Review / Tutorial: Cris Tales

Ola, aqui é o Pena e hoje trago um RPG indie que chamou bastante a atenção nos últimos tempos, o Cris Tales.

Ele foi produzido pela Dreams Uncorporated em conjunto com a SYCK, sendo publicado pela Modus Games, que deles já fizemos o review dos jogos Lost Words: Beyond The Page e Override 2: Super Mech League.

Cris Tales é um RPG na moda antiga, tendo bastante base em Chrono Trigger e Mario RPG, mas também tem mecânicas próprias que são bem interessantes e que vale a pena pra quem curte jogos que mexem com viagens e manipulações temporais.

Review feito em base da versão pra PS4
(códigos cedidos pela Modus Games)

Titulo: Cris Tales
Produtora: Dreams Uncorporated e SYCK
Distribuidora: Modus Games (Americana) / Maximum Games (Europeia)
Gênero: RPG por turno
Plataformas:
PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Nintendo Switch, Xbox Series X, Android, PC e Google Stadia
Mídia: Digital e Físico
Textos: Português (no PC), Inglês, Francês, Alemão, Espanhol, Italiano, Russo, Japonês, Coreano, Chinês Tradicional e Simplificado
Dublagem: Inglês

História

No jogo controlamos Crisbell, uma jovem que mora no orfanato da cidade Narim. Ela vivia tranquilamente até encontrar um sapo, que além de ser amarelo e usar uma cartola e gravata borboleta, também consegue falar.

Agora ela despertou os seus poderes de Maga do Tempo, conseguindo ver o que ocorreu no passado e ver as possibilidades do futuro, tudo ao mesmo tempo.

Agora cabe a ela e os seus companheiros viajar pelo mundo pra resolver os diversos problemas e enfrentar a Imperatriz do Tempo que falhou no passado, mas tentara novamente dominar a capital do mundo Crystallis.

A história é bem direta no começo, mas tem umas reviravoltas interessantes que claro que eu não vou entrar em detalhes aqui pra não estragar as surpresas.

Gráficos

O jogo foi montado usando o motor gráfico Unity, aonde os gráficos são no estilo de cartoon, relativamente simples, mas bem bonitos e agradáveis, além de ter diversas mudanças nos sprites e as suas movimentações são bem fluidas.

Uma das coisas mais interessantes do jogo é ver ao mesmo tempo as três linhas temporais das cidade e nas batalhas, da um efeito bem diferente pro jogo, agradando bastante com essa ideia.

Áudio

As musicas do jogo foram produzidas por Tyson Wernli, trazendo um arranjo de musicas que varia bastante dependendo da região que você está explorando, todas muito agradáveis e gostosas de ouvir.

Enquanto nas cidades são musicas mais calmas pra aproveitar o clima pacificos delas, as batalhas já são mais agitadas, principalmente as de chefes, como também muda o tema de batalha dependendo da região que você está.

Como a OST do jogo está disponível no Spotify, segue a playslit dela pra você curtir enquanto termina de ler o review.

Enquanto o jogo só tem dublagem em inglês, todas as interações do jogo tem dublagem e conseguiram chamar um pessoal bom pra fazer as vozes, entre eles temos:

  • Kira Buckland: Dubladora da Crisbell, também trabalhou na série Legend of Heroes fazendo a Celine e a Elise Schwarzer, como também no Nier Automata dublando a 2B.
  • Zeno Robinson: Dublador do Cristopher, também trabalhou no Scarlet Nexus fazendo o Kaito Sumeragi, como também no I’m Standing on a Million Lives dublando o Yusuke Yotsuya.
  • Lizzie Freeman: Dubladora da Zas, também trabalhou no Genshin Impact fazendo a Yanfei, como também no Pokemon Marters dublando a Sabrina.
  • Daman Mills: Dublador do JKR-721, também trabalhou no Final Fantasy VII Remake: Intergrade fazendo o Weiss, como também no Ys 9 dublando o Hawk.

Jogabilidade

Como falado no começo, Cris Tales é um RPG por turnos que lembra bastante o Chrono Trigger (mesmo que a manipulação de tempo seja diferente) e o Mario RPG com algumas mecânicas do jogo. Vamos por partes pra mostrar o que temos no jogo, mas como sempre, não vou entrar em todos os detalhes por que algumas coisas seriam spoiler da história.

Menu

Menu é simples mas bem completo

Nenhum RPG consegue fugir dos seus menus, algo que você acessará com frequência na sua jogatina. Logo na tela principal, além das opções pra os sub-menus, também mostra o local aonde você está, dinheiro, tempo de jogo e os status gerais do seu time.

A parte de Save só fica liberada no mapa mundi, enquanto o Options serve pra mudar alguns detalhes da configuração do jogo (mas língua ele pega a base do seu console). Já o Exit é pra retornar para a tela título.

No sub-menu de Inventory você tem acesso aos seus itens consumíveis e verificar os itens chaves, mas não tem como verificar os seus equipamentos nessa área. Se precisar usar um item de cura, pode usar aqui.

Já no sub-menu Equipment você tem acesso a todos os equipamentos disponíveis. Só precisa saber que alguns itens não são equipáveis em todos os personagens e não existe troca de armas aqui, mas tem como equipar itens extras nelas na parte de Upgrade Weapon.

No Upgrade Weapon você equipa um chaveiro que adiciona especiais a suas armas, como causa veneno no inimigo ou causar mais dano ao reduzir temporariamente a defesa do adversário.

Quando você tiver mais de 3 personagens no time, pode escolher quais iram pra batalha no sub-menu Party. Infelizmente personagens que não estão na batalha não recebem exp e a Crisbell é sempre obrigatória por ser a protagonista.

No sub-menu Status você tem um geral dos seus personagens e também se estão afetados por algum efeito negativo, já que alguns persistem após a batalha. O que significa cada característica eu vou deixar na parte de batalha pra facilitar alguns detalhes.

No sub-menu Skills você tem acesso a todas as técnicas que os seus personagens já aprenderam e verificar em quais níveis as outras técnicas são liberadas. Caso o personagem tenha alguma técnica de cura, elas ficam no topo pra facilitar a utilização delas.

No sub-menu Quest Log você consegue verificar o que precisa fazer pra avançar a campanha e verificar as missões paralelas da área que você está.

Exploração

A exploração das cidades e dungeons é feita num cenário com imagens 2d mas com profundidade, em vez duma visão de cima do cenário. Qualquer interação possível é mostrada com o balão de conversa com a exclamação laranja.

Nas lojas tem a visualização geral de todas as categorias, como também pode filtrar entre as abas pra facilitar a visualização dos itens.

Nas cidades, a lojista tem a parte de Time Synthesis. Nela você pode melhorar os atributos da arma dos personagens, já que não há troca de armas nesse jogo. Mas não se preocupe, usa apenas dinheiro, não precisa coletar material pra isso, mas se prepara que pro começo do jogo os valores ficam altos rápido.

Quando tem alguma missão paralela disponível, esse símbolo fica marcado no local, podendo ser em NPCs ou em objetos, tem que procurar por que não existe mapa pra marcar.

Sempre que esquecer o que precisa fazer na campanha principal, basta apertar o botão que mostra no canto superior esquerdo que os personagens falam o que precisa fazer, bem, pelo menos dão a noção básica né hahaha.

Nas dungeons e cidades, você encontrará esses solos aonde poderá salvar. Dentro da dungeons, caso tenha no seu inventário uma tenda, pode usa-la pra recuperar por completo os seus personagens.

Foda das cidades e dungeons temos um mapa geral que você tem uma certa liberdade, mas não se preocupa que não tem batalha nessa parte, mas durante as explorações nas dungeons, as batalhas são aleatórias, que nem nos RPGs mais antigos.

Manipulação do Tempo

Passado, Presente e Futuro, tudo numa única tela

Um dos pontos mais interessantes do jogo é como o poder temporal da Crisbell funciona. Ela não viaja pelo tempo, mas consegue ver o passado e visualizar as futuras possibilidades, isso tudo numa única tela (um dos motivos de demoras de carregamento do jogo é por precisar carregar as três visualizações ao mesmo tempo). Só que temos um detalhe, ela só consegue VISUALIZAR, não interagir com o passado e futuro, ficando sempre no presente.

Ai você pensa: “Legal, do que me adianta ver o passado e o futuro se eu não posso fazer nada com eles?”. É nesse momento que entra o nosso amigo sapo Matias. Ele sim consegue pular entre as linhas temporais, podendo interagir com certos pontos necessários pra avançar na campanha, como também pegar baús que estão nesses períodos de tempo.

Muita coisa do jogo você precisará da ajuda do sapo falante pra conseguir desvendar certos mistérios e concluir diversas missões paralelas.

E depois de um certo ponto da história, os poderes da Crisbell ficam mais fortes ao ponto de conseguir influenciar certos objetos, podendo restaura-los ou destrui-los ao transferir a essência passada ou futura deles para o presente.

Batalhas

A primeira batalha do jogo

Como comentado durante o review, as batalhas do jogo são aleatórias e por turno. Como todo bom RPG, temos alguns pontos usados pros ataques e outros detalhes, então vamos explicar:

  • HP: Os pontos de vida dos personagens. Se chegar a zero, o personagem desmaia e precisa ser revivido com item específico;
  • MP: Os pontos pra utilizar as magias e técnicas gerais do jogo;
  • CP: Esses pontos são específicos para a Crisbell, utilizados nos seus poderes de controle temporal dentro das batalhas;
  • Heat: Específico para o JKR-726, é a temperatura do seu sistema, conforme você ataca ele carrega e caso chegue ao máximo, ele superaquece, recebendo dano e causando dano ao seu redor;

Nas batalhas você sempre fica cercado pelos inimigos, mas isso não afeta o dano recebido, é para a utilização dos poderes temporais, mas entro nesse ponto daqui a pouco. Como a lista de comandos fica em posições específicas, segue elas:

  • Pra cima: Clicando pra cima, você tem acesso a:
    1. Pass: troca de turno com o próximo atacante, mas não perde a ação, podendo atacar logo em seguida;
    2. Item: consegue utilizar os itens do sem inventario;
    3. Defend: Entra em posição defensiva, passando o turno e reduzindo o dano recebido;
    4. Coolant: Específico do JKR-726, substitui a defesa, descarregando todo o calor do sistema, mas ficando sem proteção.
  • Pra esquerda / direita: Direcionado para os inimigos, você consegue:
    1. Attack: utiliza o ataque básico dos personagens com as suas armas;
    2. Skill: entra no menu de técnicas do personagem;
    3. Past / Future Crystal: Exclusivo da Crisbell, utiliza o poder temporal dela pra alterar o periodo de tempo da área da batalha, entro em mais detalhes depois.
  • Pra baixo: Acessa a opção de fugir da batalha, mas não funciona em batalhas obrigatórias.

A sequencia de turnos dos participantes fica marcado no topo da tela, indo da direita pra a esquerda, sendo que o que irá agir no turno atual fica no meio da lista.

Quando você utiliza um ataque, técnica ou recebe um ataque, assim como no Mario RPG, você tem como apertar o botão no momento correto pra aumentar o dano causo ou diminuir o dano recebido. A mensagem e efeito varia pelo momento do seu comando:

  • Para ataques:
    • Sem mensagem: causa somente o dano básico;
    • Good: para ataques normais, acrescenta um segundo ataque que causa 50% do dano do primeiro ataque. Para técnicas, causa mais dano e tem mais chance de causar status negativos caso tenha essa possibilidade;
    • Critical: pra ataques normais o segundo ataque causa 100% do dando do primeiro ataque e nas técnicas é quase certeza que o status negativo será aplicado;
  • Para defesa:
    • Sem mensagem: recebe o dano cheio do ataque;
    • Deflect: reduz em cerca de 40% do dano;
    • Parry: reduz em praticamente 80% o dano recebido e evita qualquer efeito negativo;

Bem, com essa explicação deu pra entender que ter controle do momento do ataque é essencial nesse jogo, muitas coisas ficam praticamente impossíveis se você não se acostuma logo com esse tipo de sistema.

Depois de um ponto do jogo, libera o ataque sincronizado dos personagem. Pra realizar ele, precisa carregar a barra Syncro que fica acima dos status dos seus personagens. Só vale apontar que qualquer combinação é utilizada a Crisbell, então se ela não puder atacar (ou o outro participante), não é possível usar o ataque. Novos ataques são recebidos conforme os seus personagens sobem de nível.

O poder de controle temporal da Crissbell também é utilizado nas batalhas, mandando os inimigos para o passado (no lado esquerdo da tela) ou para o futuro (no lado direito da tela). Ao fazer isso, os inimigos mudam o seu estado temporal, ficando mais novo ou velho dependendo do efeito, como também efeitos diversos acontecem quando eles já estão sobre efeito de algum status negativo. Um exemplo pratico disso ocorre bem no começo do jogo, aonde você usa uma técnica de água pra encharcar o inimigo e após mandar ele pro futuro, seus equipamentos enferrujam, causando perda de defesa.

Devido a esse ponto do jogo, os inimigos tem três status diferentes, passado, presente e futuro e suas caracteristicas e ataque mudam conforme o seu estado temporal. Só não ache que por deixar o inimigo mais novo ou mais velho ele ficara mais fraco, isso varia muito pra cada inimigo.

Um detalhe final sobre a manipulação temporal é que, caso o inimigo já esteja no ponto temporal máximo dele (passado ou futuro), caso use a mudança temporal, ele recebe dano ao invés de mudar o estado. Essa parte da mudança temporal é algo muito utilizado nos chefes, tem uns que se você não entende direito isso, vai apanhar feio haahah.

Quando você termina a batalha, além de mostrar a experiência, dinheiro e itens recebidos, caso alguém suba de nível e ganhe uma nova técnica, é mostrada na tela de resultados.

Conquistas

Tive que fazer um speedrun pra conseguir o ultimo troféu…

A lista de conquistas do jogo requer um pouco de atenção e dedicação, pois do jeito que está o jogo, você não tem como conseguir tudo numa única partida. Os mais trabalhosos da lista são:

ConquistaDescrição
Learn from the past, act in the present and change the futureFechar o jogo depois de fazer todas as missões paralelas
Loot aficionadoEncontrar todos os baús do jogo
Walking armory chestConseguir todos os equipamentos do jogo
The best, like no one ever wasConseguir todas as habilidades da ultima personagem jogável

Conclusão

Cris Tales é uma boa pedida pro pessoal que curte os RPGs com uma pegada mais antiga, trazendo combates por turno que lembram os do Mario RPG mas com um toque interessante de manipulação de tempo nela, dando um ponto extra pra estratégias e combinações.

Os gráficos, apesar de serem relativamente simples, são muito detalhados e com movimentações bem fluidas, basta olhar pro sprite do JKR-721 pra tirar qualquer duvida. Os efeitos dos ataques e magias ficaram bem caprichados, isso sem contar os cenários e o cuidado de ter feito os 3 pontos temporais de praticamente todos os pontos do jogo.

“I’m Gundam”…
Opa, série errada XD

As musicas agradam bastante, elas tem um estilo que puxa os jogos mais antigos, mas não são em chiptunes, usando diversos instrumentos, dentre violinos, pianos e guitarras, tendo várias bem gostosas e empolgantes de escutar. Só que vale apontar que enquanto na maioria dos ataques tem efeitos sonoros, alguns golpes de chefes e personagens ficaram sem efeito sonoro.

A história esbarra em diversos clichês conhecidos de mídias que utilizam manipulação de tempo na sua construção, mas mesmo assim consegue ser bem agradável pra quem curte esse estilo de história, com personagens bem carismáticos e bastante humorados.

Algo notado é o tempo de load do jogo. Tanto na versão pra PlayStation 4 (que foi a utilizada no review), como o que pesquisei pelo menos na versão do Switch, é que são um pouco grande, ficando entre 10~15 segundos entre entrada e saída de batalhas, como também pra carregar as cidades. Isso é devido em carregar três ambientes ao mesmo tempo (passado, presente e futuro). Já no PlayStation 5, que tem um processamento mais rápido, os loads entre batalha e dungeon são de 1~2 segundos apenas.

Um ponto final que vale comentar é sobre a “dificuldade relativa do jogo”. Como ele depende muito do seu tempo de resposta pra acertar os ataques e defesa, a sua experiência é totalmente afetada por isso, podendo se tornar em boa parte bem fácil caso você tenha facilidade com esse tipo de mecânica, como também pode ser um jogo extremamente difícil se você não tem costume com isso.

Algumas notas pessoais

Enquanto eu realmente gostei do jogo, senti a falta de algumas coisas que poderiam completar a experiência do jogo, tal como:

  • Quando você finalmente tem liberdade de viajar o mapa geral do jogo, ele não oferece nada além do que você já havia visitado anteriormente, não tem nem ao menos uma ilha extra com alguma batalha não obrigatória pra acrescentar um desafio novo no jogo;
  • A possibilidade de criar itens além da melhoria das armas, mesmo que sendo uma coisa simples, adicionaria um ponto legal no jogo;
  • A ideia dos chaveiros pra adicionar efeitos extras nas armas foi bem interessante, mas ter apenas 4 tipos diferentes meio que matou as possibilidades dele;
  • Faltou um New Game + no jogo, principalmente pra aqueles que perderam algo na sua primeira partida que e querem jogar novamente pra corrigir no que falharam.