DESCOBRINDO FRANQUIAS – Super Robot Wars: Original Generation

Ola, aqui é o Pena e to invadindo o site de novo pra falar mais uma vez da série Super Robot Wars, dessa vez focando somente na saga “Original Generation”.
Caso tenha perdido o primeiro artigo, segue o link dele, lá eu dou uma geral da série como um todo: link

A série principal é um cross-over de diversos animes de mechas, aonde sempre tem alguns mechas que são criados especialmente para aquele jogo em especifico, que são os chamados “Banpresto Originals”.

Com o decorrer dos anos, foram criados muitos desses mechas e personagens originais e em 2002 foi lançado o primeiro jogo do spin-off, Super Robot Wars: Original Generation para o Gameboy Advance, que literalmente é um cross-over das histórias originais dos jogos anteriores

História

É possível dividir a saga OG em 4 vertentes:

  • Linha principal : Original Generation
  • Secundária: Masou Kishin
  • Spin-off: Endless Frontier
  • Jogos extras

Linha Principal: Original Generation:

A saga OG não é apenas um “amontoado” de histórias paralelas postas juntas. Aqui eles dão uma aprofundada legal nas histórias contadas nos seus jogos originais, tendo um desenvolvimento mais abrangente e se misturando as outras histórias que são contadas durante o jogo. Um grande exemplo disso é durante o OG2, aonde num mesmo contexto está misturado parte da história dos SRW A, Alpha Gaiden e Impact. Quem nunca jogou nenhum dos jogos, não consegue identificar aonde termina um e inicia o outro.

Não entrarei em detalhes da história para não soltar spoilers, mas basicamente, a Terra está na era da exploração galáctica, já tem algumas colônias espaciais e nesse meio tempo, após a queda do “Meteoro 3”, que tinha dentro dele materiais e tecnologias extraterrestres, começou o desenvolvimento dos mechas humanoides. O desenrolar da história no jogo mostra praticamente desde os primórdios dos mechas e todo o desenvolvimento deles, dando uma carga histórica para o jogo bem interessante.

Outro destelhe interessante da série é que, como ele não é apenas um transcrição das histórias anteriores, ele tem conteúdo próprio bem abrangente, desde personagens e unidades feitas exclusivamente para o jogo (os personagens Lefina e Kai mostrado nos lados são exemplos), como também ocorrências que ficaram apenas de fundo na história original são mostradas com mais detalhes durante as partidas, dando um complemento extra pra quem já jogou as histórias originais

Apesar da série OG seguir a sua própria linha de tempo, alguns jogos da série principal, como o Alpha, influenciam diretamente alguns detalhes da trama, já que algo que ocorre muito nessa saga é justamente interação entre dimensões paralelas

Os jogos que compõem a saga principais são:

  • Super Robot Wars: Original Generations
  • Super Robot Wars: Original Generation Gaiden
  • 2nd Super Robot Wars: Original Generation
  • Super Robot Wars OG: Dark Prison
  • Super Robot Wars OG: Moon Dwellers

Linha Secundária: Masou Kishin

A saga “Masou Kishin” é focada em La-Geas, um mundo mágico que fica no centro da Terra.
Lá magia e espíritos são ocorrências normais e os mechas desse mundo utilizam “Prana” para funcionar, que nada mais é que o termo usado no jogo pra “Mana”, poder mágico das criaturas nesses tipos de mundo

Toda a saga roda em torno de Masaki Andoh, um japonês (novidade XD) convocado pra La-Geas que acaba virando o piloto do Cybuster, o Lorde elemental do Vento.

Os acontecimentos dessa saga tem um certo efeito na saga principal, já que as 2 são diretamente ligadas. A primeira parte do MS1 ocorre antes do primeiro jogo da saga principal, aonde Shu escapa de La-Geas e se envolve nos acontecimentos da superfície e Masaki vai atras dele. As outras partes são misturadas, tendo acontecimento do 2nd OG afetando diretamente o ultimo jogo da saga MS.

O primeiro MS também pode ser usado para contar os acontecimentos da saga “Clássica” da série principal de SRW, já que ele foi criado inicialmente com esse propósito (que na verdade, esse foi o primeiro jogo da série SRW lançada que não conta com nenhuma série animada licenciada, apenas mechas originais)

A saga Masou Kishin é composta pelo jogos:

  • Masou Kishin: The Lord of the Elements
  • Masou Kishin 2: Revelation of Evil God
  • Masou Kishin 3: Pride of Justice
  • Masou Kishin F: Coffin Of The End

Spin-off: Endless Frontier

Num amontado de mundos interligados por portões dimensionais chamados “Cross Gate” chamado “Endless Frontier”, essa saga segue no seu primeiro jogo o caçador de recompensas Haken Browning nas suas caçadas pelos mundos e no segundo jogo segue os passos do Shura (uma raça guerreira) Alady Na’ash.

Essa parte da saga OG inicialmente foi criada apenas como um spin-off da série OG, já que quase todo o seu conteúdo tem alguma referencia a série principal, como personagens e mechas, além de termos como o próprio Cross Gate.

Mas a partir do 2º jogo, já começou a ter ligações mais diretas com a série principal, já que personagens da série principal apareceram em Endless Frontier e essa interação é cannon na história e até no ultimo jogo da série principal, Moon Dwellers, o Haken é um personagem jogável nele, meio que deixando de ser um spin-off (continua sendo pois a jogabilidade é de um RPG clássico com batalhas com “timing” de acerto de ataques, enquanto a principal sempre é de estratégia)

Os jogos que compõem essa saga são:

  • Super Robot Wars OG: Endless Frontier
  • Super Robot Wars OG: Endless Frontier Exceed

Jogos Extras

Uma coisa que é muito retratada na série OG é como as barreiras dimensionais estão ficando cada vez mais fracas, ocasionando interações entre outros jogos que não são diretamente ligados com essa série, mas os acontecimentos dos personagens OGs parando em outros jogos é algo que faz parte da história principal

A principal interação entre jogos de outras franquias é devido a esses 2 personagens, Reiji e Xiaomu, personagens principais do cross-over “Namco X Capcom”. Ambos são baseados nos personagens Kyousuke e Excellen da série OG, o que ajudou bastante na sua aparição no Endless Frontier.

A interação deles com esse mundo também levam aos acontecimentos do Project X Zone, aonde o Haken e Kaguya do Endless Frontier aparecem na Terra, junto com Zanger do OG verse.

Outra interação fora da série OG mas que é direta e influencia ela é do jogo “Another Century: Episode R”. Nele, Masaki, Kyousuke e Ryusei são puxados do OG verse no meio tempo entre o OG Gaiden e 2nd OG para os acontecimentos desse jogo e o retorno deles desse universo é tratado diretamente no 2nd (nunca explicado num total pra não ter problemas com direitos autorais hahahahahaha)

Jogabilidade:

Como a série principal, os “OG”s são jogos de estratégia por turno ao modo mais antigo, primeiro o turno do jogador e depois o turno dos adversários (no plural, pois várias vezes você enfrentará mais de um grupo de vilões e as vezes eles se enfrentam, tendo os seus turnos separados)

Como o foco dessa publicação é a série “principal” dos OGs, não entrarei em detalhes da jogabilidade do Endless Frontier (que é mais um RPG clássico com a jogabilidade de timing que foi criada no Namco X Capcom, passou por ele e melhorada no Project X Zone).
A maioria das imagens que serão usadas nas exemplificações é do ultimo jogo da série, o Moon Dwellers, mas a base dele é utilizada desde os primeiros OGs, então não fará diferença entre esse e os antigos (mesmo os do GBA tem praticamente a mesma base e a partir do remake do PS2 praticamente tudo tem a mesma função, o que for diferente será especificado)

Preparo para as batalhas:

Antes de cada batalha, você entra no menu de “Intermission“, aonde é possível realizar todas as configurações e customizações dos pilotos e mechas para a batalha seguinte. Num geral, você encontrará as seguintes opções:

  • Mecha-Related: Menu direcionado para as customizações dos seus robôs gigantes;
  • Pilot-Related: Menu direcionado para aperfeiçoamento dos pilotos;
  • Team Formation: Preparação das duplas para a próxima batalha;
  • Ability: Equipar itens com bônus nos pilotos e mechas;
  • Options: Configurações do jogo, desde musicas, velocidade de diálogos, etc;
  • Organize Data: Parte para salvar e carregar os seus saves anteriores;

Não entrarei em muitos detalhes específicos, já o intuito desse artigo é apresentar a série, não focar num tutorial completo de cada jogo (isso é melhor aproveitado num artigo especifico do jogo, aonde posso focar nas peculiaridades dele).

Customização dos Mechas:

Durante as batalhas, você recebe dinheiro e partes usadas pra melhorar os seus exercito.
A melhoria dos atributos vai ficando mais caro a cada nivel melhorado, segue o que cada atributo se refere:

  • HP: Esse não tem segredo, é a vida do seu robo
  • EN: Energia do mecha, considere isso o “combustivel” dele.
  • Armor: Pontos da armadura, quanto maior, menor o dano
  • Mobility: Usado para esquiva dos ataques
  • Accuracy: Mira do mecha, quanto maior, mais chance de acertar

A melhoria dos ataques dos mechas varia um pouco entre os jogos da série, nos 2 primeiros jogos, você escolhe exatamente qual golpe ira melhorar, enquanto nos posteriores, o upgrade é feito em todos os ataques ao mesmo tempo.
Um detalhe é que, dependendo do tipo de mecha que você está mexendo, se ele é é um modelo “real” (que utiliza físicas reais, mesmo que um pouco alteradas para o universo de anime), é possível equipar equipamentos extras neles, indo de facas e espadas a canhões de energia. Esses equipamentos extras são melhorados a parte.

Também é possível instalar partes extras nos mechas, que podem aumentar a quantidade de HP, ativar alguma habilidade extra como recuperar HP por turno ou até aumentar o alcance dos ataques. Cada mecha tem uma capacidade diferente, geralmente os “reais” tem mais espaços que os “supers“.
Alguns mechas também já tem habilidades especiais pré-equipadas neles, mostradas na ultima coluna da imagem.

Dois detalhes finais sobre os mechas:

  • eles variam de tamanho, indo de S (Small) até LL (Extra Large). O tamanho dele em relação ao adversário afeta tanto o dano, como a chance de acerto e esquiva, mechas grandes tem dificuldade de acertar os menores, mas em compensação o dano causo é bem maior
  • O tipo de terreno também afeta a batalha, usar um mecha que não está apto a mover-se na água durante uma batalha no oceano acarreta em melhor movimento e esquiva. Armas de laser são ineficazes na água também

Pilotos

Achou que se você “bombar” o seu mecha já consegue arrebentar tudo pelo caminho? Achou errado XD. O nivel do piloto e suas habilidades fazem uma parte bem ativa nas batalhas.

Conforme o piloto derrota inimigos, ele adquire “PP”, que são utilizados para adquirir novas skills, como poder mover depois de atacar, como também melhorar as suas habilidades, como ataques fisicos ou a distancia
Outro detalhe relacionado a quantidade de inimigos derrotados, chegando numa certa marca (maioria dos jogos são 50 abatimentos) o piloto recebe o titulo de “Ace”, aonde recebe um bônus especifico pra ele, que pode variar MUITO entre os pilotos.

Lembra quando num anime o piloto começa a gritar que nem um doido e do nada ele consegue fazer coisas que não conseguia até aquele momento? Então, ele usou um “spirit” e não avisou ao telespectador hahaha.
Esses comandos tem uma variedade funções e são liberadas conforme sobe o nivel do piloto, podendo dar 100% de acerto e / ou esquiva, recuperar o HP do mecha, entre outros efeitos. Pra usar eles, são utilizados os “SP”s, então saber a hora certa de usar eles faz total diferença numa batalha

Times

Os jogos mais atuais já lhe permite montar as suas duplas antes da batalha, facilitando a sua vida, mas isso não impede de trocar as duplas ou realizar um ataque solo no meio da missão.
Tentar usar mechas com ataques e estilos parecidos é um excelente modo de montar a sua dupla, mas existem certos “combos” úteis dependendo da sua necessidade / estratégia, como usar o Arado e a Seolla em dupla, já que ambos tem um “Ace Bonus” quando estão em dupla e podem ativar o ataque em conjunto sem se preocupar com a distancia deles na missão, mesmo que a utilização deles sejam bem diferentes (Arado é voltado para ataques físicos, enquanto Seolla para distancia)

Batalhas

É pra isso que estamos aqui, pela ação com os robôs gigantes XD

As batalhas, no geral da série, são no estilo estratégico por turnos, dividido em turno do jogador e turno dos oponentes (dividindo até mesmo as facções quando tem mais de uma na batalha)

A movimentação é como nos RPGs de estratégia em geral, por quadrados, podendo até ativar em alguns dos jogos a visualização do “grid” pra facilitar a noção de espaço no campo de batalha.

Antes de iniciar um ataque, independente de ser seu ou do inimigo, a tela acima é apresentada, aonde pode desativar a animação, escolher qual ação será realizada em resposta ao ataque inimigo, usar algum spirit antes da ação.
Ao acertar isso e selecionar o inicio da batalha, a animação do ataque é apresentada ao jogador (se deixou desativada, é mostrada uma forma reduzida apenas mostrando os danos e esquivas)

As animações dos ataques são um show a parte, cada ação tem uma animação diferente e nos jogos mais atuais, são todas dubladas também, dando aquela sensação de estar JOGANDO o anime.

Algo bom, principalmente para os iniciantes no estilo de estratégia, é que você pode mover as unidades e para diversos pontos dentro do seu raio de movimento sem perder o turno, assim poderá analisar melhor o campo e criar uma estratégia melhor (ainda existe uma técnica que permite o movimento após o ataque também, excelente para unidades de ataque a longa distância).

Segue umas animações de ataque, ainda do OG para PS2, aonde já da pra ver a qualidade das animações mesmo naquela época

SR Points

Alem da missão básica da batalha, existem missões extras (em alguns dos jogos vem como “Mastery”). Tais missões podem incluir destruir todos os inimigos num “X” número de turno, conseguir derrotar o chefe que foge com uma quantidade “X” de HP ou mesmo não deixar um NPC morrer.
Fazer elas muitas vezes não é fácil e, caso consiga completar essas missões extras, a dificuldade do jogo aumenta do NORMAL para o HARD, deixando os inimigos com todos os seus status melhorados.
Além do desafio extra, pra conseguir fazer o final verdadeiro na maioria dos jogos, você precisa chegar até uma certa missão com uma quantidade mínima de SR Points para seguir essa rota (o que geralmente é uns 95% de todos os SR points)

New Game+, dificuldades e segredos

Todos os jogos da série tem um NG+, já que pra ver todos os pontos da história você precisara fechar no mínimo 2 VEZES (em alguns da linha principal precisa até 3 vezes).
Ao iniciar o NG+, alguns já inicial no nível de dificuldade EX HARD, que além de deixar os inimigos com status maiores que o HARD que fica ao conseguir os SR Points, bloqueia upgrades dos mechas e adquirir técnicas com os pilotos, tornando a partida muito mais desafiadora (mais do que já é XD).

Em alguns também existem a dificuldade “Special”, que seria um “easy” melhorado, por que alem de só ser liberado depois de fechar 2 vezes, você consegue exceder o limite de upgrades dos mechas inicial e ainda vem com 1 cópia de cada arma do jogo (até as secretas), como também um acumulo do dinheiro e kills dos seus pilotos.

Coustwell, original do SRW J, é um mecha secreto no Moon Dwellers

Quanto a segredos, os jogos também tem uma boa parcela delas, indo desde mechas secretos, armas opcionais ou até liberar algum golpe dum mecha seu.
Quantos ao requisitos, geralmente giram em certos personagens terem uma quantidade “X” de kills até um certo estágio, alcançar um level especifico ou mesmo realizar algo durante uma batalha certa pra liberar esses segredos.

Audio e Musicas

Na série principal, as musicas tocadas durante uma animação de batalha correspondem ao anime de onde o mecha veio, mas e nos OGs?
Bem, cada um deles tem a sua musica própria nos seus jogos originais e isso é transpassado para os jogos da linha OG, então a variedade de musicas que temos dentro dessa são muito maiores. Geralmente elas sofrem uma remixagem mais puxada para uma “versão orquestrada”, mas mantendo a sua característica original, isso quando uma mesma musica não ganha versão nova dependendo do desenrolar da história

Segue uma comparação de musica, usando como exemplo a “Gate of Magus”, original do Alpha Gaiden e também utilizada em diversos momentos da série OG

Versão original do Alpha Gaiden
Versão remixada utilizada nos OGs para PS2 e PS3

Outro detalhe sobre as musicas da série é que, como na linha principal, os temas de abertura e créditos dos jogos também são feitas pela banda “JAM Project” (o “JAM” é para Japan Animationsong Makers), um conjunto de 6 cantores japoneses que na suas carreiras solos já tem musicas famosas e eles se juntam pra fazer musicas de animes e games, em especial a série SRW.
Um anime conhecido por muitos que eles fizeram a abertura foi a do One Punch Man, intitulada “Hero”. Segue uma das musicas em show ao vivo para o “OGs” para PS2, Rocks.

Como já é esperado, toda a dublagem da série, a partir do momento que foram utilizadas (no caso, a partir do remaster para PS2) são japonesas, sempre utilizando os mesmo dubladores dos seus jogos originais (pra aqueles que tinha dublagem, claro).
Entre os diversos dubladores que aparecem na série, podemos destacar alguns grandes nomes, tais como:

  • Takehito Koyasu: Voz do anti-heroi “Shu Shirakawa”, é conhecido principalmente pela dublagem do vampiro Dio Brando na série “Jojo’s Bizarre Adventure” e “Olivier” da série “Legend of Heroes” (em todas as ações, até nas canções do personagem);
  • Toshiyuki Morikawa: Voz do “Kyosuke Nambu”, fez a dublagem “Boros” no anime do “One Punch Man” e “Takaya Aiba” do “Tekkaman Blade” (conseguindo quebrar alguns microfones durante os gritos de ataque do personagem hahahaah);
  • Kaori Shimizu: Voz das androids “Lamia Loveless” e “Aschen Brodel”, trabalhou como dubladora de “Lain” do anime “Serial Experiments Lain” e “Akira Takano” nos animes de “School Rumble”.

Gráficos

GBA Vs. Ps3

Os gráficos, mesmo no GBA, já tem uma alta qualidade, tanto nos cenários quanto nos sprites utilizados nas cenas de combates, lembrando bem os animes que estamos acostumados.

A partir dos jogos para PS2, no mapa os mechas e outros veículos que aparecem nas batalhas são em 3D, geralmente usando um estilo de arte puxada para o SD (Super Deformer), sendo que até os ataques de mapa, que acertam vários alvos ao mesmo tempo, tem uma animação em 3D pra elas.

Outras midias

A série OG conseguiu sair do âmbito dos vídeo games e também aparece em outros tipos de mídias, como séries de mangas e até animes contando as histórias dos jogos.

Em animes, temos 3 partes:

  • OVA: composto de 3 episódios, ele é um resumão de alguns acontecimentos que ocorrem no OG Gaiden para PS2. Foi a primeira tentativa da série se aventurar no mundo dos animes;
  • Divine Wars: esse conta, mesmo que de forma resumida e focando na rota do Ryusei, os acontecimentos do primeiro OG. Tem algumas variações entre os acontecimentos do anime e do jogo, mas em boa parte mantém-se fiel a origem;
  • The Inspectors: conta os acontecimentos do segundo OG, que é mais focado no Kyosuke. Também há algumas variações entre o anime e o jogo original, como a mudança de alguns mechas e outros pontos extras, mas também segue bem a linha da sua fonte.
Capa do 3º volume da fase “Inspector” do “Record of ATX

Para mangas, houve alguns lançados, mas os mais conhecidos são as duas séries “Record of ATX”, que conta os acontecimentos dos 2 primeiros jogos pela visão do time ATX liderado pelo Kyosuke.
Os mangas tem uma arte e ação bem legais e não “poupam” a destruição dos mechas principais. Como é de se esperar, existe algumas variações entre o manga e a fonte original, mas as alterações são boas e dá um toque “extra” de drama pra eles, super recomendados.

Considerações finais

Se você curte jogos de estratégia por turno, robos gigantes e diversos “tropes” de animes, esse é um jogo que merece a sua atenção, mesmo que sejam meio difíceis de encontrar no solo ocidental as suas versões físicas, é sempre possível encontrar as versões digitais na e-stores internacionais das plataformas mais atuais.

Para aqueles que querem importar por conta, segue o link de alguns para facilitar a vida de vocês:

2 comentários

  1. A linha Original Generation da série tem os gráficos mais lindo de toda indústria dos videogames, que qualidade de visual e animação.

    Tenho curiosidade pro anúncio do próximo da série, será que rola remake/coleção para geração atual? Acho possível.

    1. Olha, eu adoro a série OG e realmente os graficos deles sao fodas, nao digo os melhores, mas a qualidade é excelente 🤣

      Eu ACHO que, por um titulo colocado na Play-Asia como “30th Aniversary” deve vir um collection, agora de QUAIS jogos (e se realmente vai sair), só o tempo diz XD

      Eu to na torcida de pelo menos um collection dos OGs anterioes ao MD em ingles (nem quero que seja com os graficos do MD, só em ingles eu ja fico hypee feliz haahah).
      Tb espero que anunciem um OG3, eu to desde 2016 na neura pra ver o que vai rolar nessa linha de tempo e como vão encaixar a parte do Alpha 3 nessa porra ja que nunca teve o Astanagran la e eles detonaram o Cross Gate antes da fusao do Colbray.
      Tem muita coisa solta ali que da pra fazer uma história foda XD