Review / Tutorial de Raji: An Acient Epic

* Esta análise foi feita com a versão PS4/PS5

Distribuidora: SUPER DOT COM LTD
Produtora: Nodding Heads Games
Plataforma:  PS4 / PS5 / Xbox One / Xbox Series S / Xbox Series X / Switch / PC
Mídia: Digital
Ano de Lançamento: 2020


Raji: An Ancient Epic é um jogo de ação e aventura com visão aérea e 2D alternadas, inspirado nos dois grandes épicos hindus, Mahabharata e Ramayana.

Você controla a jovem artista circense Raji, que se viu separada de seu irmão, Golu, ambos órfãos.
Golu é sequestrado por demônios durante um ataque ocorrido em uma apresentação.

Raji é acolhida pela deusa Durga


Os demônios que sequestraram Golu agem em favor do demônio Mahabalasura, que quer vingança contra os Místicos, seres de grande poder espiritual que o baniram por sua arrogância.
Mahabalasura então pagou penitência e foi perdoado, tendo recebido de Brahma (deus maior da mitologia hindu) o poder da imortalidade e a arma trisul, um poderoso tridente. Ele então reuniu os demônios e passou a liderá-los para destruir a Mãe Terra (Bhoomi Devi), a qual ele mata, motivo que enfurece o deus Shiva, que o aprisiona; anos depois, ele escapou e aprisionou Golu para roubar suas memórias de infância e o seu dom de contador de histórias.

O arco e flecha é uma das dádivas divinas concedidas à Raji


Raji conta com a ajuda dos deuses Durga e Vishnu, narradores da história, assim como uma participação de Shiva.
Tais deuses lhe concedem quatro armas mágicas durante a aventura: a lança, o arco e flecha, a espada e escudo e o chakra (lâmina redonda de arremesso).
As armas são imbuídas de poderes elementais, através dos upgrades, sendo fogo, raio e gelo, passíveis de evolução  com a coleta de orbes brancas de poder. As orbes rosa servem para recuperar a vida de Raji, enquanto as amarelas recarregam seu poder para o ataque especial.

O ataque especial causa dano por área, ideal para lutar contra turbas


Por ser uma artista circense, Raji consegue executar caminhadas nas paredes, de lado e na vertical, para escalar pequenas distâncias. Além disso, os combos são executados com acrobacias, tanto no chão quanto usando paredes e postes, para incrementar os golpes. Os inimigos são criaturas comuns ao folclore hindu.

Estruturas colossais ressaltam a pequenez dos humanos perante os deuses


A câmera afastada favorece a magnitude das estruturas.
Construções baseadas na arquitetura hindu, com diversas cores e padrões estão presentes, tendo a arte do jogo como base o estilo de pintura Pahari.
As cutscenes são construídas no estilo do Teatro das Sombras, técnica de contar histórias usando sombras, à qual você pode ler mais aqui.

O teatro das sombras conta parte da história


Há também pinturas nas paredes, ilustrando contos da mitologia, narrados por Durga.
Puzzles com rotação de discos para formar imagens revelam as memórias de infância de Raji e Golu.

Painéis contam lendas hindus


A trilha sonora segue o estilo indiano, com instrumentos tradicionais, como a cítara e a tabla (pequeno tambor indiano), além de cânticos locais.



Os troféus consistem em finalizar o jogo e coletar todos os upgrades de cada cenário.

Lorde Naga é o protetor dos Místicos

RESUMO DA ÓPERA:
Raji An Ancient Epic
é uma belíssima jornada pela mitologia hindu, tão pouco explorada nos jogos.
As monumentais estruturas são valorizadas pela câmera afastada, mostrando a pequenez de Raji perante os deuses.
A trilha sonora com instrumentos tradicionais e cânticos locais complementa a parte artística.
O combate é funcional e divertido, com alguns puzzles ao decorrer da saga.
Uma aventura épica (como o título sugere), apostando na Índia como palco principal, fugindo dos batidos roteiros na Europa e Japão.