Review/Tutorial: Tinykin

Collect a thon é um gênero que pode ser uma mistura de desafio ou algo simples, porque em sua maioria são focados em puzzles progressivos relacionados à itens ou mecânicas que você deve ter consigo nos diversos mundos e fases que irá passar nos jogos desse gênero…

Tinykin é um jogo desse gênero, e desde seu anúncio me chamou atenção justamente por um aspecto: o personagem é minúsculo com relação ao ambiente em que ele se encontrava, que parecia ser uma casa, e junto com esse grande universo, meu ânimo aumentou ainda mais por dois motivos: o jogo é desenvolvido pela SplashTeam e publicado pela TinyBuild (outros reviews aqui), sendo portado pela Sock Monkey Studios para os consoles. Sobre a TinyBuild, já expliquei no review do No Time to Explain… 😛

SplashTeam (site oficial)

Estúdio de jogos independente situado na cidade de Montpellier, na França. Sendo fundada por ex funcionário da Ubisoft, Romain Claude (o Game Designer de Rabbids Go Home/Rayman Legends) e Marie Marquet.

Sock Monkey Studios (site oficial)

SockMonkey Studios é um estúdio de jogos independente com sede no nordeste da Inglaterra. Temos uma equipe de desenvolvimento experiente que cria um trabalho de alta qualidade, desde o desenvolvimento de jogos em grande escala até ajudar outros desenvolvedores a levar seus jogos para todas as principais plataformas.

A SockMonkey foi fundada em 2013 por Bob Makin e Darren Cuthbert, que já haviam trabalhado em estúdios como Team17, Jagex e Iguana. A dupla decidiu criar um novo estúdio em Teesside, com o objetivo de se tornar um “superestúdio” para a região.

Aumentando o estúdio de 2 para 30+, o SockMonkey deixou sua marca em alguns projetos incríveis de estúdios como SEGA, Double Eleven, Team17, Hello Games, Wired Productions, tinyBuild, Outfit7, Playstack e muito mais, trabalhando em títulos como Prison Architect , Joe Danger, The Escapists, Songbringer, Deliver Us the Moon, Totally Accurate Battlegrounds e muitos, muitos mais.

Sem mais delongas, vamos então ver o que esse promissor jogo nos traz nas suas mecânicas?????

Código para review fornecido pela TinyBuild Games, versão Playstation 4 / Playstation 5
Review baseado na versão Playstation 5

Nome: Tinykin
Gênero: Platform, Puzzle (subgênero: Collect a Thon)
Desenvolvedora: SplashTeam
Distribuidora: TinyBuild Games
Plataformas: Playstation 4 / 5, Xbox One / Series S|X, Nintendo Switch, PC
Lançamento: 2022 (30 de agosto)
Mídia: até o momento do review, apenas digital
OBS: as versões PS4/PS5 são crossbuy, no Xbox o jogo está disponível no serviço XBOX GAME PASS via PC, CONSOLE E CLOUD SERVICE.

Tela Título

OBS: a tela título ocorre apenas depois de iniciar o jogo e salvar a primeira vez, pois o jogo começa diretamente na primeira vez que começar.

História / Enredo

Milodane é pertencente ao planeta Égide (Aegis no original), que se tornou o planeta da humanidade.
Milo é um arqueólogo e pesquisador de uma das mais prestigiadas universidades do mundo.

De acordo com alguns estudos de Milo, através de relíquias, artefatos e fósseis, a humanidade não é legitimamente natural de Égide, mas sim de outro lugar…

Com constantes pesquisas, Milo identificou um sinal antigo, de origem humana, emanando de uma outra galáxia próxima. Vasculhando cada planeta pacientemente, acabou encontrando seu possível destino e junto com Nevus, seu assistente, iria descobrir o segredo da origem da humanidade…

Porém só ele conseguiu ser enviado…

Gráficos

Tinykin foi feito em cima da engine Unity, e mescla 3D e texturas simples dos imensos cenários da casa, e 2D para os personagens que são desenhados com relação ao cenário.
O jogo conta com efeitos de luz leves e simples nas explosões e luminosidade dos cenários, combinando perfeitamente com o clima cartoon que o jogo quer passar.

Som / OST

Em relação à dublagem, o jogo não possui de fato um voice act ativo em todo o jogo, porém Milo fala na introdução da história.

A trilha sonora é composta por Alexis Laugier, que trabalhou também em Road 96 (review pode ser visto aqui). As composições usadas para o jogo mesclam em estilos variados, com músicas tranquilas, noir, orquestradas e batidas de repercussão e sintetizadores.
Você pode conferir a trilha sonora do jogo através do Spotify do compositor.

Jogabilidade

Tinykin usa quase todos os botões do controle, com excessão do L1 e Quadrado, mas a jogabilidade é totalmente mapeável de acordo com o gosto do jogador.
Por ser um plataforma com estilo mais clássico, as funções são facilmente adaptáveis.

Sistema de Jogo

Como dito anteriormente, Tinykin usa o estilo Collect a Thon para o gênero plataforma, com isso, você terá diversos itens pra coletar e progredir nos ambientes da casa que irá passar.
E desde já aviso: não há inimigos e combates, apenas puzzle e coletáveis…

Um novo mundo…

Ao chegar no planeta desconhecido, Milo se depara com pequenas criaturas que se simpatizam com ele, e o perseguem. Essas criaturas são chamadas Tinykins.

Notavelmente, essas criaturas possuem algumas habilidades fora do comum, e para os Tinykins Rosas, eles possuem uma força descomunal…

Os Tinykins são encontrados por meio de ovos que estão ali para serem quebrados, basta Milo passar por perto deles ou atirar um Tinykin neles para que novos seres venham ao encontro de Milo…

No decorrer do processo, somos apresentados ao Leami, que se surpreende pelos Tinykins estarem simpatizados com Milo, e talvez ele possa ajudar em outros objetivos.
É aqui que você começa à conhecer esse estranho mundo…

Uma casa, diversos mistérios…

No decorrer da exploração da casa, Milo é apresentado aos seus cômodos, e um deles em particular mostra o interesse de Leami: a oficina de Crisal.

Aqui é onde você tem o conhecimento que Leami quer montar um dispositivo aparentemente recorrente de um morador antigo da casa, e como os Tinykins se simpatizaram com Milo, talvez tenha uma chance de terminar de montar o dispositivo com esses itens restantes, porém eles estão espalhados em diversas regiões da casa…

Você também é apresentado à outros 2 personagens, amigos de Leami: Tagarila e Sikaru.

Tagarila – possui um conhecimento diferenciado, o seu museu está vazio, mas caso você encontrar alguns artefatos, ele irá fazer uma exposição e terá uma breve explicação da origem dos itens…

Sikaru – o cervejeiro de néctar, Sikaru pode ajudar de forma direta na sua jornada, mas isso falarei mais à frente…

Um Tinykin é pouco, Dois são bons… e 80 seria demais?????

Começando sua jornada de fato, A CIDADE DE SANCTAR (também conhecida como A SALA DA CASA) mostra diversos insetos que tomaram posse da casa, e logo você percebe que os Tinykins anteriores não estão com você, ou seja, eles ficam apenas em cômodos que forem encontrados…

Enquanto progredir na casa, você irá notar diferentes espécies de Tinykins, e da mesma forma que os Tinykins Rosas, todos irão dar a breve animação para mostrar o poder deles, no caso dos vermelhos, eles podem explodir.

Ao adquirir os Tinykins e eles seguirem você, eles poderão ser usados em alguns objetos da casa que estarão em um breve contorno de destaque com a cor do Tinykin que pode ser usado, e se for necessário, Milo poderá mirar e atirar os Tinykins neles.

Entretanto, alguns objetos necessitam que mais de um Tinykin seja usado. Nesse caso teremos alguns aspectos limitadores para seu número de Tinykins que estarão indisponíveis para outras ações, seja por estarem ocupados ou por terem sido extinguidos (afinal ninguém volta à vida depois de explodir).

Aquilo flutuando é Milodane??? Não… é MiloPlane… (bah dum tss)

Ok, os Tinykins podem ajudar em 90% dos casos, mas Milo também tem alguns apetrechos e habilidades que irão lhe ajudar na exploração da casa:

A primeira delas é planar graças ao seu traje, Milo fica envolto de uma bolha que irá fazer planar e alcançar lugares mais distantes.

Os indicadores acima é quantas bolhas Milo tem para usar enquanto planar, mas isso darei detalhes logo à seguir…
Além da planar, Milo pode usar uma “prancha de sabão” (na realidade um sabão mesmo) para se deslocar rápido e alcançar plataformas pelas linhas de seda os carismáticos assistentes de Leami, que podem ser encontrados em laterais de algumas plataformas, porém alguns precisam ser soltos, fique de olho.

Em compensação, haverão 2 coisas que podem fazer com que Milo falhe: altura grande demais ou água, apesar de o jogo não ter um GAME OVER de fato, evite ambos para não fazer Milo morrer de forma triste… 😛

Menus, Coletáveis e Missões

A interface do jogo é bem amigável nos menus, os menus mostrarão de forma simples toda a informação necessária para os diversos itens que você deve coletar, além das missões que pode encontrar. No review/tutorial vou mostrar apenas os dois primeiros menus por serem mais oportunos, enquanto os outros são relacionados à coletáveis, troféus e configurações do jogo.

Na primeira tela, as informações são com relação aos Tinykins e as habilidades deles, além dos itens chave para progressão ou habilidades do Milo. Na parte esquerda, é relacionado ao progresso dos objetivos, Tinykins encontrados e troféus.
Logo abaixo dele são as bolhas de planagem.
OBS: o tempo de jogo não pausa nos menus e nem na interface do PS.

As missões são mostradas aqui, sempre haverá uma missão principal e outras secundárias, que são relacionadas aos possíveis personagens encontrados nos cômodos. Geralmente são pedidos de favores e ajuda com relação à algum objeto em específico do cenário e podem ser auxiliados através do óculos de Milo tem e podem indicar o seu progresso.
No canto inferior direito há os indicadores dos artefatos, pólens e Cerveja de Nectar que Sikaru conseguirá fazer.

Os itens amarelos flutuantes encontrados nas fases são os pólens, usados pelo nosso amigo Sikaru. As fases terão mais de 1000 pólens pra coletar, e Sikaru irá pedir uma pequena leva desses pólens entre 900/1000, constituindo na sua cerveja de nectar e concedendo como recompensa pela ajuda, um upgrade nas bolhas de Milo.

Com relação às missões: lembram o que falei sobre os Tinykins usados ficarem indisponíveis em alguns casos??? É exatamente nisso que me refiro, os itens de história geralmente precisam ser deslocados de um lado para outro, por grupos grandes de Tinykins Rosas, por exemplo, e que se encarregarão de fazer o trajeto enquanto você pode explorar a casa, ou ajudar eles a se livrar de pequenos obstáculos no percurso.

No decorrer do jogo, os Tinykins podem ser usados em conjunto para progredir no cenário.
Com relação ao tutorial, vou encerrar aqui, já que o restante (e a graça) do jogo é justamente ver os outros Tinykins e suas habilidades, além de explorar os cômodos e pegar tudo…
Mas uma dica que posso dar é: olhe todos os cantos, todos os objetos, porque estamos lidando com pessoas que trabalharam em Rayman aqui… 😛

Troféus / Conquistas

Dificuldade: 3/10
SplashTeam não quis abusar da boa vontade em forma de dificuldade, já que os troféus não são exigente com habilidade ou dificuldade de jogo, mas sim com paciência em achar todos os itens (aka fazer 100% do jogo), além de pequenos troféus miscelâneas.
Como grande parte dos troféus foi tratado de forma oculta, resolvi não listar eles no review/tutorial.

OBS: um dos troféus do jogo, de achar todos os Tinykins, pode sofrer um bug e não computar a contagem e registro deles no jogo, apesar de alguns Tinykins variarem o valor final por se extinguirem ou ficarem ocupados com algum objetivo (Tinykins Vermelhos e Azuis), digo isso porque depois de terminar o jogo verifiquei todos os cômodos e todos os ovos tinham sido quebrados, além dos Tinykins ocultos terem sido encontrados, tive de rejogar o jogo de forma “rushada” apenas pra coletar novamente para assim, poder platinar.
Não sei necessariamente o que causou o bug ou se há algum erro de rastreio e registro dos coletáveis, mas fica o aviso para TinyBuild e SplashTeam revisarem.

Considerações Finais

Graficamente o jogo agrada pela simplicidade e mistura de cartoon e efeitos tridimensionais. Esse contraste fica mais evidente pela dinâmica entre os personagens desenhados e a iluminação do cenário nas explosões e partes mais claras e escuras da casa. O traço usado para o desenho e arte deixa o jogo muito carismático, principalmente pelo fato de eles serem muito pequenos com relação ao mundo que estão explorando, mostrando novamente o quão a engine Unity pode ser versátil, se bem usada.

A trilha sonora é 100% agradável, e não é enjoativa, mesmo que você gaste muito tempo procurando os itens ou apenas de explorar os cenários pra completar os coletáveis, e apesar de não dublagens (com exceção do Milo na introdução), não atrapalha em nada.

A jogabilidade é agradável e divertida, seja usando os tinykins para cumpris os objetivos ou a forma que o mundo se revela conforme você explora. Os elementos de um plataforma clássico com collect a thon foram muito bem conservados aqui.

A performance do jogo não pecou em nada, não tendo slowdowns e nem fechamentos repentinos. A performance da versão PS5 se mantém em frames constantes no 60.
Com relação à duração, depende muito do seu perfil de jogo, seja um caçador de troféus/conquistas ou um jogador que foque apenas na história e missões principais, o jogo dura em torno de 7 à 12 horas, juntamente com o desafio do jogo ser moderado-baixo, pois é um jogo com foco na diversão e exploração, sem dificuldade pra escolher ou inimigos para combater, sendo dedicado à puzzles e progressão de jogo.

De forma resumida, Tinykin se mostrou uma verdadeira surpresa, trazendo de volta elementos de plataforma que beiram o extremo da diversão, com um mundo criativo, level design excelente para exploração de segredos (acredite, vasculhe todos os cômodos de forma minuciosa, pois o pessoal soube usufruir do “mundo gigante”), humor em bom nível e com uma história criativa, tornando Tinykin, um dos jogos merecedores do selo de recomendados pelo site.

Continue assim SplashTeam, porque esse jogo nos prende pela simplicidade e criatividade…
E você? Pronto pra descobrir a origem da humanidade???