Review / Tutorial de PROJECTION FIRST LIGHT

* Esta análise foi feita com o código cedido pela Blowfish Studios (versão PS4)

Distribuidora: Blowfish Studios
Produtora: Shadowplay Studios
Plataforma:  PlayStation 4 / Xbox One / Switch / PC / Apple Arcade
Mídia: Digital
Ano de Lançamento: 2020

O Teatro de Sombras é uma arte milenar, praticada especialmente no Sudeste asiático (Indonésia, Malásia, Tailândia, Camboja, China, Índia e Nepal).

No ano de 121, o imperador Wu Ti, da Dinastia Han (China), desesperou-se com a morte de sua bailarina favorita. Chamou o mago da corte e ordenou que ele a trouxesse de volta do “Reino das Sombras” ou seria decapitado.


O mago pegou a pele transparente de peixe e modelou a silhueta de uma bailarina; ordenou que no jardim do palácio fosse armada uma cortina branca, contra o sol.

Armou-se uma apresentação para o imperador e a corte; o mago fez surgir então, ao som de uma flauta, a sombra de uma bailarina dançando graciosamente.
Esta é a lenda chinesa de como surgiu o Teatro das Sombras.

LUZ E SOMBRA

Projection First Light é um jogo de puzzle e plataforma baseado na projeção e perspectiva da sombra de objetos.

Greta é uma menina cheia de energia, que acaba causando uma série de acidentes na cidade onde mora.
Triste com a repreensão dos pais, ela parte por uma aventura através do Teatro das Sombras, em quatro países diferentes.

Controlar a luz para projetar sombras é a base da aventura de Greta


Durante sua jornada, Greta irá reviver famosas lendas locais, ao lado de figuras como Sun Wukong (macaco do conto chinês A Viagem ao Oeste); Damarwulan, herói indonésio (de origem javanesa) famoso nas representações teatrais com sombras (wayang klitik); os contos turcos de Nasreddin com tom cômico/lúdico e pedagógico; a parte da Inglaterra tem um tom mais Charles Dickens (romancista inglês da Era Vitoriana).

AS ENGRENAGENS CEREBRAIS

O gameplay gira em torno de utilizar sombras projetadas para criar pontes, passagens e obstáculos com o cenário à sua volta e objetos móveis que podem ser carregados ou não.
Para tal feito, o jogador controla uma pequena fonte de luz que, uma vez na perspectiva correta, cria o efeito de sombra desejado.

Uma leve inclinação na luz e uma ponte na diagonal surge, ideal para escalar


Na prática parece algo simples, mas acredite, é bem fácil se perder em um puzzle prático.
Em alguns momentos travei e não parecia haver solução possível, até eu perceber a resposta mais simples e literalmente na minha cara o tempo todo.

Greta pode pular e carregar objetos, além de acionar alavancas… e é só isso mesmo.
Embora a personagem possua apenas habilidades básicas, o jogo se sustenta através de diversas fases com uma ótima variação de puzzles.

Momento Dragon Ball Z na parte chinesa


Pedras gigantes capazes de esmagar a garota podem ser usadas para pressionar botões que abrem passagens; pequenos vasos de cerâmica podem projetar luzes mais longas, criando pontes que ajudam a acessar novas áreas; luzes móveis que fazem as sombras se deslocarem; luzes com tempo de duração, que limitam o tempo de uso das plataformas.
Até mesmo uma luta contra chefe e uma longa cena de fuga estão presentes.

Não fique nervoso, é apenas um demônio gigante da Indonésia


Além disto, borboletas coletáveis estão espalhadas pelos quatro países.
Elas são opcionais, mas adicionam um bom desafio e duração ao jogo, com puzzles muitas vezes separados da rota principal e até mesmo áreas secretas envolvidas.

LUZ SOBRE LONA

Os gráficos de Projection são simples e ao mesmo tempo curiosamente bem trabalhados, uma vez que todos os personagens e cenários são representados apenas com o preto e a cor de fundo “vazada” através das aberturas, fazendo com que a luz de fundo da lona (onde é projetado o Teatro) crie formas modelando as sombras.
Cada país possui uma cor de fundo que o distingue na paisagem.

As construções dos locais são bem representadas, utilizando-se as partes “vazadas” dentre as sombras para criar detalhes arquitetônicos equivalentes ao país em questão.

Os detalhes arquitetônicos possuem uma boa complexidade


A trilha sonora segue o estilo de cada cultura representada, com temas clássicos, executados em instrumentos tradicionais

Como o tradicional Teatro das Sombras original, não há falas: a música compõe a trama, dando ênfase em certos momentos e substituindo diálogos.
Algo que seria motivo de reclamação em outros jogos, aqui ilustra e adapta-se bem ao estilo de narrativa.

RESUMO DA ÓPERA:
Projection First Light é uma ótima experiência de puzzle/plataforma, sustentando-se através da mecânica de projeção de sombra, comum em outros jogos como puzzle de suporte, mas conseguindo variar bastante para não se tornar repetitiva.
A representação dos quatro países apresentados é bastante fiel e o jogo possui um humor leve, entrecortado pelo stress gerado em algumas partes (a parte final, a parte final…).


PONTOS POSITIVOS:
– gráficos com uma beleza simples mas profunda
– puzzles divertidos e variados
– narrativa interessante e contada sem uma palavra falada ou escrita

PONTOS NEGATIVOS:
– alguns bugs de colisão, onde a sombra projetada e a sombra do cenário se confundem, fazendo Greta atravessar o piso ou paredes que não deveria

Um comentário