foco é carregado; ele precisa ser ativado (R3) em stealth, o tempo congela e você pode marcar alvos com R1 (um alvo para cada barra de consumo). Ao apertar X, Basim vai de alvo em alvo matando automaticamente, como se fosse teleportado entre os alvos.

As habilidades didivem-se em: Fantasma (Combate), Trapaceiro (uso de Ferramentas) e Predador (habilidades de Enkidu e Stealth)
Não, Basim não virou um quiroprata, só está usando a hidden blade
Mantenha as ruas limpas escondendo os corpos


A região de Bagdá e arredores consiste em um mapa de proporções reduzidas em relação à trilogia anterior (porém não tão pequeno assim), com atividades e pontos de interesse mais espaçados (sem aquela confusão visual de outros títulos da franquia).
Os pôsteres de procurado retornam, precisando ser rasgados para reduzir o nível de alerta de guardas e cidadãos (que irão reconhecê-lo e gritar por socorro), bem como o suborno aos Munari (os pregadores em praça pública).

Mire no ponto sensível e uma carga elevada torna-se uma arma mortal
Munari anulam a notoriedade completamente


Nas ruas também é possível visitar Alfaiates para upgrade das roupas (aumento de bônus) e Armeiros (vendem e modificam armas), Estábulos (onde é possível comprar cavalos), além de Vendedores de itens, que fornecem munição para os itens arremessáveis, talismãs (meramente decorativos) e peças para upgrade dos itens. Os upgrades de item podem ser feitos nas sedes dos Ocultos, com a ajuda dos irmãos Banu Musa.
Mais raros, os Cartógrafos vendem mapas com a localização de tesouros e baús de equipamento.

Pôsteres também servem para reduzir a notoriedade ao serem rasgados
Acredite, é bom baixar logo a notoriedade ou as ruas de Bagdá não serão mais seguras


Há métodos alternativos para lidar com guardas, como contratar grupos de Comerciantes para caminhar entre eles (camuflando-se), Mercenários (que partem ao ataque dos guardas próximos) e Músicos (que distraem os guardas próximos com suas canções).
A camuflagem ao sentar-se em bancos retornou, bem como misturar-se às multidões; os bancos também servem para avançar no tempo.

Alfaiates permitem comprar e pintar roupas
Músicos podem atrair a atenção de guardas próximos


Como método de deslocamento mais rápido, há o camelo (que pode ser substituído por cavalos, caso você os compre) e pequenas embarcações a remo; para vigiar do alto, Enkidu, o falcão que leva o nome do “irmão” de Gilgamesh (podendo marcar alvos e pontos de interesse do alto, caso não haja atiradores).

O camelo é um bom aliado no deserto
Pelos céus, Enkidu funciona como o observador dos pontos de interesse


Outras atividades incluem Baús de Equipamento (que podem incluir esquemas de melhoria de armas ou de vestimentas), Fragmentos Misteriosos (desbloqueiam itens especiais em uma câmara no deserto), Enigmas (contendo desenhos ou mensagens que precisam ser decifrados para descobrir-se a localização de tesouros), Livros Perdidos (que devem ser entregues ao colecionador na Casa da Sabedoria) e Artefatos de Dervis (que recupera itens preciosos).

Estas orbes brilhantes revelam pontos históricos e sociais da época, abrindo entradas na enciclopédia do jogo
Os irmãos Banu Musa fornecem modificações para as ferramentas, mediante os ingredientes


Falando nos artefatos e itens que podem ser roubados, ao localizar algum NPC com um pequeno saquinho amarrado à cintura, você se aproxima dele e pressiona Triângulo uma vez, o que dará início ao furto; pressione Triângulo novamente enquanto o ícone passa dentro das linhas azuis para efetuar o ataque sem ser percebido. Caso seja detectado, a vítima gritará por socorro e não poderá sofrer nova tentativa por algum tempo.
Artefatos de Dervis e itens comuns (que podem ser vendidos aos comerciantes) podem ser furtados sem grandes consequências, mas os Fragmentos Misteriosos são portados por pessoas armadas, geralmente escoltadas por alguns guardas: você terá de entrar em conflito com eles.

Fichas de Comerciante podem contratar grupos para caminhar e ocultá-lo
Mas lembre-se que atacar alguém irá quebrar automaticamente o disfarce


Por fim, como atividades extras, temos os Contratos de Facção (disponíveis no mural das sedes dos Ocultos) que incluem roubos de itens importantes, missões de proteção a algum alvo ou assassinato e os Contos de Bagdá, missões que podem ser encontradas em alguns pontos do mapa.

Missões principais e contratos de facção obtidos ficam disponíveis no menu investigação
Bancos podem servir para espionar conversas importantes


As recompensas por essas atividades e furtos incluem dirrãs (a moeda corrente da região) e fichas Khidmah.
As fichas dividem-se em: Fichas de Comerciante, abrem baús específicos, subornam grupos de comerciantes para caminhar e ocultá-lo e funcionam como desconto permanente nos comerciantes (até o limite de 40%); Fichas de Acadêmico, podem ser usadas com os músicos e para comprar mapas de Cartógrafos; Fichas de Poder, servem para subornar os Munari (removendo a notoriedade) e para contratar Mercenários.

BELEZA NO DESERTO

Graficamente, há um detalhe curioso em Mirage: o início do jogo, onde Basim é apresentado como um ladrão, até a conclusão de seu treinamento como Assassino, mostra um gráfico abaixo do restante do título.
Assim que Basim vai às ruas como um Assassino, o jogo “fica mais bonito”, especialmente nas vestimentas e no cabelo do protagonista.

Uma visão parcial de Bagdá ao sincronizar
E o mapa (quase todo) exibindo a área total do jogo


A recriação da Bagdá do século IX certamente foi um desafio para a Ubisoft, uma vez que há muitas descrições contraditórias sobre a região da época, sem tantos detalhamentos precisos como em outros momentos históricos.
Desta forma, houve um processo de imaginação combinado ao que se conhece da região em outros momentos, incluindo aí a Casa de Sabedoria.
Cenários amplos como o próprio centro cultural acima citado, uma tinturaria aos moldes antigos do Oriente Médio e um grande Bazar mesclam-se às construções em pedra e vastas fortalezas.

A indumentária característica dos personagens possui diversa camadas
A partida de Alamut para Bagdá


A dublagem em inglês é bastante competente, com destaque para as vozes de Lee Majdoub (Basim), Jan Kamar (Nehal) e Shohreh Aghdashloo (Roshan).
Como percebe-se pelos nomes, os dubladores são, em grande parte, de origens ou descendências de países do Oriente Médio, o que dá propriedade e representatividade melhor ao jogo.
Inicialmente tentei jogar em Árabe, que tem uma belíssima dublagem, mas por questões de conveniência (leia-se não depender apenas de legenda), acabei optando pelo Inglês.


A trilha sonora de Mirage é uma das melhores da franquia, assinada pelo compositor Brendan Angelides e executada pela Orquestra Árabe de Nova Iorque, contém instrumentos de origem árabe e persa, incluindo Oud, Nay, Kamanjah, Tomtom e Tabla (ok, estou me arriscando aqui com algumas suposições).
Os cânticos arábicos também estão presentes, formando uma belíssima composição, bem integrada ao espírito do jogo.

PLATINA E AREIA

A platina em Assassin’s Creed Mirage teve seu escopo reduzido, bem como o jogo, envolvendo atingir o nível máximo entre os Ocultos, desbloquear todas as 23 habilidades (divididas em três árvores: Fantasma, Trapaceiro e Predador), fazer o upgrade completo de uma arma e de uma vestimenta, sincronizar todos os panoramas, coletar os 7 livros perdidos para Al-Jahiz, entregar os 18 artefatos para Dervis, completar 10 contratos de facção, fazer upgrade completo em todas as ferramentas e matar 75 guardas com facas de arremesso, entre outros troféus relacionados ao avanço da trama e específicos de combate e interações com NPC’s.

Ninguém recusa o sobrinho de Don Corleone para um papel no cinema e sai impune…
Os Fragmentos Misteriosos desbloqueiam itens especiais em uma câmara no deserto


Os troféus mais complicados são: explorar 100 das regiões (o que envolve completar todas as atividades marcadas em cada região, no mapa), ficar em notoriedade máxima por 10 minutos e sobreviver 10 minutos em combate aberto.
Mas no geral a platina é fácil de ser obtida e não consome muito tempo (levei em torno de 35 horas).

RESUMO DA ÓPERA:
Assassin’s Creed Mirage é um retorno parcial
às origens da franquia, misturando elementos antigos com ideias dos títulos mais recentes.
A grande vantagem em relação aos últimos jogos é o tamanho condensado de Mirage, sem exageros em termos de tamanho nos mapas ou quantidade de atividades.

Quando ainda era necessário remover o dedo anelar para utilizar a hidden blade


O custo disto foi a remoção da maior parte dos elementos de RPG, tornando Basim um Assassino mais focado na habilidade do jogador e não no nível obtido: qualquer inimigo pode ser eliminado, sem depender de XP, apenas do equipamento e estratégia certos.

A pena de garça deve ser banhada no sangue do alvo para provar a execução


O combate é fluído e utiliza os gatilhos, o stealth voltou a ser mais equilibrado e uma boa estratégia (contrariando a trilogia anterior, que era muito voltada ao combate).
Da mesma forma, os pôsteres e o nível de notoriedade retornaram como nos primeiros títulos, bem como mesclar-se a grupos ou utilizar bancos para “desaparecer”.

Muito cuidado ao abordar o inimigo com fogo


O jogo possui belos gráficos, apesar de um começo mais bruto, com uma Bagdá multicultural, onde muçulmanos, judeus e até cristãos convivem em relativa harmonia.
As cores dos mantos e da rica tapeçaria do Oriente Médio faz-se presente, bem como Alamut é apresentada como a base dos Assassinos. Alamut é, de fato, o ninho da águia e um local elevado com um grande histórico de resistência, contrariando a narrativa do primeiro Assassin’s Creed, que colocava Masyaf em destaque.

Atenção aos detalhes e trama dos tecidos nas vestimentas


A trilha sonora possui elementos de música do Oriente Médio combinados com trechos mais modernos, bem integrada à trama e com ótimas representações de cânticos da região.
Uma ausência mais sentida no título pode ser a de figuras históricas relevantes, o que costuma receber bastante atenção dentro da franquia.

Um retorno às origens e ao foco no stealth


Assassin’s Creed Mirage é uma boa amálgama da série, reduzindo o escopo e focando em uma aventura mais densa, mostrando o passado de Basim, talvez o mais humilde entre todos os protagonistas da franquia.
Um jogo que ganha pelo fator “menos é mais”, não irá revolucionar ou marcar a franquia, mas cumpre bem seu papel.

Um comentário sobre “Review / Tutorial de Assassin’s Creed Mirage

Deixe uma resposta