Musou, O Gênero Secreto

Você conhece o musou?
Subgênero do hack’n’slash originado na série Dynasty Warriors, da Koei Tecmo, o estilo possui algumas particularidades que o definem, embora muitos sites especializados em games ignorem a sua classificação.

Mas vamos do início.
Sangoku Musou foi criado pelo estúdio Omega Force, da publisher Koei (que em 2008 se uniria à Tecmo), originalmente como um jogo de luta para o PSOne.
No elenco, alguns personagens clássicos do período chinês dos Três Reinos: Zhao Yun, Guan Yu, Zhang Fei, Xiahou Dun, Dian Wei, Xu Zhu, Zhou Yu, Lu Xun, Taishi Chi e Diao Chan. Como personagens extras, temos Cao Cao, Zhuge Liang e Lu Bu, além de Sun Shang Xiang, Oda Nobunaga e Toukichi (os últimos dois período Sengoku japonês, sendo Toukichi uma versão superdeformed inspirada em Toyotomi Hideyoshi).


No entanto, em 2000, já no PlayStation 2, Shin Sangoku Musou, daria início ao subgênero do artigo.
A mudança de estilo adicionou o Shin (verdadeiro) ao nome, separando-o do primeiro título… ao menos no Japão. 
No ocidente, a série continuaria sua linha numerada, sendo Dynasty Warriors 2 o primeiro musou propriamente dito.


A partir de então, o estúdio Omega Force criaria diversos outros jogos, fomentando o gênero, em especial em suas duas principais franquias: Dynasty Warriors, sobre o período chinês, com forte inspiração no livro O Romance dos Três Reinos e Samurai Warriors (Sengoku Musou), inspirado no período Sengoku japonês.

A tradução de Musou é um tanto quanto complexa para os ocidentais, mas geralmente é tida como “Único” ou “Inigualável”, referindo-se às habilidades sobre-humanas de seus protagonistas.
Tais protagonistas, capazes de combater batalhões inteiros, possuem inspiração nos guerreiros da literatura Wuxia, onde artistas marciais são capazes de longos saltos, voos ou mesmo equilibrar-se em lanças ou bambus. Wuxia ficou famoso como gênero de filmes chineses, no ocidente especialmente pelos estrelados por Jet Li.


O conceito de um musou baseia-se no controle de áreas de um mapa: o personagem luta contra diversos soldados que funcionam como “peões” e são derrotados por poucos golpes até encontrar o capitão ou general adversário, que possui mais vida e mais força.
Conforme derrota tais generais, o personagem vai conquistando bases e mudando a maré a favor de seu exército, sendo representada pela dominância da cor no mini-mapa e pela mudança no moral de ambos os exércitos.

A cor vermelha identifica o inimigo e a azul, os aliados (eventualmente, amarelo para uma terceira força)

O gameplay consiste em ataque fraco e ataque forte, sendo possível finalizar os combos de ataque fraco com ataque forte, embora a variação de combos mude conforme os jogos e a evolução do gênero, permitindo mais combinações.
Cada personagem possui seu “golpe musou”, um poder mais forte do que todos, desencadeando uma série de ataques ou um ataque único, sempre resultando em maior poder de destruição e diversos inimigos acertados ao mesmo tempo. O True Musou é executado ao se estar com a energia no vermelho ou sob outras condições, incluindo a barra de frenesi ou raiva.


É claro que para ser propriamente um gênero (ou subgênero) seria necessário concorrentes de outras empresas e assim o foi: talvez o mais conhecido seja Sengoku Basara, da Capcom, também ambientado no período Sengoku, porém com um estilo mais anime e exagerado.
Mas não ficou só por aí: diversos outros títulos de diferentes empresas surgiram no mercado, embora sejam muitas vezes não identificados ou reconhecidos.


Há, entretanto, uma confusão na classificação de alguns jogos: Senran Kagura, por exemplo, pode ser classificado como Musou enquanto um jogo com domínio de áreas e diversos personagens para serem derrotados, com um mapa (relativamente) livre; já Onechanbara, apesar dos múltiplos inimigos derrotados, divide os segmentos de lutas em pequenas arenas, o que o qualifica mais para um character action hero (Devil May Cry e Bayonetta).

Então aí está! Uma explicação básica do que é um Musou.
Quando ler sobre algum jogo da série Warriors em outro site e ver sendo classificado apenas como hack’n’slash, lembre-se que o conceito é mais complexo e que você aprendeu a verdade (shin, sacaram?) aqui no Shin-Reviews!