Review / Tutorial: YesterMorrow

OBS: para um bom review / tutorial, achei necessário mostrar e comentar pequenas cenas do desenvolvimento do jogo perante à história, o que pode ser considerado um spoiler leve por ser complementado ao plot do jogo.

O que você faria se tivesse a chance de alternar entre o ontem e o amanhã??????
Corrigir algum erro, alternar épocas e descobrir o que pode ter acontecido em algo que você se sente culpado…….
Essa é a premissa de YesterMorrow (trocadilho juntando Yesterday que significa “ontem” e Tomorrow que significa “amanhã”), um plataforma com elementos metroidvania, ação e puzzle.

O jogo teve suporte pelo Slovak Arts Council (Conselho de Artes Esloveno), cujo temos um artigo interessante do apoio deles para criação de jogos digitais que pode ser visto aqui.

Desenvolvido pela Bitmap Galaxy e distribuído pela Blowfish Studios, vamos adentrar no mundo de Yui e ver como é esta mecânica de viagem temporal???

Nome: YesterMorrow
Gênero: Puzzle / Ação (subgênero: Metroidvania)
Desenvolvedora: Bitmap Galaxy
Distribuidora: Blowfish Studios
Plataformas: Playstation 4, Xbox One, Nintendo Switch e PC
Lançamento: 2020 (5 de novembro)
Midia: Digital e Fisica com print limitado pela Red Art Games

Tela Titulo

História / Enredo

As festividades do pequeno vilarejo Prosperous, lugar de moradia de Yui, estão prestes a começar.
Trata-se do evento anual Festival da Luz
Seu pai pede para ela o encontrar na praça de eventos, mas se quisesse poderia brincar antes de ir lá…

Yui explora suas amizades, discutindo com seu irmão Haro qual lado, Luz ou Escuridão, irão participar no festival, brincando de esconde esconde com sua amiga Kiko, dando um afago no seu cachorro, observando a correria de alguns para aprontar a comida do festival, e assim vai ao encontro de seu pai…

O evento começa com o prefeito pedindo aos moradores do vilarejo recitarem os “versos da criação”, e em seguida faz o seu discurso sobre a “Everlight, brilho da luz remanescente do nascimento de todos…

De repente, criaturas chamadas de “Shadows” aparecem de forma hostil…
O pai de Yui, por ser um Timekeeper membro da Ordem da Luz, protege à todos e pede pra Yui proteger seu pendante e correr em direção ao Grande Mestre para avisar o perigo que ali assolava…

No caminho, Yui cai em um lugar escuro e acaba perdendo a consciência…
Porém, nosso papel de jogador consegue ver uma criatura imensa, que chama por Yui e pede pra se levantar…

Eis que a cena troca para um futuro com Yui mais velha, sendo então um sonho com acontecimentos do passado que atordoam sua mente, o desaparecimento do seu pai e a culpa pela sua falha no seu objetivo……
Sua mãe tenta confortar e pede para ir ver seu irmão que estava a esperando no lado de fora…

Eis que em um cenário de destruição, Haro pede para Yui ir atrás do seu cachorro que horas atrás estava chorando e correu para o leste, sem retornar…

E assim, a aventura começa…

Gráficos

Os gráficos do jogo tem o formato de pixel art, rico em coloração no “passado”, dando a sensação de diferença entre um mundo mais vivo e colorido e uma coloração mais acinzentada e pálida no “futuro”, um mundo mais obscuro e destruído, sendo uma característica notória a interação do cenário com o ambiente e efeitos de luz competentes e bem aplicados na sua intensidade para o estilo de arte escolhida.
Os personagens são no formato SD / chibi, e as conversas ocorrem por meio de balões, sem apresentação de artworks…
A engine usada é a Unity.

Som / OST

A trilha sonora do jogo conta com arranjos orientais, variando entre orquestrais e lentas, o que dá a sensação de uma perfeita harmonia entre a dinâmica do jogo com as situações e ambientes que Yui irá visitar…
Apesar de no trailer a Yui ser dublada, no jogo não há dublagens efetivas…
Infelizmente não achei a trilha sonora disponível para incluir no Review / Tutorial…

Jogabilidade

O esquema de controles usa todos os botões de ação, triggers e shoulders, e a combinação das ações remete ao conforto da necessidade de usar as ações, não sendo incômodo algum.
A resposta dos comandos é satisfatória, mas sempre há o pequeno delay que pode incomodar nos pulos precisos, como de praxe dos plataformas.

Sistema de Jogo

YesterMorrow possui uma mistura de ação com exploração baseada em puzzles, com elementos de metroidvania na sua divisão de progressão do jogo, sendo um ambiente inteiro em partes isoladas.

Ao começar sua jornada, Yui deve ter uma destreza desafiadora para alcançar lugares desconhecidos no arredor do vilarejo

Everlight e seus mistérios

Como comentado antes, todos os seres acreditam no poder da força da luz denominada Everlight. Porém, essa energia possui uma fonte desconhecida, e tem interação com artefatos de aparência antiga que até então estavam totalmente apagados…

No desenvolvimento da história, Yui acaba por encontrar o lugar das suas lembranças complexas de culpa e pesar…

… e ouve a velha voz da sua infância (e por consequência, voz do seu sonho) outra vez, trata-se do Guardião da Floresta.

O sentimento que toma conta de Yui é notado pelo Guardião… que lhe deixa apenas uma frase…

O guardião então pediu para Yui lhe encontrar no Templo da Ressurreição e desaparece…
Com isso, Yui se vê num mundo mais colorido, com o sol brilhando novamente e… pequena!!!!!!
Seria essa uma nova chance???? Tudo que sabemos por enquanto é que… voltamos ao passado…

Yui percebe que os antigos artefatos estranhos podem ser interativos, e consequentemente o lugar terá acesso à outros que foram destruídos no futuro, próximo ao lugar onde o Guardião estava, eis que Yui acha o chamado “Eversights” que nada mais é que uma habilidade onde Yui pode carregar os cristais de Everlight.

Os cristais serão capazes de ativar plataformas antigas destes artefatos, porém eles consomem os cristais de forma instantânea, num total de 10 que Yui pode carregar.

Com o passado diante dos seus olhos e a possibilidade de explorar locais que antes não eram acessíveis, Yui se vê com diversas dúvidas, convencida da necessidade de saber o que lhe fez voltar no tempo…

Com isso o jogo lhe dá a notável necessidade de explorar muito bem os dois tempos cronológicos: o mundo antes da escuridão / o mundo pós escuridão usando os Portais do Tempo…

A mecânica de tempo irá testar sua percepção em acessar lugares diferentes, explorar toda a potencialidade dos lugares, e claro… ajudar Yui à entender o que aconteceu em cada época…

Uma garotinha / mulher não tão indefesa assim…

Beleza Shin, mas não vejo como um jogo de ação até agora……..
Podemos citar diversos fatores como ação, seja pela sua necessidade de usar a destreza para desviar das armadilhas, se locomover no mapa ou nas próprias sequências de cenas do jogo…

Mas não tem “luta”???????
Ah tem sim, não vou falar de todas as habilidades mas falarei apenas da Everlight Bomb
Lembre-se que o mundo todo está corrompido pela escuridão, isso inclui criaturas selvagens do mundo… que tal purificá-las???

Vale lembrar que, independente delas estarem purificadas ou não, elas tentarão lhe atacar por serem selvagens, outras porém podem ser usadas para ajudar na sua exploração….

Muito bonitinho os bichinhos pra purificar……. temos outra opção?????
Temos… BOSS BATTLES serve?????

Isso é interessante… mas e a parte METROIDVANIA????

Então, perceba que na ficha técnica eu coloquei como subgênero, por ele ter elementos que lembram uma mecânica metroidvania, mas não é efetivamente um…

Digo isso porque no decorrer da progressão do jogo, note que na HUD tem um símbolo do lado dos cristais de everlight… trata-se dos fragmentos de monolítos
Eles serão acessados para os pedestais negros obsidianos, que você encontrará em determinado momento do jogo, que diferente dos cristais, não são consumidos no artefato.

Com isso, você chegará na Ilha do Tempo, que funciona como um HUB aos possíveis ambientes do jogo, o que nos leva pro próximo item, que é o detalhamento das informações do jogo…
OBS: não mostrarei a Ilha do Tempo por ser uma progressão mais desenvolvida do jogo…

Informações e Registro

O diário mostra as habilidades adquiridas, seus pontos de vida, os cristais que você possui e os fragmentos, e do lado direito, todo o registro de objetivos (eu apaguei os de cima pra evitar spoiler LOL)

Os animais ali são um dos coletáveis do jogo, tendo de ser encontrado 44 animais para Yui dar um afago…

O mundo em escuridão, mas temos tempo para dar um carinho nos animais… Conseguirá encontrar todos os 44 ????

Fragmentos de Mapa

Os possíveis ambientes do jogo são vistos aqui, onde você deve coletar fragmentos dos mapas para completar o desenho deles, e consequentemente ter informações adicionais sobre eles…
Essa parte em específico é onde me refiro ao elemento metroidvania, com um mapa extenso em diversas direções e indicações com placas…
Cada ambiente tem uma grande área de exploração

Pergaminhos do Conhecimento

Os pergaminhos ajudarão à ter informações sobre o mundo do jogo e tudo que envolve a criação dele…

Bestiário

As criaturas purificadas e os chefes derrotados serão encontrados aqui…

Extras

Além de ter os coletáveis de fragmentos e animais, o jogo possui alguns fatores extras de exploração, como:

Save – é possível salvar o jogo nestes altares ou nos portais do tempo. Em qualquer um dos dois casos, Yui recupera todo seu life.

Upgrade de vida – junte 3 pedaços do coração que você encontra nos baús para aumentar seu ponto de vida em 1 slot.

Segredos – paredes falsas???? é bom olhar em todo o canto (e em todo o tempo cronológico)…

Provas / Trials – teste suas habilidades em salas que terão brindes no final do percurso.

Artefatos – objetos que irão lhe ajudar no fim da jornada, o que ocasiona à 2 possíveis finais.

Com relação ao sistema, é isso…

Troféus / Conquistas

Dificuldade: 3/10

Para domínio / platina do jogo você deve, de forma resumida, achar todos os coletáveis e todos os animais, completar o diário de Yui, completar o jogo e fazer os dois finais (envolvem os artefatos), usar as técnicas que aprender pelo menos 1 vez, purificar 150 seres e purificar eles usando algumas técnicas determinadas X vezes e fazer upgrade do seu life para 10 corações.

Considerações Finais

Graficamente o jogo é bem competente, principalmente em sua dinâmica do cenário e de ambientação do jogo faz jus à sua paleta de cores tanto no passado com um ambiente alegre, quanto no futuro com um ambiente destruído, variando entre o colorido alegre e saturado e o acinzentado deprimente, além de fazer diferença entre dia, entardecer e noite, com os efeitos de luz bem aplicados.

A trilha sonora, apesar de discreta, é dinâmica e que convém diretamente com os momentos que você irá passar no jogo, mesmo com o silêncio dos personagens e ser apenas a leitura das suas falas, as músicas são agradáveis em diversos momentos.

A duração do jogo é relativamente compatível com sua proposta, com uma história simples e previsível, além de dar desafios progressivos conforme avançar no jogo, nada nível hardcore, mas bem aplicados no desenvolvimento do jogo, tendo momentos que você deve usar mais de uma habilidade em conjunto para sair de determinadas situações, seja para destreza ou para sobrevivência.
A variação dos ambientes que você irá visitar e as sequências de progressão ajudam à variar um pouco no seu desenvolvimento de história.

A performance do jogo em termos de fechamentos repentinos foi satisfatório, havendo apenas um fechamento repentino do jogo, em um momento específico, porém que não se repetiu mais até eu terminar ele…

Porém, a performance do jogo em termos de funcionalidade de programação pecou em alguns momentos com bugs que podem incomodar alguns jogadores… são os temidos bugs de progressão, que são bugs que podem atrapalhar ou deixar incapaz sua progressão no jogo.

Explicando de forma prática: o jogo possui mecânicas de ativar diversos objetos que irão ajudar à avançar na sua exploração, entretanto, a ativação desses objetos são momentâneos no seu conceito, entretanto ocorreu o seguinte:

O “trigger” de alguns objetos podem falhar de forma crítica e irreversível, ou seja, era pro vento parar de soprar e eu ser apto à voltar pra onde eu queria, o que não foi o caso, pois tive que usar o backup do meu save na nuvem para poder continuar o jogo (e não reativar o mecanismo nesse instante).
Isso aconteceu pós eventos de batalha com chefe, onde retornei ao lugar para coletar algo que lembrei de ter esquecido (e que consequentemente poderia pegar com facilidade após a habilidade adquirida nesse momento do jogo).

Em outro lugar era para uma parede estar aberta, porém estava fechada, esse bug em específico foi solucionado fechando o jogo e recarregando novamente, dando à entender que depois de um certo tempo o jogo não compreende mais em que tempo cronológico você está.

O que me leva à crer o seguinte:
Jogadores que gostam de retornar para algum lugar, em determinado momento tardio, poderão ter um problema nesse aspecto.
Lugares que os chefes foram derrotados ficarão inacessíveis, tendo apenas um lugar de ida e retorno, o que pode afetar criticamente o design do jogo para uma exploração mais tardia dos coletáveis, pois os triggers podem falhar na sua troca de tempo.

Desanima??? Sim, desanima saber disso, porém não podemos ser injustos, já que perante a alta taxa de platinas que o jogo possui (raridade 7%), isso mostra que há uma pequena probabilidade de acontecer algo do tipo para poucos jogadores.
Se possível, seria bom a Bitmap Galaxy revisar o código dos triggers e verificar o que pode acontecer, ou tentar incluir um pedestal no lugar de todos os chefes para ser possível retornar ao ponto de partida de cada mapa… o que for menos trabalhoso, porém solucionável, já que o jogo salva em todos os momentos de troca de tempo cronológico

De qualquer forma, um relatório foi enviado comunicando o momento específico dos erros para ajudar os desenvolvedores à detectar e tentar corrigir.

Outro fator que devo deixar claro aqui, é que em seu lançamento, o jogo sofreu críticas pesadas de desempenho na versão Nintendo Switch, verifique o feedback atual pra ver como anda a performance do jogo para esse console.

YesterMorrow num geral é um indie que faz bem a sua proposta de puzzle e alternância de realidades, com uma boa dose de ação e sequências variadas, que peca apenas em algum erro isolado de algoritmo de condições.
Note que não citei sobre o HUD e não expliquei outras habilidades para justamente não estragar a sua experiência quando jogar, pois o que mais divertiu foi a aplicação das habilidades na exploração do jogo enquanto progredir…
Como falei, a taxa de completionistas é alta, se preferir arriscar, jogue com um backup, ou espere que “o amanhã dos desenvolvedores corrijam o possível erro do jogo”… 🙂

E você, pronto para ajudar Yui à ter uma segunda chance?????

Um comentário