Review / Tutorial de Dynasty Warriors 9 Empires

* Esta análise foi feita com o código cedido pela Koei Tecmo (versão PS4/PS5)

Distribuidora: Koei Tecmo
Produtora: Omega Force
Plataforma: PS4 / PS5 / Xbox One / Xbox Series S / Xbox Series X / Switch / PC / Stadia
Mídia: Física e Digital
Ano de Lançamento: 2022

Dynasty Warriors 9 Empires é um musou* e jogo de estratégia baseado no período chinês dos Três Reinos.

*Se você não sabe o que é musou, tem um texto explicando o gênero aqui.

PERÍODO DOS TRÊS REINOS

A Dinastia Han foi o período de maior relevância na China imperial, durando de 206 AC a 220 DC.
Os mais de 400 anos da Dinastia Han foram controlados pela família Liu, período no qual a China se estabeleceu como um reino confucionista.

Confúcio, o maior pensador da China

A filosofia de Confúcio, baseada na moral, política, pedagogia e religião (que influenciaria a China por praticamente 25 séculos, com exceção da Revolução Cultura Chinesa, de Mao Tsé-Tung), contribuiu para o progresso da China nas áreas da agricultura, artesanato e comércio. A influência cultural e política do império estendeu-se para a Mongólia e a Ásia Central, além de Vietnã e Coréia (ambos ainda unos).

Todo este poderio, no entanto, ruiria por uma série de questões, incluindo a corrupção de parte do governo.
A história chinesa é repleta de rupturas, onde se dividia em diferentes reinos menores.
O Período dos Três Reinos é uma destas rupturas (e a mais famosa), tendo sido retratada no aclamado Romance dos Três Reinos, romance histórico escrito por Luo Guanzhong, no século XIV.

O Romance dos Três Reinos engloba o caos dos três reinos, Wu, Shu e Wei, após a queda da Dinastia Han, começando pela Revolta dos Turbantes Amarelos, liderados por Zhang Jiao (parte político, parte líder espiritual), até a unificação pelo reino de Jin (o quarto reino, criado pelo estrategista Sima Yi, anteriormente de Wei).

Xiahou Dun, primo de Cao Cao, perde o olho em batalha contra Lu Bu, arranca a flecha e come o próprio olho

Comum às narrativas históricas antigas, o Romance dos Três Reinos utiliza-se de fábulas e alegorias fantásticas em alguns trechos (“sete partes fato e três partes ficção”, como diria o historiador da Dinastia Qin, Zhang Xuecheng).
A importância do Romance dos Três Reinos na cultura chinesa é tamanha que muitos provérbios do país foram originados na obra, bem como as lendas de Guan Yu (general de Shu que se tornaria o “deus da guerra”), os poderes do estrategista Zhuge Liang e mesmo a força extraordinária de Lu Bu.

Guan Yu, o lendário guerreiros que tornou “Deus da Guerra”

Para finalizar esta introdução e resumir o que de mais importante existe para o Romance dos Três Reinos e a franquia Dynasty Warriors, tenha em mente que os principais personagens e fundadores de cada reino são: Shu (Liu Bei), Wu (Sun Jian), Wei (Cao Cao) e Jin (Sima Yi).

RECONSTRUINDO UM IMPÉRIO

A série Dynasty Warriors usualmente divide-se em três títulos: o título homônimo, a versão Xtreme Legends (que possui melhorias e mudanças em relação ao título original) e a versão Empires (mais focada em estratégia).
Quando o estúdio Omega Force tentou algo novo, com o open world de Dynasty Warriors 9, as coisas não saíram exatamente como o esperado.

O vasto mundo ainda pode ser explorado fora das batalhas

Desta forma, o estúdio precisou se dedicar por alguns meses com uma série de patches e modificações, dada a recepção negativa de público e mídia.
Mas o título, obviamente, não poderia ser totalmente modificado, uma vez que a reclamação era justamente por sua estrutura em termos de design e gameplay.

Revoltas irrompem em territórios antes aliados (incluindo ataques de personagens criados pelo jogador)

Como o título original de cada nova entrada da franquia determina o estilo de seus derivados, a criação de um Dynasty Warriors 9 Xtreme Legends seria bastante complicada.
Então o Omega Force e a Koei Tecmo apostaram em uma ambiciosa reestruturação, focando diretamente na versão Empires.

Durante o Passeio é possível interagir, recrutar e fazer amizades e alianças com outros oficiais

Portanto, embora a base de gameplay ainda seja a do mundo aberto de DW9, DW9 Empires foi estruturado de maneira diferente, voltando ao padrão das missões fechadas, embora seja possível explorar livremente o mapa completo durante o “Passeio” (strol).
A parte da estratégia ganhou destaque, com influência (leve) das séries Nobunaga’s Ambition e Romance Of The Three Kingdoms, com maior foco na administração de recursos e alianças políticas.

ESCOLHENDO UM CAMINHO

O primeiro passo em DW9E é escolher com quem você irá jogar.
Tenha em mente que alguns personagens irão começar em diferentes posições de poder: seja como um grande general, um pequeno comandante galgando os degraus do império ou mesmo um independente, que precisa começar do zero, recrutando os primeiros generais comandantes que irão ajudá-lo.

Não tem como reclamar da quantidade de personagens…

Dentre a vasta gama de personagens da franquia, temos aqui um novo recorde: 446 personagens (+10 via dlc), divididos em 94 personagens principais e 362 oficiais genéricos, aqueles comandantes de menor importância que você encontra durante as batalhas.

Casamento entre oficiais é uma possibilidade de interação
Filhos de generais tornam-se jogáveis, apenas lembre de salvar o personagem

Você pode também optar por criar o seu próprio personagem, escolhendo aparência, estilo de luta e nome.
É possível também ter um filho em um dos cenários, que será gerado automaticamente no fim da campanha e pode ser salvado para ser usado posteriormente (é possível editar este personagem durante a criação).

Alguns oficiais oferecem-se espontaneamente para integrar suas forças… mesmo que suas motivações sejam estranhas

Seu objetivo é conquistar todos os territórios da China, o que levará algum tempo, considerando a passagem do tempo, os períodos de pura administração e as revoltas em seus territórios, que invariavelmente precisarão ser contidas.

O ADMINISTRADOR…

O diferencial de DW9E sobre seus predecessores é o seu grande foco na administração do reino, utilizando sistemas (simplificados) de Nobunaga’s Ambition e Romance Of The Three Kingdoms, como citado anteriormente, ambas franquias da Koei Tecmo.

No conselho de guerra você pode decidir qual região invadir (atenção à barra de moral)

Aqui temos uma grande variedade de opções, sendo que algumas só são possíveis para determinados personagens e/ou cargos e também podem depender do status político do personagem.

Há cada seis meses acontece um conselho de guerra, onde o magistrado, rei, grande general ou imperador estabelece o plano para os próximos meses e qual região será atacada (ou não) ao final dele. Durante o conselho, é possível acatar ou sugerir outro plano de ação. Se você é o líder do reino, decidirá qual caminho seguir, aceitando ou não as sugestões propostas; caso contrário, você pode fazer uma sugestão que o beneficie, mas dependerá da boa vontade de seu lorde para ter o conselho aceito.
A amizade e os atributos políticos ajudam nesta aceitação, mas falarei deles posteriormente.

Hora de colocar os planos do reino em ação

Durante os seis meses pré-conselho, você terá uma série de diferentes tópicos para abordar, dependendo do plano decidido pelo conselho.
Os tópicos dividem-se em:

Assuntos Domésticos: Procurar fundos, rações, desenvolver comércio, agricultura, pilhar regiões, etc;

Assuntos Sociais (ou Humanos): Resignar-se do serviço do seu senhor atual, pedir transferência para outro reino, mudar a posição dos oficiais, trair o reino atual, emancipar-se do reino, oferecer um banquete (para elevar o moral das tropas), etc;

Diplomacia: Sondar oficiais de outros reinos, oferecer propinas, estabelecer alianças, etc;

Assuntos Militares: Treinar, aumentar defesa de um território, sabotar um território inimigo, etc;

Invasão: Invadir um território inimigo ou defender-se de um ataque;

Passeio: Explorar o mapa, visitando cidades e interagindo com seus oficiais e oficiais inimigos e/ou neutros, com a possibilidade de recrutá-los. Pactos de irmandade em armas, casamentos e amizades podem ser estabelecidos aqui, bem como caçar animais e lutar contra batalhões no mapa aberto;

Comércio: Aqui você pode comprar e vender diferentes tipos de flechas e gemas (de poder e elementais, equipáveis nas armas);

Descanso: Passa o turno e restaura a energia gasta nas batalhas.

Perceba que em todos os casos em que citei o “etc”, há mais opções possíveis, dependendo de seu status político e posição no governo.
Há uma segunda “aba”, com informações referentes ao personagem principal, territórios, força do exército e aliados.

Os atributos políticos determinam sua reputação e o seu prestígio no reino

Os atributos políticos podem ser evoluídos ou regredidos conforme as decisões de plano do reino e também através da escolha do plano secreto correto para o campo de batalha.
Com um nível máximo de 10, os atributos são: Bravura, Comando, Engenhosidade, Eloquência, Bondade e Maldade.

… E O GUERREIRO

As missões, como dito no início do texto, voltaram ao formato separado, comum à série.
Uma parte muito importante para a vitória é o uso dos planos secretos e os planos secretos pessoais.

Os planos secretos são parte importante da estratégia de campo…

Durante a preparação para a batalha, você escolhe um plano secreto, uma estratégia para dar vantagem ao seu exército, seja pela chegada de reforços, alteração mágica do clima, invocação de animais mágicos, entre outros.
Apenas um plano pode ser escolhido por batalha e é necessário concluir o objetivo pedido para que ele se concretize. O exército inimigo também possui planos secretos para usar, cabendo a você frustrar as expectativas deles.

… como a criação de Juggernauts (no caso, aí estou atacando o do inimigo)

Já os planos secretos pessoais são representados por cartas e podem ser equipados até quatro por vez, podendo ser utilizados múltiplas vezes em batalha, após o recarregamento.
Os planos secretos pessoais consistem em vantagens e/ou ataques mais poderosos, como explosões, congelamentos, disparos de energia, preenchimento da barra de musou, etc. Há uma enorme variedade de planos secretos pessoais, desbloqueados conforme o seu avanço nas batalhas e o recrutamento de oficiais derrotados e capturados.

Os planos secretos pessoais são atribuídos ao D-Pad

O avanço pelo campo de batalha se dá como o usual, podendo ser utilizado o cavalo para ganhar tempo e a conquista de estruturas é necessária para o aumento do moral do exército (os planos secretos também ajudam neste ponto).
As principais estruturas a serem conquistadas são a da criação de torres para a escala dos muros, catapultas para enfraquecer defesas e aríetes para destruir portões. Na invasão, estas são as estruturas que irão garantir poder invadir o castelo para derrotar o comandante, seja pelo chão ou utilizando o gancho com corda para escalar os altos muros (podendo quebrar as trancas por dentro); na defesa, tais estruturas precisão ser contidas para que o castelo não seja invadido.

Planos secretos pessoais são obtidos em forma de cartas, como espólio de guerra

Ao conquistar a maior parte das estruturas e ter enfraquecido o moral das tropas (ou conquistado todas as estruturas no campo de batalha), a Luta Decisiva é desbloqueada, permitindo confrontar definitivamente o comandante do exército inimigo.

Oficiais capturados podem ser recrutados, libertos ou executados

Finda a batalha, os oficiais capturados e derrotados podem ser recrutados para o seu exército, caso o aceitem; se recusarem, eles podem ser libertos ou executados (você somente pode decidir aqui caso seja o maior posto no reino, caso contrário, a máquina irá decidir por você).

PAISAGEM POEIRENTA

O gráfico de DW9E não é seu ponto forte, apostando em um visual mais realista do que o usual para a franquia, seguindo a estética de DW9.
Indo na direção oposta do belo Samurai Warriors 5 (cuja análise você pode conferir aqui), que foi para um estilo mais cartunesco, DW9E vai de encontro ao realismo (dentro do possível), com rostos mais marcados por expressões e o efeito de poeira nas botas dos oficiais.

O território selvagem de Meng Huo

Embora o estilo artístico não impressione, ele fica na média da série, sem grandes destaques, apesar de algumas composições arquitetônicas e paisagens mais elaboradas e uma topografia com forte verticalidade, beneficiando o uso do gancho para escalar muros e mesmo pequenas elevações naturais.

Grandes construções fazem presença no título

O design dos oficiais principais traz de volta vestuário clássico para alguns personagens (como o trajeto de Xiahou Dun de Dynasty Warriors 3, apenas sem o cabelo comprido e a capa, bem como o visual clássico de Zhang Fei e Guan Yu), o que é um ponto fortíssimo para um fã antigo da franquia (cof, cof).

Xiahou Dun retorna ao seu visual de Dynasty Warriors 3 (ou quase)

A trilha sonora dispensa comentários, utilizando a já habitual mistura de hard rock/metal com instrumentos e melodias chinesas.
Remixes de antigas músicas da franquia e novas adições fazem-se presentes, bem como a bela dublagem japonesa.
Cabe ressaltar que, como habitual na série, os nomes dos personagens referem-se aos seus equivalentes na interpretação japonesa, sendo alguns generais e comandantes citados com nomes diferentes no livro de origem.

PLATINANDO IMPÉRIOS

A platina de Dynasty Warriors 9 Empires não é muito difícil, embora consuma um tempo considerável.
Os troféus consistem em ter um filho, ter filho e pai (ou mãe) em um mesmo exército, costurar 10 alianças, tornar-se imperador, estrategista e outras posições específicas, além de maximizar cada um dos atributos políticos.

Gemas de artefato adicionam poderes elementais e/ou outras funções à arma

Criar um personagem customizado, participar de todos os eventos históricos e participar de um juramento de irmandade com algum personagem estão entre outros dos troféus.
Adquirir uma gema épica e uma gema épica de artefato podem dar um pouco mais de trabalho por pedirem que se jogue nas dificuldades mais altas.

RESUMO DA ÓPERA:
Dynasty Warriors 9 Empires é uma aposta alta após os problemas de Dynasty Warriors 9.
Utilizando forte influência das séries estratégias da Koei Tecmo, o jogo se solidifica em mecânicas de microgerenciamento e o combate fluído da série, colocando o fator open world em segundo plano (embora ainda acessível).

Os elementos místicos da narrativa de Luo Guanzhong (e do spin off Strikeforce) passam a integrar a série principal

Apesar do gráfico usual da série, sem grandes surpresas, o jogo empolga em sua essência, contando com uma trilha sonora soberba e um alto fator replay, dado o gigantesco elenco de personagens e a possibilidade de criar outros.

Chuva de flechas de fogo na China antiga; não, não é a tocha olímpica sendo acesa…

Não apenas isto, mas o sistema de planos secretos dá ótima dinâmica às batalhas, com mudanças de moral entre as tropas mais constantes.
O Passeio, aquele período entre batalhas onde é possível caminhar e conversar com outros personagens, ganhou uma boa finalidade, além de não confinar o jogador apenas em sua base, podendo explorar todo o mapa se assim o quiser, caçando, lutando e coletando recursos adicionais (tudo isto sem obrigatoriedade).

Uma verdadeira ode à principal franquia da Koei Tecmo e do estúdio Omega Force, Dynasty Warriors 9 Empires não apenas consegue consertar os problemas de seu título de origem, como expandir ideias de outras franquias e homenagear os antigos títulos, trazendo de volta designs e vestuários clássicos.