Review / Tutorial: Alwa’s Legacy

Nova arte da Zoe

Ola, aqui é o Pena e hoje vamos com mais um metroidvania, dessa vez com o Alwa’s Legacy.

O jogo foi produzido e publicado pela Elden Pixe. Deles também fizemos o review do Cathedral, no qual fizeram a publicação do jogo e do primeiro jogo da franquia que você encontra aqui.

Esse 2º jogo teve suporte pelo kickstarter, o que permitiu o lançamento do jogo.

Review feito em base da versão para PS4. Código cedido pela Elden Pixels

Titulo: Alwa’s Legacy
Produtora: Elden Pixels
Distribuidora: Elden Pixels
Gênero: Metroidvania / Plataforma
Plataformas: PlayStation 4, Nintendo Switch, Xbox One e PC (Steam e GOG)
Mídia: Digital e Físico (Coletânea com o 1º jogo)
Textos: Inglês, Sueco, Francês, Alemão, Espanhol, Japonês, Coreano, Chinês Tradicional e Simplificado

História

Seguindo os acontecimentos do primeiro jogo, Zoe se encontra novamente em Alwa, com as memórias um pouco bagunçadas por causa da convocação, mas logo que acorda ela precisa entender o que está acontecendo.

Novamente ela terá que enfrentar Vincar, um poderoso mago que está causando o caos nessas terra. A trama inicial, apesar de continuar com o clichê básico do bem contra o mal, tem um desenvolvimento interessante, só não entro em mais detalhes por ser spoiler desse e do jogo anterior.

Apesar de se passar no mesmo mundo, locais e desenvolvimentos são totalmente diferentes, só usando a base do primeiro jogo para o desenrolar da campanha.

Gráficos

Mesmo local e situação, mas com grandes melhorias

Dessa vez o jogo não ficou limitado aos gráficos de 8bits, trazendo cenários e sprites bem coloridos e variados, cheios de detalhes, principalmente se você comparar com o primeiro jogo.

Além da clara melhoria gráfica, temos diversos cenários novos que não tínhamos no primeiro jogo, então mesmo sendo na mesma região, não ache que essa versão é apenas uma melhoria gráfica em relação ao anterior.

Áudio

realmente é um trabalho árduo XD

Enquanto eles continuaram utilizando musicas em chiptunes, dessa vez temos uma variedade maior delas sem ser mix de uma única musica, todas combinam muito bem com o clima da região tocada e são bem gostosas de ouvir.

Assim como o jogo anterior, não temos dublagem, mas enquanto isso não atrapalha em nada a diversão, é sempre bom avisar pra aqueles que fazem questão disso nos jogos.

A OST do jogo está disponível no Youtube pela própria Elden Pixel, então deixei ela aqui pra você curti-la enquanto termina de ler o post.

Jogabilidade

Deve ter sido inspirado no Nelson dos Simpsons esse chefe “HaHa” XD

Seguindo o padrão do jogo anterior, temos um metroidvania com bastante exploração e backtracking, enquanto ainda não existe um sistema de níveis, dessa vez temos umas melhorias que ampliam a jogabilidade dele.

Menu

Dessa vez o menu tem mais opções, mesmo que não possamos desequipar nada, pelo menos tem como verificar as informações com mais precisão. No mapa da pra verificar a porcentagem de segredos já descobertos em cada área, o que ajuda na sua exploração a caminho dos 100%.

Na área de “Items” podemos verificar informações dos equipamentos já encontrados, como também saber quantos dos itens especiais, como as chaves, carregamos no momento.

As orbes azuis nesse jogo tem função diferente, dessa vez elas servem para melhorar as magias das joias que você encontra no jogo, mas pelo menu você consegue apenas saber quantas você tem livres e quais as técnicas que foram liberadas e disponíveis.

É possível acertar as configurações do jogo a qualquer momento, como também acertar os comandos para melhor adaptar o gosto dojogador.

Exploração

As orbes azuis continuam sua missão de fazer o jogador pensar em como pega-las 😛

A exploração do jogo continua no mesmo estilo de plataforma que tínhamos no anterior, com vários itens pra encontrar e agora com mais NPC para interagir.

Agora temos o Wizard, que permite alocar as orbes azuis na árvore de técnicas. O bom que é possível realoca-las gratuitamente, podendo adaptar as estratégias conforme a necessidade da área que está explorando.

Agora temos puzzles diferentes durante a campanha que não dependem apenas das técnicas adquiridas, o que vai forçar um pouco mais os jogadores pra descobrir o que é preciso fazer, nada extremamente difícil, mas ainda assim precisa pensar.

O básico das magias pelos cristais especiais que encontramos na campanha continuam, mas agora com o sistema de melhorias deles como são utilizados varia um pouco, já que temos mais opções de comandos com eles.

Além dos cristais, também temos técnicas novas, como o dash aéreo, que são necessários para avançar no jogo, claro que tudo bem escondido pra forçar o jogador explorar vários pontos.

Também adicionaram magias extras, como andar sobre os espinhos por alguns segundos, o que abre bem o leque de possibilidades dele. Essas magias precisa recarregar manualmente depois de utilizadas, mas caso mude de área, recarregam automaticamente.

Agora os saves podem ser ativados como viagem rápida também, mas a maioria deles precisa usar as lagrimas mágicas que encontramos no caminho, mas isso agiliza bastante a exploração, já que temos bastante backtracking nele.

Extras

Assim como o primeiro jogo, ele tem um sistema de auxilio pra aqueles que não estão muito acostumados com o estilo ou simplesmente querem facilitar a sua partida, podendo ativar o retorno rápido quando morre e mostrar os itens principais no mapa.

Boa sorte pra conseguir esse item 😛

Dependendo da sua exploração durante a campanha, você consegue esse item que libera um novo modo assim que finalizar o jogo

O Modo Pacifista é um desafio extra pra aqueles que pegaram bem as mecânicas do jogo, fazendo com que você não derrote nenhum inimigo, nem mesmo os chefes, durante toda a campanha, precisando ativar algum segredo pra conseguir avançar na exploração (o que precisa fazer, jogue pra descobrir).

Conquistas

Sem speedrun é bem mais tranquilo

Como todo bom metroidvania, pra completar a lista de conquistas você precisa explorar todo o jogo e achar cada um dos segredos dele, o que da um bom trabalho. Enquanto dessa vez não temos uma conquista de speedrun, tem a relacionada ao modo pacifista, o que pode dar um bom trabalho pro pessoal. Entre os mais trabalhosos temos:

ConquistaDescrição
EquilibriumCarregar exatas 3 chaves, 3 petalas e 3 lágrimas ao mesmo tempo
Just Like KieranFinalizar o modo Pacifista
Idle HandsDerrotar um chefe usando somente o “Incantation of Orbis”
PerfectionistCompletar em 100% todas as áreas.

Conclusão

Alwa’s Legacy mantem o ritmo do jogo anterior com diversas melhorias na sua jogabilidade e desemvolvimento, o que vai agradar bastante quem gosta de metroidvanias com mais mecânicas.

Os gráficos, enquanto continuanm usando pixel art, dessa vez não foram limitados para o estilo de 8 bits, agora temos sprites e cenários muito mais detalhados e com vários movimentos diferentes, enchendo bem os olhos do pessoal que curte esse estilo de gráfico.

As musicas continuam em chiptunes, mas também receberam uma variedade maior e algumas remixagens das que apareceram no jogo anterior.

A jogabilidade também recebeu várias melhorias, dando mais opções as técnicas que já tinhamos no jogo anterior e adiconando novas mecânicas de técnicas e magias extras, além de vários puzzles diferentes para desafiar o jogador durante a campanha.

Como a história é contata melhorou bastante em relação ao primeiro jogo, ainda é simples e sem muitas surpresas, mas segura a trama para acompanhar a partida.

No geral, se você curte metroidvanias ou já jogou o primeiro jogo, pode pegar sem medo, vai aproveitar bastante ele.