Review / Tutorial: Alex Kidd in Miracle World DX

Ola, aqui é o Pena e hoje vamos de um remaster de um dos clássicos da era dos 8 bits, o Alex Kidd in the Miracle World DX.

Ele foi desenvolvido pela equipe espanhola Jankenteam, sendo o primeiro jogo publicado deles, tendo a distribuição feita pela Merge Games, que deles já fizemos o review do “Morbid: The Seven Acolytes“.

Review feito em base das versões pra PS4
(códigos europeu cedido pela Merge Games)

Titulo: Alex Kidd in Miracle World DX
Produtora: Jankenteam
Distribuidora: Merge Games
Gênero: Aventura / Plataforma
Plataformas:
PlayStation 4, PlayStation 5, Nintendo Switch, Xbox One, Xbox Series X e PC
Mídia: Digital e Físico
Textos: Português, Inglês, Espanhol, Francês, Alemão, Italiano, Japonês, Coreano e Chinês (tradicional e Simplificado)

A série

Alex Kidd era o mascote oficial da Sega até 1991, que foi substituído pelo Sonic. Até então, ele recebeu alguns jogos de diversos gêneros diferentes para manter a sua marca, sendo eles:

  • Alex Kidd in Miracle World (Master System): primeiro jogo do personagem (do que o remake você está lendo agora). Vinha na memória das primeiras versões do Master System;
  • Alex Kidd with Stella: The Lost Stars (Arcade): Jogo de plataforma do herói com uma arte bem diferente do primeiro jogo. Teve um port para Master System posteriormente;
  • Alex Kidd in High-Tech World (Master System): Esse mistura mecânicas de RPG com aventura em plataforma, sendo uma versão modificada do jogo japonês “Anmitsu Hime“;
  • Alex Kidd in Shinobi World (Master System): Jogo de ação parodiando o famoso Shinobi, com várias versões caricatas dos inimigos da série;
  • Alex Kidd BMX Trial (Master System): Jogo de bicicleta que utilizava um controle especial para ele. Ficou apenas no Japão;
  • Alex Kidd in the Enchanted Castle (Sega Genesis): Único jogo da série que não saiu para Master System, seguindo a mesma linha do Miracle World, sendo um de plataforma com partidas de Jankenpô.

História

Na história acompanhamos Alex Kidd, um garoto que treina arduamente para dominar a arte marcial conhecida como Shellcore. Durante o retorno de uma sessão dos seus treinamentos nas montanhas ele começa a encontrar pessoas petrificadas no caminho.

Isso ocorre por que Janken, O Grande, começou a sua investida pra dominar o reino. Com isso, começa a aventura do nosso herói que acaba descobrindo detalhes do seu passado desconhecidos até o momento.

Sim, a história é simples e direta, mas como a maioria dos jogos da época, o foco do jogo não era contar uma história mirabolante, mas sim toda a ação que decorre a partir dela.

Gráficos

O jogo usa como base a versão original do Master System, utilizando o motor gráfico Unity para montar gráficos no estilo de cartoon bem caricatos e carismáticos. Só repare que eu falei que ele usam a BASE da versão original, o que indica que houveram algumas pequenas mudanças em alguns layouts e adição de alguns detalhes no jogo, que eu falo mais a frente.

No meio da partida você também pode trocar entre os gráficos novos e clássicos do jogo, dando pra reviver toda a aventura no seu estilo original, mas ainda assim mantendo as adições dessa versão DX.

Áudio

As musicas do jogo foram todas recriadas em base das originais utilizando misturas de instrumentos acústicos e mixagens eletrônicas e from compostas por José Ramón “Bibiki” García. Boa parte delas dão um tom mais humorístico ao jogo, mas tem umas bem agitadas e pesadas no meio, ficaram bem legais.

Como não achei a OST nova oficial no Spotify e SoundCloud, segue uma lista que encontrei no youtube pra você curtir enquanto lê o review.

Jogabilidade

Como era de se esperar, a jogabilidade dele é relativamente simples, já que o console original tinha apenas 2 botões no controle (e o pause ficava NO CONSOLE). Mas não ache que por ser simples o jogo é fácil. Quem não viveu essa época e nunca jogou algo retro, não tem noção da dificuldade que tínhamos lá. Aqui amenizaram bastante, mas ele ainda continua com algumas mecânicas punitivas do original.

Alguns pequenos detalhes eu não vou colocar pra não estragar as surpresas do jogo, tanto pro pessoal novo como pros veteranos.

Todos os colecionáveis remetem a algum easter egg. Consegue reconhecer todos?

Uma das mudanças é o menu de pausa. No original você precisava entrar nele pra ativar os acessórios que você tinha no inventário, mas aqui você apenas tem uma visualização dos itens da história e colecionáveis que encontrou na sua viagem.

Os socos de Alex são poderoso, sendo sua forma de ataque principal contra os inimigos e também consegue destruir diversos tipos de blocos, mas tem um alcance extremamente curto, o que vai precisar treinar bem pra acertar os ataques sem morrer, já que o mero toque dos inimigos já mata ele.

Além dos blocos normais que você precisa destruir (e que variam de forma conforme você avança no jogo), existe alguns blocos com funcionamento bem específicos:

BlocoUtilidade
EstrelaAo quebra-lo você encontra saco de dinheiro dentro deles
InterrogaçãoPode conter um bracelete do poder, um fantasma ou uma vida
Crânio 1Ao quebra-lo Alex fica paralisado por alguns momentos
Crânio 2Se andar sobre ele, aparece um fantasma
Existem outros blocos, mas eles são específicos para quebra-cabeças
O fantasma que eu comentei é esse. Ele é invencível

Pra utilizar os acessórios do jogo, basta seleciona-lo lá no topo direito da tela e apertar o botão indicado. Temos os seguintes acessórios:

AcessórioDescrição
BraceleteAlex solta uma bola de fogo ao usar o soco
Pó místicoDá invencibilidade temporária (espinhos continuam mortais)
Cápsula AzulSolta diversas miniaturas do Alex que atacam os inimigos no chão
Cápsula VermelhaAtiva um escudo protetor ao redor de Alex
CajadoAlex flutua por alguns segundos, podendo alcançar pontos altos

O suado dinheiro que você consegue na aventura é utilizado para comprar itens nas lojas espalhadas pelo jogo. Tendo o dinheiro suficiente, basta pular no item desejado pra compra-lo.

Caso você compre um dos veículos nas lojas ou entre numa tela específica, eles serão utilizados na hora.

A moto e a lancha movem-se automaticamente, sendo que você pode controlar a velocidade deles e pular obstáculos, enquanto o pirocóptero você tem total controle dele, apertando o botão de pulo para voar.

O pirocóptero e a lancha também estão equipados armas de longo alcance, podendo destruir os blocos e inimigos com eles. Só tome cuidado que os veículos são frágeis e você perde eles se bater em algum bloco ou deixar um inimigo te atacar (a moto não tem tiro mas atropela os inimigos XD).

Pelo menos Alex sabe nadar e você tem um bom controle sobre ele nessas partes, mas alguns acessórios, como o bracelete, não são utilizáveis enquanto estiver na água. Para finalizar o estágio, você precisa pegar a comida no final dela. A dieta varia ao gosto do jogador.

Em alguns estágio você precisa ganhar uma disputa de Jankenpô (mais conhecido simplesmente como Papel-Pedra-Tesoura no Brasil) num melhor de três. Escolha qual será o seu ataque antes da musica parar e veja o resultado.

Extras

Essa versão do jogo tem uns extras, como continue infinitos e a possibilidade de ativar vidas infinitas também, o que torna bem mais fácil a sua vida.

Você também pode trocar a “dieta” do Alex tem ao finalizar o estágio (não afeta em nada na jogabilidade), que varia entre:

  • Onigiri (o bolinho de arroz japonês, que era o original da versão japonesa do jogo);
  • Hambúrguer (da versão americana e aqui no Brasil também era essa)
  • Pastel Espanhol;
  • Peixe com Fritas.

Você também pode parar a partida a qualquer momento, mas ao retornar, será do começo do estágio que você estava, mas é melhor do que começar da primeira tela novamente.

Consegue pegar a referencia da plateia?

Após fechar uma vez o jogo, também libera o modo Boss Rush, aonde você precisa enfrentar todos os chefes de uma vez nas disputas de Jankenpô e batalhas decisivas.

E por ultimo, também tem a versão original do jogo que libera também depois de fechar a campanha DX. Aqui você vai ver a verdadeira dificuldade do jogo hahahahahahahah.

Conquistas

Depois que você se acostuma com a jogabilidade, não fica tão difícil assim, mas mesmo assim você não pode ativar as vidas infinitas por que algumas conquistas não são liberadas dessa maneira. Entre as mais trabalhosas do jogo, temos:

ConquistaDescrição
StingyFechar o jogo sem comprar nenhum item
CollectorPegar todos os colecionáveis
ChampionVencer o Boss Rush

Conclusão

Alex Kidd in Miracle World DX traz o clássico do Master System amenizando BEM a dificuldade do original, mas ainda assim requer um pouco de paciência e prática pra conseguir fechar, pois ainda utiliza todos os sistemas punitivos que tínhamos no original.

As novas artes ficaram excelente, deixou o jogo muito mais animado e cômico (mais do que já era), agrada bastante quem curte esse estilo de arte desenhada.

As músicas em versão acústica (com algumas puxadas eletrônicas em algum pontos) ficaram muito boas, além de usarem e abusarem de sons pra deixar o jogo com uma cara cômica.

No geral, quem gostava do original vai gostar demais desse remaster, enquanto aos novatos do jogo vão conseguir aproveita-lo sem apanhar tanto ahhahahaha.