Review / Tutorial: Cathedral

Ola, aqui é o Pena e hoje vamos com um metroidvania que lembra bastante o estilo de jogo da série Wonder Boy, o Cathedral.

Ele foi produzido pelo estúdio Decemberborn Interactive, sendo esse o primeiro trabalho deles, enquanto a publicação ficou a cargo da ELDEN PIXELS, responsáveis pelos jogos Alwa’s Awakening e Alwa’s Legacy.

Ele foi lançado inicialmente para PC na Steam em 2019, recebendo um port para Nintendo Switch em 2021 e agora em 2022 recebe o port para PlayStation 4. Para o NSW recebeu uma versão física pela Premium Edition (link aqui), enquanto para PS4 ela foi produzida pela Red Art Games (link aqui).

Review feito em base da versão do PS4 (código cedido pela ELDEN PIXELS AB)

Titulo: Cathedral
Produtora: Decemberborn Interactive
Distribuidora: ELDEN PIXELS AB
Gênero: Metroidvania / Aventura / Plataforma
Plataformas: PlayStation 4, Nintendo Switch e PC (Steam)
Mídia: Digital e Físico
Textos: Inglês e Sueco

História

Logo de inicio e sem muito papo, seu personagem aparece numa catedral repleta de monstros e tem que lutar pela sua vida com quase nenhum recurso.

Durante a sua jornada ele descobre mais sobre esse novo mundo aonde está, aonde a muito tempo atrás ocorreu uma invasão dimensional liderada por Ardur, o rei dessa outra dimensão. Após a batalha, o portal que interliga os dois mundos foi selado e nas escrituras antigas explicam como quebrar esse selo.

Se desfazer essa barreira ajudara os moradores desse mundo ou se servirá pra Ardur finalizar a sua invasão, só o tempo dirá…

Gráficos

A arte do jogo é toda em pixel art,bem detalhados e fluidos nos movimentos do personagem controlado e na maioria dos inimigos, agradando bastante quem curte esse tipo de arte.

Esse lugar me lembra muito Ghosts ‘n Goblins

O bom aqui é que tem uma variação de cenários e inimigos bem grande, então dificilmente vai cansar o jogador pela repetição dos locais, só se prepare que as regiões dele são bem grandes e com uma exploração bem caprichada que puxa bem os jogos mais antigos.

Áudio

Seguindo o estilo retro, as musicas e efeitos sonoros são todos em chiptunes, com umas musicas bem legais tanto na exploração como nas batalhas de chefes, mantiveram bem a ideia dos jogos antigos em que se baseiam, mas como já é de se esperar, não temos dublagem nas conversas, não que isso atrapalhe a diversão, mas é sempre bom avisar.

Não achei a OST do jogo no Spotify, mas achei ela no Youtube, então deixei ela aqui pra você curtir as musicas enquanto termina de ler o review.

Jogabilidade

Esse é um jogo de ação em plataforma com uma forte exploração no estilo de metroviária que lembra bastante a jogabilidade dos Wonder Boys, então já se prepare pra ficar perdido e achar muita coisa escondida.

Menu

O menu do jogo é bem simples e direto, mas vale a pena comentar sobre os diferentes pontos. A parte de itens você tem acesso a todos os seus equipamentos, podendo equipar as ferramentas e usar alguns itens específicos, mas no geral é mais pra ver as informações deles.

Tem também uma área com as missões ativas, o que ajuda pra não ficar perdido no que precisa fazer no jogo e as que tem múltiplas partes tem checkbox separadas.

Nessa área você tem as informações das melhorias da sua armadura, com todos os seus bônus. Aqui é somente pra verificação, mas ajuda pra saber o que já foi adquirido.

Na área de Charms temos as informações de quais talismãs estão equipados, mas não é possível altera-los aqui, isso é feito e outro ponto do jogo (o que adiciona desafios nos cenários).

A variação de cores indica as diversas áreas do jogo, além de mostrar a camada de cenário oposta a que você está.

O mapa do jogo, apesar de ser juntar todas áreas, ainda é fácil de navegar e ainda marca boa parte de detalhes da áreas, além de permitir que o jogador coloque alguma nota pra lembrete. Um ponto interessante é que esse mapa também tem as diferentes camadas do mundo, nada complicado e ajuda bastante na navegação.

Mas apesar do mapa ser bem completo, claro que ele não mostra todos os detalhes de início, mesmo depois de pegar o mapa da região, então pra aqueles que querem fazer 100% deles, tem uma área no menu que mostra quanto já foi explorado, já ajuda pra saber se faltou algo ali.

Cidade

Invasão domiciliar, não pode faltar nos jogos hahaha

Temos algumas cidades no jogo, que ajudam bastante durante a exploração dele, além de ter os NPCs pra conversar, entender a história ou simplesmente rir dos comentários deles.

Nas lojas, além de comprar novos itens, também temos a opção de guardar o dinheiro sem custos adicionais de depósito ou retirada, mas tem que pagar pra aumentar a quantidade máxima .

Com os curandeiros temos duas opções:

  • Heal and Boost: Nessa, além de recuperar todos os corações e recarregar as poções de cura, ele cria corações temporários na mesma quantidade máxima de corações que você tem no momento. Eles não são recuperados com cura e só são aplicados por eles. Essa opção é paga e varia o valor dependendo da quantidade máxima de corações que você tem;
  • Heal: Esse ele simplesmente restaura os seus corações e poções, mas é gratuita.

O adivinho te dá dicas do próximo ponto a seguir com a campanha, não da detalhes precisos, mas já ajuda bastante caso esteja perdido no que tem que fazer.

Exclusivamente na cidade de Ivystone Ridge temos Conan O BARBARO O BIBLIOTECÁRIO. Nosso NPC bombado intelectual pede pra recuperar os livros roubados, te pagando e dando recompensas diversas por eles, então vale bastante a pena ajuda-lo.

Exploração

Durante a exploração, além dos inimigos e baús, encontramos dinheiro espalhados pelos mapas. Esses nunca desaparecem, mas os que o inimigos e baús deixa, esses sim somem.

O escudo ajuda bastante na exploração, defende boa parte dos projeteis do jogo, então não tenha medo de usa-lo.

Outro ponto importante na exploração é o uso do ataque com espada sobre inimigos. Muito pontos você só alcança usando ele, então é bom treinar o seu uso.

Como todo bom metroidvania, temos diversas ferramentas pra ajudar na exploração, como a luva que solta flecha, que ajuda a ativar locais distantes. A troca das ferramentas é feita durante a exploração mesmo, mas só depois de equipadas no menu.

Também temos a ajuda do Espírito. Com ele podemos alcançar locais esteios e e planar durante o pulo. Essas técnicas dele são liberadas com os talismãs.

Nos santuário é o local que trocamos os talismãs do personagem. Só podemos equipar um talismã de cada um dos tipos, precisando altera-los em diversos pontos pra avançar na sua exploração.

Esses portais são os pontos de teletransporte do jogo, isso agiliza muito na exploração, mas muito são bem escondidos.

Não é bug do jogo, ele está lotado desses pontos que mexem com a visão do jogador, que nem nos jogos antigos

E falando de locais escondidos, esse jogo não está cheio, está LOTADO de lugares assim, muito deles obrigatórios, então pode forçar a cabeça pra explorar tudo.

Essas estátuas estão espalhadas pelo mundo. A com chama azul é o check-point, caso você morra (o que vai ocorrer bastante), seu personagem retorna aqui. As outras duas restauram a vida (e as poções) e as munições, então sempre que encontra-las, aproveite pra se recuperar.

E falando em morte, quando você morre, perde uma certa quantidade de dinheiro, por isso que ´´e sempre bom deixar o dinheiro no banco das cidades pra evitar perder muito dinheiro.

Conquistas

Só falta fechar o jogo sem as melhorias das armaduras, mas isso eu vou fazer aos poucos.

O jogo vai exigir um de habilidade pra finalizar, já que os cenários são bem complicados e as batalhas dos chefes são difíceis, então morrer é algo que vai acontecer com frequência, mas não é nada exagerado e impossível, mas agora completar todas as conquistas dele requer um tempo extra pra explorar tudo e acumular o dinheiro necessário. Entre as mais complicadas temos:

ConquistaDescrição
Damage DodgerFinalizar o jogo sem nenhum upgrade da armadura
KingGuardar pelo menos 50000 de ouro no banco
True LibrarianDevolver todos os 100 livros

Conclusão

Por pouco que eu não consegui fechar o jogo abaixo das 100 mortes XD

Cathedral traz um metroidvania no estilo dos jogos da série Wonder Boy, com uma vasta exploração e bastante desafio nas batalhas.

Os gráficos em pixel art são muito bem trabalhados e os movimentos dos sprites são bem fluidos, deram uma boa atenção nessa parte do jogo, vai agradar bastante quem curte esse tipo de arte.

As musicas em geral são bem gostosas de ouvir, utilizando os chiptunes pra manter o clima retro do jogo. Isso mantém nos efeitos sonoros também, que tem uma boa variedade dentro do contexto dele.

A exploração e jogabilidade lembram bastante os jogos antigos que ele faz referência, lotado de lugares escondidos em plena visão, justamente pra confundir o jogador, mas não tem os comandos travados daquela era, então a dificuldade do jogo não é devido aos sistemas desatualizados, mas sim por que são apelões mesmo e precisa treinar pra passar os diversos desafios do jogo.

No geral, se você gosta dos jogos antigos, com uma boa exploração e quer matar a vontade e nostalgia da época, esse jogo é uma boa pedida, já que vai desafiar bem o jogador até ele entender todas as mecânicas.