Review / tutorial: Monobot

Se os olhos vermelhos não denunciaram, sim, eles vão te caçar XD

Ola, aqui é o Pena e hoje vamos com um jogo de puzzle em plataforma, o Monobot.

O jogo foi produzido em parceria da DreamSmith Studio (sendo esse o primeiro jogo deles) e a Ukuza Games (produtores do Epic Loon e Skelattack), enquanto a publicação dele foi realizada pela Aoeplus, que é também o primeiro jogo publicado por eles.

Ele lembra outros jogos de puzzle em plataforma, tal como o Limbo e Gris, aonde vocÊ precisa queimar bem os neurônios pra avançar no jogo.

Review feito em base da versão pra PC
(código cedido pela Aoeplus)

Titulo: Monobot
Produtora: DreamSmith Studio e Ukuza Games
Distribuidora: Aoeplus e B1 GAME
Gênero: Plataforma / Puzzle
Plataformas:
PC (Steam)
Mídia: Digital
Textos: Português, Inglês Francês, Italiano, Espanhol, Alemão, Russo, Polonês, Japonês, Coreano, Chinês Tradicional e Simplificado

História

A história já começa mostrando a ativação do monobot 62678, que sem mais explicações, é deixado a sua própria sorte.

Logo ele descobre que o local aonde ele foi ativado é totalmente hostil, com vários outros robos e armadilhas preparadas pra destrui-lo. Agora ele precisa sobreviver nesse mundo estranho e descobrir o que realmente está acontecendo.

Enquanto temos um desenvolvimento da história é praticamente sem palavras, todo o contexto do que está acontecendo não é dado de graça, você precisa encontrar os diversos locais com textos explicando o que realmente ocorre, algo que pensaram legal na história de fundo, mas isso é spoiler e deixo pra você descobrir quando jogar.

Gráficos

O jogo é utiliza o motor gráfico Unity, trazendo gráficos em 2D bem feitos e detalhados. Como esse não é um jogo de ação, não existem vários efeitos de ataques e algo do estilo, mas vários pontos temos efeitos de clima agradam bastante, além de vários cenários interessantes.

Em alguns pontos temos uma imagens desenhadas e com efeito de “defeito de imagem”, por causa das falhas do robo, ficou legal como fizeram isso.

Áudio

Como na maioria dos jogos desse gênero, boa parte do jogo não temos música, apenas o som ambiente pro pessoal se concentrar nos puzzles, mas nos momentos que temos, são musicas pra manter a tensão do momento e uma de piano bem gostosa de ouvir.

Outro detalhe é que, como falei no começo, praticamente não temos conversas no jogo, somente alguns rápidos textos, então já da pra imaginar que não temos dublagem alguma aqui. Isso não atrapalha a diversão do jogo, mas é sempre bom deixar avisado.

Jogabilidade

Sem um jogo de puzzles, a ação dele é totalmente direcionada a isso, então não espere batalhas, na verdade, você terá que fugir de qualquer ameaça de forma inteligente.

Esses são os terminais com informação do jogo, a maioria está extremamente escondidos, você terá que prestar muito atenção no cenário pra encontra-los.

Pulo com 100% de gravidade
Pulo com 30% de gravidade

O pulo do Mono varia conforme a gravidade do local. Sempre que tem a variação, o jogo mostra isso, assim você já tem noção do que te espera.

Vários pontos de interação estão espalhados no jogo, entre manivelas, terminais e outros objetos. Entender o que tem que fazer nos diversos pontos do jogo demora um pouco por que boa parte não está óbvio.

Empurrar blocos e usar a física da região, como subir em correntes e se balançar nelas é algo que você tem que descobrir nos pontos corretos para avançar no jogo. Pelo menos nesse daqui ele não morre por cair de um lugar algo, só nos buracos mesmo.

Conforme você avança na campanha, adquire 2 braços com habilidades bem diferentes e específicas que serão mais do que necessárias pra avançar no jogo.

O braço magnético serve pra puxar o Mono para os pontos energizados, fazendo que ele fique preso nesses locais. Mas precisa pensar rápido, pois isso só aguenta por 8 segundos, após isso perde a força e se desprende.

Já o braço de substituição, como o próprio nome já indica, serve para trocar de lugar com alguns objetos do cenário. O alcance dele é bem menor em comparação ao braço magnético e após o uso precisa aguardar 2 segundos pra usar novamente.

Não são somente puzzles de física que temos no jogo, temos uns que vai forçar bem a lógica do jogador que fogem desse estilo, pode se preparar.

O jogo vai salvando automaticamente no único slot dele, mas você pode retornar em qualquer ponto que já tenha passado, então se por acaso achou que perdeu algo num ponto, basta usar essa opção. Não se preocupe, você pode retornar no ultimo ponto que chegou no jogo.

Conquistas

Faltava só fechar o jogo sem morrer, agora tá feito 😀

Enquanto esse tipo de jogo não tem uma jogabilidade complicada, conseguir passar todos os puzzles vai queimar uns bons neurônios. A lista de conquistas da trabalho por que você tem que explorar muito bem o jogo e decorar vários pontos pra conseguir passar rápido e sem morrer. Dos mais trabalhosos temos:

ConquistaDescrição
BookwormEncontrar todos os documentos
The Iron ThroneFazer o final verdadeiro
Bot of SteelFechar o jogo sem morrer

Detalhe importante: Enquanto as conquistas que consegui fazer estão desbloqueando, não aparece os avisos dela durante o jogo e só são realmente desbloqueadas depois que reinicia o jogo e carrega o save.

Conclusão

Monobot é um jogo gostoso pra passar o tempo com os puzzles da campanha, trazendo uma história interessante de ficção científica se você realmente procurar o que ocorreu no jogo.

Os gráficos gerais dele são bem feitos e agradam muito, só 2 personagens em específicos que fica muito na cara os pontos de ligação das partes deles (não vou entrar em detalhes pra não estragar surpresas), mas também não é algo que vá atrapalhar a diversão.

A parte sonora do jogo é o que eu falei no começo, quase não temos musicas, mas pelo menos quando temos combina bem com o momento, então ela faz bem o seu papel.

Como finalizou o jogo (no final verdadeiro) e o que foi explicado ali da uma boa chance pra uma continuação e espero que tenham a oportunidade de explorar o que foi colocado ali, mesmo que não seja num jogo de puzzle que nem esse, a trama de fundo foi bem pensada.

Alguns detalhes que é bom apontar:

  • Como falei na parte de conquistas, elas não são exibidas quando consegue elas, somente depois que recarrega o jogo que são computadas (ou as vezes só após fechar o aplicativo);
  • Caso você for usar um controle do PlayStation 4 pra jogar, você precisa conecta-lo com o cabo USB (ele não reconhece alguns comandos enquanto utiliza pelo Bluetooth);