Review / Tutorial: Salt And Sacrifice

Ola, aqui é o Pena e hoje vamos sofrer várias mortes nesse metroidvania que mistura as mecânicas do sub-gênero souls com algumas dos jogos de caça, o Salt And Sacrifice.

Ele foi produzido e publicado pela Ska Studios, mesma produtora do jogo anterior, Salt And Sactuary, como também do The Dishwasher: Vampire Smile.

Review feito em base da versão para PC. Código cedido pela Ska Studios

Titulo: Salt And Sacrifice
Produtora: Ska Studios
Distribuidora: Ska Studios
Gênero: Metroidvania / Plataforma / RPG / Souls-Like
Plataformas: PlayStation 4, PlayStation 5 e PC (Epic Games)
Mídia: Digital
Textos: Português, Inglês, Francês, Alemão, Italiano, Espanhol, Coreano e Japonês

História

Seu personagem, após a sentença pelos seus crimes, é condenado a passar o resto dos seus dias com um inquisitor na caça aos magos que trazem a corrupção ao mundo.

Agora você precisa viajar pelo reino procurando esses seres que desafiam as leis naturais do mundo e extermina-los, enquanto desvenda os mistérios que envolve o reino.

A história é bem simples e direta, com apenas alguns detalhes passados aos poucos conforme você avança na campanha, mas é o suficiente pra manter a atenção do jogador enquanto desafia os obstáculos que encontramos nele.

Gráficos

O jogo é todo em 2D, trazendo a peculiar arte que o estúdio usa nos seus jogos, com vários cenários macabros e monstros bizarros enquanto temos uma boa variação de equipamentos e aparências pro personagem.

Todos os cenários são bem sombrios, mesmo os mais abertos, mantendo o clima tenso que a história do jogo pede, isso sem contar os detalhes que encontramos durante a exploração, mas ai precisa ficar atento pois tem coisas bem sutis.

Áudio

No geral as músicas ficam mais no som ambiente, mantendo o clima da exploração dos locais mais macabros, mas quando iniciamos as batalhas de chefe ou especiais, ai sim temos musicas muito boas pra embarcar esses momentos.

Infelizmente não temos dublagem aqui, não vai atrapalhar em nada, mas é sempre bom avisar pra aqueles que fazem questão disso.

Eu encontrei a OST do jogo no Youtube, então vou deixar ela aqui pra você curtir enquanto termina de ler o review.

Jogabilidade

Logo no começo do jogo podemos criar o nosso personagem. O principal aqui é escolher a classe inicial dele que altera seus equipamentos iniciais e o CRIME dele, que varia o item extra que iniciamos a campanha.

Menu

O menu do jogo é bem direto, só que, abrir ele NÃO PAUSA O JOGO, então só mexa nele quando estiver seguro ou for algo de suma emergência.

Na área de Equipamentos podemos equipar as diversas armas e armaduras no nosso personagem. É possível equipar 2 armas diferentes de curto alcance, que podem ser trocadas rapidamente durante os combates. Também podemos equipar uma boa quantidade de itens para nos precaver de diversas situações.

Só precisa tomar cuidado pois os equipamentos tem peso e nível, necessitando ter as habilidade necessárias pra utiliza-los e poder carregar o seu peso equipado.

No inventário você tem um acesso mais rápido do que está carregando, ver as informações deles e até mesmo equipar diretamente por aqui, o que facilita bastante o processo.

Tem também o Bestiário, com informação de todos os inimigos que você já derrotou, como suas caracteristicas e o que eles deixam ao serem derrotados.

Vale do Perdão

Nesse jogo, ao contrário do Sanctuary, temos um acampamento principal, o “Vale do Perdão”, sendo aqui aonde nos preparamos para as explorações durante a campanha (lembra mais o estilo do Demon’s Souls, pra facilitar aqueles que conhecem bem os jogos dessa franquia).

A evolução do personagem é feita na estátua da deusa, gastando o sal adquirido dos inimigos pra subir de nível e adquirir pedras utilizadas pra a melhoria mais específica do personagem.

Ainda na estátua, as pedras que você recebe ao subir de nível são utilizadas pra comprar os status e liberar melhorias do personagem, como usar equipamentos mais fortes ou utilizar técnicas secretas das armas. A cada um certo ponto de níveis você recebe uma pedra especial pra restituir um ponto gasto e usar em outro ponto, mas são bem raras.

Um ponto interessante aqui é que é possível gastar mais de um ponto no mesmo atributo, não precisando gastar em coisas que não deseja quando alcançar um nível muito alto e acabar os dos status que você está melhorando o seu personagem.

Um dos pontos principais do jogo é a inserção da criação de equipamentos a partir das partes adquiridas nas caças contra os magos, bem no estilo dos jogos de caça tipo o famoso “Monster Hunter“. Cada mago tem um set de itens que é possível criar com os seus materiais, variando em força, nível e elementais ativos.

Todos os equipamentos, tanto os criados com materiais dos magos como os encontrados na exploração podem ser melhorados com materiais específicos, aumentando a sua força e defesa, claro que cada equipamento tem itens diferentes para a sua melhoria.

Também tem como aumentar a quantidade de poções, flechas e outros utensílios na bancada de alquimia, precisando de materiais específicos. Conforme você encontra materiais novos, converse com a alquimista e ela liberará novos itens pro seu inventario.

Depois que você encontra esse NPC, é possível melhorar aleatoriamente os seus acessórios, deixando eles mais fortes, mas as caracteristicas novas são aleatórias, então as vezes pode entrar um efeito novo que você não queria.

Apesar de não afetar diretamente na jogabilidade quantos equipamentos você está carregando (só os equipados), tem um baú pra guardar os seus itens, o que facilita a organização deles.

No portal você monta as runas para inicia-lo e abrir caminho para novas áreas. Conforme avança na campanha, novas runas, missões e outros detalhes aparecem aqui, aumentando a quantidade de locais acessíveis.

Partidas Multi-Player

Em nenhum momento o jogo te obriga o multi-player, mesmo jogando online e podendo ver as mensagens dos outros jogadores, você só permite invasões ao ativar o item que permite isso. Outra maneira de interação é usando o portal para as missões especificas para auxilio e caça a outros jogadores.

Você também pode criar uma senha para a sua sessão online com outros jogadores, evitando acesso de desconhecidos.

Exploração e Combates

Os combates utilizam o sistema de estamina, aonde cada golpe consome um pouco da barra e se ela acabar, precisa esperar um pouco pra recarregar pra atacar novamente.

O jogo tem vários tipos de armas diferentes, sendo que cada uma delas utiliza uma pericia diferente no calculo do dano (isso fica marcado na característica da arma).

Também tem armas de longo alcance, como bestas e arcos, mas elas tem um limite de munição pra uso…

… mas temos a possibilidade de criar mais munição durante a exploração segurando o botão de ação, caso tenha material pra isso, claro.

O uso de itens de cura e ataque também são feitos durante os combates, dai você precisa acertar bem os momentos pra não ser atacado durante a utilização.

No jogo já começamos com o pulo na parede, mas conforme avançamos, conseguimos outras ferramentas pra continuar na exploração, como a corda com gancho, que serve pra alcançar locais mais altos e distantes.

Como falado anteriormente, boa parte do foco do jogo é a caça dos magos, que você inicia os novos a partir de side-quests nos mapas, mas depois que enfrenta a primeira vez, eles começam a aparecer no mapa aleatoriamente.

Basicamente, conforme você os enfrenta, eles começam a fugir e convocar novos inimigos e quando começa a tocar a musica, você já sabe que eles estão morrendo (ou pra iniciar o confronto em campo fechado). Um ponto importante nesses combates é que, quando você derruba eles (tira toda a energia), precisa arrancar o coração deles o mais rápido possível, senão eles se levantam e continuam a batalha.

E como todo souls-like, caso morra, precisa retornar ao local aonde morreu pra recuperar o seu sal, senão perde ele pra sempre. Outro detalhe é que, quando morre, o personagem fica Arcanizado, ficando com parte da sua vida em azul, diminuindo o limite dela, dai você precisa utilizar o item fragmento de inocência para recuperar toda a sua vida.

Por ultimo, os obeliscos tem umas utilidades essenciais:

  • Eles servem de check-point quando você morre, não precisando andar tudo novamente;
  • Você pode se recuperar e recarregar os seus equipamentos (poções e munição) neles, caso tenha os materiais necessário. Usar essa opção faz com que a maioria dos inimigos retornem;
  • Também é por eles que retornamos para o Vale do Perdão.

Só um ponto que incomoda um pouco, não temos fast-travel DENTRO DAS ÁREAS, precisando andar tudo a partir do obelisco de entrada da região toda vez que voltarmos para o acampamento.

Extras

Como já é clássico do sub-gênero souls, ao finalizar o jogo o seu save é automaticamente convertido para o NG+, aonde reinicia toda a exploração com o nível e equipamentos que você já tinha, mas agora todos os inimigos estão bem mais forte e deixam mais sal para facilitar a evolução do personagem.

Boa sorte aqui, agora até os inimigos mais comuns são bem mais mortais do que já eram antes, vai precisar de bastante habilidade em alguns pontos.

Conquistas

Até que foi mais tranquilo que o Sanctuary, mas claro que eu fiz um backup do save pra fazer os 2 finais 😛

Enquanto o jogo em si tem a dificuldade elevada que já é esperada do sub-gênero souls, as conquistas dele não são tão complicadas assim, focando mais na exploração no que na habilidade de combate mesmo.

Pra aqueles que gostam de conquistas, esse jogo tem conquistas na plataforma da Epic Games (que foi a utilizada para esse review), além de claro as mesmas conquistas na plataforma da Sony. Entre as mais complicadas temos:

ConquistaDescrição
Top ShelfMelhorar por completo todas as poções
Want NotMelhorar ao nível máximo um equipamento
The ScholarCompletar a side quest do estudioso
The NomadCompletar a side quest do inquisitor

Conclusão

Salt And Sacrifice traz um metroidvania com mecânicas de souls-like e o acréscimo das caças a materiais encontradas nos jogos de caça, tal como o Monster Hunter.

Os gráficos são todos em 2D usando a peculiar arte que temos nos jogos da empresa, trazendo cenários sombrios e devastados com monstros dos mais diversos tipos, junto com a variação de equipamentos que temos disponíveis nele.

As musicas seguem o padrão do seu antecessor, focando principalmente em sons ambientes pra manter o clima macabro, trocando pra as musicas mais épicas e agitadas nas batalhas chaves da campanha e nas caças dos magos.

A jogabilidade básica continua a mesma que encontramos no “Sanctuary”, com difíceis combates e exploração cheia de armadilhas enquanto precisamos retornar a diversos pontos conforme avança no jogo. A adição dos elementos de Monster Hunter no jogo pode dividir um pouco as opiniões, já que abre a opção pra criação de equipamentos mas faz com que precisemos caça-los com uma maior frequência pra conseguir tudo que queremos, mas pelo menos as missões não são apenas “mate o mago e volte sem explorar nada”.

No geral, se você jogou o Salt And Sanctuary e gostou dele e gosta pelo menos da parte de criação de itens dos jogos de caça, vai aproveitar bastante esse novo jogo, que consegue manter o clima tenso durante toda a exploração do jogo.