Review / Tutorial: The Last Cube

* Esta análise foi feita com o código cedido pela Improx Games (versão PS4/PS5)

Distribuidora: Improx Games
Produtora: Improx Games
Plataforma:  PS4 / PS5 / Xbox One / Xbox Series S / Xbox Series X / Switch / PC / Linux / macOs
Mídia: Digital
Ano de Lançamento: 2022

The Last Cube é um puzzle tridimensional onde o último cubo de um planeta destruído deve restaurar as regiões e reviver sua raça.

O ÚLTIMO DA RAÇA

No futuro pós-apocalíptico, onde o planeta/fábrica de cubos sofreu uma cisão, cada lado do planeta separou e fragmentou-se.
O criador foi destruído e agora cabe ao “Cubo Escolhido” restaurar as faces do planeta e seus habitantes.

O último cubo a ser criado é a esperança de sua raça
O planeta cubo foi fragmentado em um desastre apocalíptico


Para isto, ele precisará adaptar-se e aprender a manejar os adesivos que lhe concedem habilidades necessárias para navegar nas diferentes regiões devastadas.
Sim, este é um jogo de puzzle com cubos, mas que possui um curioso lore, explicado através de coletáveis.

“VAI QUE COLA”

O cubo não possui estampas, mas pode utilizar adesivos ao encostar neles, para vencer obstáculos.
Os adesivos podem ser aplicados em outros cubos, ao encostar neles com o lado correto. No entanto, ao encostar em outro adesivo, ele é substituído e os adesivos são perdidos ao passar sobre áreas com água (apenas ao encostar no “chão” com o adesivo) e ao passar por áreas elétricas no chão (estas removem todos os adesivos de todas as áreas automaticamente).


A cada nova região, um novo poder de adesivo é descoberto (e aumenta a dificuldade dos desafios).
Para utilizar a habilidade do adesivo, este deve estar posicionado para cima, acionando-se com R2 e desativando o poder com L2.


O adesivo azul permite rotacionar o cubo na horizontal, o amarelo acessa um dash de alguns quadrados de movimento (em linha reta), o vermelho cria degraus para descer plataformas, o verde cria uma cópia de si próprio, que pode ser movida livremente, o roxo pode teleportar-se alguns quadrados de distância e o laranja (amarelo com uma “hastag”) move-se em diagonal, “caminhando na ponta dos pés” (ideal para passar por áreas que apagam os adesivos).


Além de tais poderes, alguns locais podem interferir com o cubo, como o quadrado com luz no chão, que cria cópias do cubo, sendo acessadas alternando-se com triângulo (o próximo quadrado do chão com luz irá apagar a existência dos clones); o já citado piso com a grade elétrica, que apaga adesivos; o quadrado de água que remove o adesivo da parte encostada; o quadrado congelado, que reduz as manobras, pois o cubo irá deslizar na direção escolhida até encontrar um obstáculo; o quadrado com energia roxa em movimento, que transporta o cubo para outra localidade e as áreas que mudam a gravidade, fazendo o cubo transferir-se para paredes ou para o teto.
(ao citar quadrado, aqui, refiro-me sempre ao chão quadriculado)

RESTAURANDO O PLANETA

Cada lado do mundo multifacetado é composto por uma das cores, que foi fragmentado durante a destruição.
Ao todo, são seis lados do planeta, cada qual consistindo em três grandes puzzles. Após vencida cada uma das três missões, a fase pode ser repetida, agora com desafios adicionais, que variam entre terminar a fase em determinado tempo, não repetir os adesivos no cubo, etc.

A grade amarelo, na frente da imagem, remove todos os adesivos de uma só vez
Os cubos com contornos brancos movem-se conforme os botões de pressão no chão são acionados


Há coletáveis dentro das fases, que consistem em fragmentos cúbicos brancos, alguns contendo o lore do jogo, explicando cada região do planeta, bem como a origem dos cubos.
Enquanto alguns coletáveis estão bem escondidos, outros estão visíveis logo de início, mas requerem habilidade e raciocínio para serem alcançados.

Fragmentos brancos funcionam como os coletáveis do jogo…
… revelando o lore “secreto” do mundo


Conforme coleta os itens, vão sendo desbloqueadas fases bônus, acessíveis através do teleporte no HUB do jogo.
Estas fases bônus são ainda mais difíceis, sendo que algumas precisam ser reiniciadas caso o jogador cometa algum erro que não possa ser desfeito (o que não ocorre nas fases normais).

Já os fragmentos rosa devem ser coletados para solidificar algumas passagens

CUBISMO

O gráfico de TLC possui um visual futurístico e arrojado, composto por paisagens formadas por cubos, assemelhando-se inicialmente há um laboratório e/ou área de testes, mas passando por abismos, geleiras e mesmo florestas.

Em diversos momentos nos deparamos com a natureza do planeta que invadiu as instalações da fábrica
Feixes de laser podem atravessar combinações de adesivos da mesma cor


A destruição do mundo é representada por áreas devastadas, onde mesmo o chão e outros obstáculos parecem ter colapsado, impedindo a transição que antes seria mais fácil.
Diante destes cenários, é preciso adaptar-se com as habilidades dos adesivos aplicáveis ao cubo, sempre de cores vivas e radiantes, destacando-se facilmente no cubo negro.
Os feixes de laser e energia neon contrastam diretamente com as paisagens mais rústicas.

Como atravessar áreas onde não há chão?
Fácil! Basta achar o teleporte na área correta e andar pelas paredes (ou pelo teto)


A trilha sonora é bem variada, indo de tons calmos, mais comuns ao gênero dos puzzles, para músicas mais agitadas e mesmo com uma pegada “cyberpunk”.

TROFÉUS CEREBRAIS

A lista de troféus em TLC é bastante desafiadora.
Não apenas o jogo em si já o é, para ser finalizado, como os desafios adicionais, as fases bônus e os coletáveis de difícil acesso mostram-se complexos em sua execução.
O jogo pede, basicamente, que você faça “100%” nele, coletando todos os itens, completando todas as fases bônus (boa sorte com elas) e finalizando todos os desafios adicionais (que surgem após concluir as fases).
Curiosamente, apesar de todo o esforço empenhável necessário para passar por todas estas adversidade, The Last Cube não possui troféu de platina.

Poxa! Sem platina depois de todo esse sacrifício?
O HUB do jogo dá acesso às fases normais….
… e também às bônus, em uma área separada

RESUMO DA ÓPERA:
The Last Cube
é uma grata surpresa no mundo dos puzzles.
Um gênero com tantos lançamentos e tantos estilos diferentes sofre por destacar-se, mas TLC brilha em sua genialidade de soluções e na curiosa inserção de lore, algo incomum na maioria dos casos, mas traz um diferencial para o título.

O desafio progressivo vai misturando cada vez mais combinações de adesivos e obstáculos


O visual ora rústico das paisagens e futurístico nos cubos e plataformas combina com uma trilha sonora diversa e um tanto quanto caótica em seus estilos.
A plasticidade cerebral necessária, no entanto, pode ser muito desafiadora para os novatos no gênero, tornando The Last Cube um puzzle para os amantes do gênero, mas que pode intimidar aqueles que estão adentrando a categoria apenas agora.

Praticamente uma jornada espiritual do cubo…


Fácil de jogar, difícil de dominar, The Last Cube é um jogo tecnicamente curto, mas que irá somar consecutivas horas até que o jogador se mostre capaz de resolver todos os seus enigmas.

Deixe uma resposta