Review / Tutorial: The Cruel King and The Great Hero

Ola, aqui é o Pena e hoje vamos com um RPG que serve de porta de entrada pra as novas gerações nos jogos de turno, o The Cruel King and the Great Hero.

Ele é produzido e publicado pela Nippon Ichi Software ou como Nis America / Europa aqui no ocidente. Ele faz parte dos jogos “kawaiis” da NIS, sendo que já fizemos review do Void Terrarium aqui e nesse review também tem a lista dos outros jogos deles desse estilo. Mais reviews com a NIS envolvida você encontra aqui.

Review feito em base da versão do PS4 (código cedido pela NIS)

Titulo: The Cruel King and The Great Hero
Produtora: Nippon Ichi Software
Distribuidora: NIS America / NIS Europa
Gênero: RPG / Turno
Plataformas: PlayStation 4 e Nintendo Switch
Mídia: Físico e Digital
Textos: Inglês e Japonês
Dublagem: Japonês

História

A história do jogo gira em torno de Yuu, uma garotinha que vive nas montanhas junto com o Dragão Rei e vários outros monstros e sonha sem ser a próxima heroína, seguindo os passos do seu pai, o Grande Herói que trouxe paz ao reino.

Ela treina arduamente com os seus “equipamentos heroicos”, sendo um graveto que ela encontrou na floresta e o equipamento inicial de qualquer herói, uma panela velha usada como capacete ahahaha.

O modo como a história é contada é como se fosse dum conto de fadas, tendo até mesmo os efeitos de livro folheado e todas as falas dubladas pela narradora. Enquanto ela segue vários clichês dos contos de heróis e sendo relativamente simples, é uma história muito gostosa de acompanhar pra qualquer idade, mas o apelo para as crianças é bem forte nele, então se você é um pai / mãe e quer introduzir seus filhos nesse gênero, está ai uma boa pedida.

Gráficos

Os gráficos do jogo são todos em 2D seguindo um estilo mais infantil, daqueles que encontramos nos contos de fadas mais antigos e os feitos por crianças também, do qual o jogo “The Liar Princess and the Blind Prince” já utilizou e fez um ótimo trabalho com ele.

A princesa / lobo do “Liar Princess and the Blind Prince”
Tadinha dela hahah XD

Enquanto o jogo varia entre os gráficos normais dele e as artes mais rusticas que lembram os rascunhos da criançada, temos diversos cenários e NPCs bem detalhados e cheios de vida pra fazer essa aventura algo que vai marcar bastante os amantes de jogos com uma arte bem feita.

Áudio

Uma floresta cheia de mel, só num conto de fadas mesmo 😀

As musicas do jogo, como já é de se esperar, são mais suaves, então dessa vez não temos aquelas mais agitadas pros chefes, mas elas mantém totalmente o clima fantasioso dele e mesmo nos momentos mais sérios temos umas musicas muito gostosas de ouvir.

Você encontra elas no Spotify, mas não estão disponíveis em diversas regiões, eu até encontrei uma playlist com as musicas do jogo, mas como colocaram imagens de spoiler nelas, preferi deixar um dos temas do jogo pra entender bem como é o clima dele.

O jogo desenrola como se você uma mãe contanto uma história pra as suas crianças, fazendo diversas vozes diferentes pros personagens que aparecem no conto. Pra contar essa história temos como narradora Reina Kondo, que já trabalhou em alguns animes e jogos, entre eles:

  • Ronie Arabel nos animes e jogos da série Sword Art Online;
  • Empress no jogo Dragon Marked for Death;
  • Pawoo Nekoyanagi do anime Sabikui Bisco.

Jogabilidade

O jogo segue o padrão dos jogos de RPG mais antigos, sendo relativamente simples, já que não tem nenhuma mecânica que precisa repetir várias vezes até entender direito como funciona, mas é sempre bom comentar por partes aqui.

Menu

Boa parte das abas do menu principal abrem uma janela direto dentro dessa parte, então fica mais fácil a navegação dele. Ao clicar em “Items” abre a janela com todos os itens utilizáveis fora de batalha, como os de cura pra usar recuperar as energias dos seus personagens.

Sempre que tem um item novo fica uma marcação na seção

Já a parte de “Equipment” temos acesso ao local pra equipar nossa heroína e seus companheiros. Cada um deles pode equipar uma arma, uma armadura e dois acessórios. Vale comentar que armas e armaduras são específicos pra cada personagem.

No “Scrapbook” encontramos todas as informações das missões do jogo, como as principais e os “Atos de Bondade”, que são as missões paralelas do jogo. Você pode colocar qual missão deseja acompanhar pra mostrar uma marca mais visível no mapa (todas ativas ficam marcadas, mas a marca é mais transparente).

Apesar do texto “Items” no topo, essa é a parte de Inventário do jogo

A seção de “Inventory” é apenas pra visualização dos itens e equipamentos que você tem guardados, já que não é possível usar nem equipar nada por aqui.

Por mais estranho que seja, em nenhum local do jogo mostra quanto de experiência os personagens tem e quanto falta pro próximo nível

A parte do “Inventory” mostra as informações das técnicas dos seus personagens. É bom sempre olhar aqui quando aprende uma nova pra montar novas estratégias.

Na seção de “Collection” podemos liberar artes do jogo com as estrelas que recebemos ao finalizar as missões paralelas do jogo. Tem bastante coisa legal aqui pra quem curte ver essas artes.

Na “Monsterdex” temos informações dos monstros. Todas as partes com “???” só libera depois que a Yuu observa os inimigos, enquanto os itens só depois de adquirir pelo menos uma vez cada um deles.

Exploração

Repare lá no fundo o pai dragão coruja acompanhando ela XD

A exploração do jogo é bem direta, tendo controle somente da Yuu nos mapas. Infelizmente aqui eles decidiram usar o sistema de batalha aleatória, então não temos controle de quando iremos batalhar.

Outro detalhe relativo as batalhas aleatórias e a exploração é a velocidade de movimento da Yuu. Enquanto ela ainda não tem um nível alto suficiente contra os monstros da área, ela se move apenas andando lentamente, só começando a correr depois que evolui o suficiente, tornando a exploração mais lenta do que o necessário. Depois que ela pode correr, a quantidade de batalhas na área diminui, mas se você quer batalhar ali com mais frequência, basta andar normalmente.

Outra coisa é que Yuu só pode ter um companheiro por vez e cada um deles tem uma técnica especial durante as explorações, então em alguns pontos você precisara troca-los pra prosseguir em certos pontos.

Depois de um ponto da história, essa fonte é liberada. Nela você pode recuperar a energia dos seus personagens e ir direto pra outra fonte que já foi liberada, agilizando um pouco a exploração, principalmente na hora de fazer as missões paralelas.

O jogo salva a cada mudança de tela, mas você pode criar o save rápido a qualquer momento ou até mesmo o fixo, esse é mais aconselhável fazer antes de terminar a seção atual (não é demorado, mas o rápido é realmente rápido ahahah).

Na cidade dos monstros e em alguns pontos das explorações você encontra vendedores. Como o jogo é bem simples e direto, não tem muito segredo, é tudo na mesma tela. É bom acompanhar pelo menos o vendedor da cidade, já que conforme avança na campanha, os itens disponíveis mudam.

Os monstros também são bem carismáticos

Sempre que encontrar um NPC com essa seta, indica que ele tem um “Ato de Bondade” (missões paralelas) disponível. Apesar de não serem obrigatórias, é recomendável fazer elas, além das recompensas, tem umas surpresas que você só encontra ao realiza-las.

O mapa, apesar de ser simples, é bem fácil de entender e contem várias indicações nele, é bem difícil ficar perdido nesse jogo por causa dele.

Batalhas

As batalhas dele são por turno, aonde a sequencia das ações varia conforme a agilidade dos personagens e inimigos. Um ponto aqui é que nenhum personagem fica extremamente poderoso e a quantidade de MP deles é bem baixa (até mesmo no final do jogo). Mas tem um motivo pra isso, já que a cada turno eles recuperam automaticamente 1 de MP e se defender, recupera um ponto extra.

“A Yuu não consegue usar o “Flame Slash” sem a ajuda do Dragão Rei, mas não fala isso pra ela, tá” XD

O uso dos especiais também não tem segredo, basta seleciona-los no menu. Alguns deles acertam uma área especifica, podendo ser uma linha reta ou diagonal, dai entra um pouco de estratégia na hora da sua utilização.

A Yuu tem a técnica “Survey” que serve pra verificar as fraquezas dos inimigos, mostrada como pensamento e dicas dentro do “Monsterdex“. Aqui, caso ataque essa fraqueza, que varia bastante entre simplesmente usar um ataque de fogo num inimigo como também proteger um aliado num momento especifico, deixa o alvo atordoado.

Quando o inimigo está atordoado, ele recebe um dano bem alto, além de não atacar durante o turno, mas tem algo extra aqui. Como a Yuu é boazinha, ela pode simplesmente espantar os inimigos, fazendo com que eles fujam. Se fiz isso, a quantidade de exp e dinheiro é menor, mas tem uma chance mais alta de receber item assim, em forma de baú no lugar aonde eles estavam.

No final da batalha, caso um dos personagens suba de nível, mostra quais status subiram e se recebeu uma técnica nova, além de recuperar totalmente a vida e energia dele.

Troféus

Esse deu mais trabalho do que eu imaginei

Enquanto o jogo é bem simples e direto na campanha, a lista de troféus dele requer uma boa exploração e dedicação no grind dos personagens, já que precisa chegar no nível 50 com todos os personagens e fazer tudo que o jogo tem disponível. Entre os mais trabalhosos temos:

ConquistaDescrição
Merciful HeroEspantar todos os monstros do jogo
Great HeroCompletar todas as Ações de Bondade do jogo
MoonstruckAtivar um evento específico com o Dragão Rei
Forest CollectorDestravar todas as artes do jogo.

Conclusão

The Cruel King and the Great hero traz um RPG na moda antiga de uma maneira que é uma boa porta de entrada pros novatos do gênero, com uma história simples mas gostosa de acompanhar.

Os gráficos são um dos pontos forte do jogo, que puxam um estilo de desenho a mão com um arte mais infantil muito bem feitas e carismáticas, só não vai gostar quem realmente detesta desenhos.

As musicas mantém o clima infantil e fantasioso do jogo, com faixas mais suaves e alegres, tanto durante a exploração como nos eventos e batalhas, mas todas bem trabalhadas e cheias de instrumentos diferentes.

A jogabilidade, enquanto mantém bem o ritmo dos RPGs de turno e agrada bastante nesse ponto, é um pouco arrastado devido ao fato da Yuu não poder correr até chegar num nível alto, deixando a exploração mais devagar e as inúmeras missões paralelas que te força a andar em pontos com inimigos mais forte (e assim não podendo correr) deixa mais lento ainda. Pelo menos as batalhas, por mais simples e diretas que sejam, são bem gostosas de fazer e alguns chefes realmente precisa ter uma estratégia razoável pra derrota-los.

No geral, caso você queria conhecer mais jogos de RPG ou introduzir uma criança / adolescente ao gênero, esse é uma boa pedida, tanto pela história divertida e pela jogabilidade que não requer muito conhecimento no gênero pra avançar na campanha. Uma pena que a campanha, mesmo fazendo as missões paralelas, seja um pouco curta, durando coisa de umas 20~25h dependendo da habilidade do jogador (e do que for fazer nele).