Review / Tutorial: Eiyuden Chronicle: Rising

Ola, aqui é o Pena e hoje vamos com um RPG de ação misturado com metroidvania que eu estava de olho a um tempo, o Eiyuden Chronicles: Rising.

O jogo foi produzido pelos estúdios Natsume Games (produtora da série Story of Seasons e Lufia) e da Rabbit & Bear Studios, criada pelos criadores da série Suikoden.

A publicação do jogo ficou por conta da 505 Games, que trabalhou com jogos como Control e o Bloodstained: Ritual of the Night.

Esse jogo é um prólogo para o jogo principal Eiyuden Chronicles: Hundred Heroes, que foi financiado por uma campanha do Kickstarter e será uma sequencia espiritual da série Suikoden misturando gráficos em 2D e 3D.

No lançamento ele também foi disponibilizado no serviço do Gamepass da Microsoft.

Review feito em base da versão para PS4. Código cedido pela 505 Games

Titulo: Eiyuden Chronicle: Rising
Produtora: Natsume / Rabbit & Bear Studios Co., Ltd
Distribuidora: 505 Games
Gênero: Aventura / Plataforma / Metroidvania / RPG
Plataformas: PlayStation 4, PlayStation 5, Nintendo Switch, Xbox One, Xbox Series X e PC (Steam, GOG e Epic Games)
Mídia: Digital
Textos: Português, Inglês, Francês, Espanhol, Italiano, Alemão, Russo, Japonês, Coreano, Chinês tradicional e Simplificado.

História

“Ah shit, here we go again…” opa, série errada XD

Aqui acompanhamos CJ (não é o do San Andreas hahaha), uma caçadora de tesouros que chega em Nova Neveah seguindo as informações sobre a descoberta de novas ruínas na região.

Chegando lá, se depara com uma cidade bem interiorana cheia de problemas e uma “pequena taxa” pra poder iniciar as explorações por lá, tendo que ajudar os habitantes da região pra passar desse ponto.

A partir dai acompanhamos o crescimento da cidade e o desenrolar da trama que dá uma base para o que veremos no jogo principal, nada muito profundo, mas o suficiente pra dar um gosto do que vem a seguir.

Gráficos

Claro, melhor maneira XD

O jogo foi criado usando a engine Unity, trazendo uma mescla entre gráficos em 2d e 3d, assim como é a proposta do jogo principal.

A parte 2d e para os personagens e boa parte dos inimigos do jogo. A primeira vista lembra muito aqueles jogos feitos em “Flash”, dando pra reparar um pouco as junções dos sprites, mas essa impressão desaparece conforme você avança na campanha do jogo, mesmo que a variação de inimigos não seja tão grande (afinal é um jogo paralelo feito como “bônus” do projeto principal), as variações deles e detalhes estão bem feitos.

Já os cenários são todos em 3d, com vários pontos e ambientes diferentes, todos cheios de detalhes e pontos pra interação pra adquirir materiais ou abrir rotas nas áreas.

Áudio

Enquanto não temos tantas musicas assim no jogo, elas são bem gostosas de ouvir, principalmente as variações que temos na cidade conforme ela prospera. As usadas na exploração combinam bastante com o ambiente e as dos chefes são mais agitadas e tensas pro momento.

Não temos dublagem no jogo, não que isso afete profundamente a diversão, mas é sempre bom avisar pra aqueles que fazem questão disso.

Eu não achei a OST dele no Spotify, mas achei uma playlist no Youtube, então aproveita ela enquanto você terminar de ler o review.

Jogabilidade

Piada recorrente no jogo XD

Aqui temos bastante coisa pra explorar e customizar, além de ajudar na cidade, então vamos por partes pra falar de tudo.

Menu

Como todo RPG que se preza, você vai entrar bastante no menu dele pra mexer nos seus personagens, mas pelo menos ele é simples. Logo de inicio, além das opções dentro dele, mostra o mapa da área que você está explorando, sendo que ele tem algumas indicações pra te facilitar a vida, mas nem tudo aparece ai.

Na área de missões você consegue verificar todas as missões ativas e as que você já terminou também. As informações são simples e diretas, mas geralmente são o suficiente pra conseguir avançar e ainda tem como marcar as paralelas pra mostrar durante a exploração e facilitar a sua conclusão.

nem tudo está liberado desde o começo

Já em Atributos e Equipamentos temos um geral de como o personagem está no momento e também podemos equipar 2 acessórios, uma lente rúnica de ataque e outra de defesa, sendo que elas ditam os elementos que o personagem utilizará no combate

No Bornal você equipa as poções que utilizará durante a exploração. Vale comentar que não é possível alterar a sua configuração dentro de alguma dungeon, então tenha certeza de que está do jeito que você precisa pra não passar o pior lá.

Na Bolsa de Recursos ficam todos os itens encontrados na exploração atual. Só que, enquanto você não sai da dungeon, esses itens ainda não são seus e essa bolsa tem um limite, então caso ela esteja cheia e queira pegar outro item, precisa jogar algum fora antes.

Já no Depósito é aonde fica todos os itens que já são considerados seus, podendo verificar informações sobre eles a qualquer momento.

Não coloquei o completo pra não estragar as surpresas ai

Na área de Conquistas mostra todas as conquistas internas do jogo, que refletem na lista dos sistemas que utilizam o sistema de conquistas. Aqui é só pra ver sobre elas mesmo, já que o jogo não dá recompensas ao alcança-las.

Já na área de Ajuda temos todos os tutoriais que aparecem no jogo conforme você avança na campanha, dai se tiver alguma duvida, basta olhar ai.

Cidade

A única cidade que temos acesso no jogo é Nova Nevaeh, mas tem vários pontos pra explorar aqui e pra ajudar os cidadões. Qualquer NPC que tenha interação ou missões paralelas tem uma indicação neles, assim fica fácil de avista-los.

O quadro de avisos da cidade sempre é atualizado conforme você avança na campanha, mas ele só INDICA quais missões estão disponíveis, pra aceita-las precisa falar com o personagem certo.

Tem uma navegação rápida na cidade, assim fica mais ágil andar nela, mas pode andar normalmente caso esteja procurando algo nela..

Na base você pode descansar e recuperar toda a energia do seu grupo, mas perde qualquer bônus ativo da estalagem. Também é um dos pontos aonde você pode salvar o jogo num ponto fixo dentro da memória.

Conforme realiza as missões paralelas para as lojas, elas sobem de nível e liberam novos serviços e itens nelas

Tomar banho na estalagem da bônus para a sua equipe e eles ficam ativos até tomar outro banho ou descansar na base.

Na Taberna você pode utilizar os materiais pra criar novas refeições, que além de recuperar a energia, aumentam alguma característica do personagem permanentemente.

Um detalhe é que, depois que foi criado pela primeira vez a refeição, ela pode ser comprada novamente usando apenas dinheiro, mas claro que o valor sem materiais é bem maior.

Na Ferraria você melhora os seus equipamentos no ponto de vista de força e defesa, precisando de materiais para cada nova melhoria…

… enquanto no Arsenal, conforme melhora as suas armas, liberam habilidades pra elas, como mais combos ou movimentos extras com elas…

… e seguindo a mesma ideia do Arsenal, na Armoraria tem a melhora das suas armaduras, que libera outros sets de técnicas, como pulo duplo ou certas esquivas.

No Empório você pode trotar materiais por outros melhores, mas além do material, tem uma taxa para essa troca. Aqui também recebemos recompensas pela quantidade de carimbos que temos, que recebemos conforme realizamos as missões paralelas e algumas da história.

Na Casa de Penhores você pode vender os materiais que não precisa, assim conseguindo uma grana pra gastar nos outros pontos da cidade.

Na Loja de Bolsas podemos aumentar o tamanho do Bornal e da Bolsa de Recursos, facilitando a exploração e aquisição de materiais nas explorações.

Na Loja Rúnica podemos criar algumas runas elementais pra nossa equipe, que além de usado pra acertar as fraquezas dos inimigos, também serve pra avançar em certas partes do jogo.

Na Botica podemos criar poções de cura, além das que melhoram temporariamente forças e resistências do grupo. Aqui, assim como na Taberna, depois de criar pela primeira vez a poção, ela fica liberada pra comprar somente com dinheiro.

Na Loja de acessórios podemos cria-los com os materiais das explorações e também segue o padrão da Taberna e do Botica, assim que criar a primeira vez, pode comprar diretamente com dinheiro.

Na Ferramentaria você cria novas ferramentas para extrair os materiais nas dungeons. Com ferramentas você consegue encontrar novos materiais que não encontraria antes.

Na Fazenda e no Pasto temos produtos produzidos na cidade e alguns deles só encontramos aqui, assim é sempre bom comprar algo neles caso queira liberar mais comidas na Taberna.

Exploração

Durante a exploração você tem livre acesso aos 3 personagens, podendo troca-los a qualquer momento (a não ser que esteja sofrendo algum status negativo). Existem 2 modos para essa troca:

  • Normal: Esse é o modo básico, aonde cada personagem fica amarrado a um dos botões e seus ataques são utilizados conforme aperta eles;
  • Simples: Aqui um botão fica especifico para ataque e outro para a troca dos personagens.

CJ é a mais rápida da equipe, conseguindo desferir maiores combos e esquivar mais fácil dos ataques inimigos.

Garoo é o mais forte deles, conseguindo bloquear ataques, usar ataques carregados, destruir certas pedras e até mesmo rebater certos objetos nas batalhas.

Isha é a maga do grupo. Enquanto ela é mais lenta e tem menor resistência, a sua flexibilidade entre os elementos e a possibilidade de flutuar por um pouco e realizar pequenos teletransportes deixa ela a par dos outros dois da equipe.

Uma coisa legal aqui é o esquema de ataque combinado. Ao atacar um inimigo e apertar a troca de personagem no momento certo, eles iniciam um combo que causa bem mais dano e deixa o movimento lento por alguns momento. Só que depois de usar uma vez, precisa esperar alguns segundos pra usar novamente.

A maioria dos materiais você consegue atacando pedras e arvores nos cenários, além de claro derrubado pelo inimigos, mas uma das exceções é a carne, que precisa colocar uma armadilha e ao sair da dungeon tem a notificação se conseguiu uma presa ou não.

Já na pesca você precisa acertar os comandos que aparecem dentro do tempo limite pra conseguir o seu peixe. Os comandos são aleatórios e a quantidade varia dependendo da qualidade do peixe pescado.

Na placas você pode salvar e viajar rapidamente dentro da dungeon que você está no momento, mas claro, somente nos pontos que você já liberou.

Alguns chefes e inimigos mais fortes tem uma barreira que é necessário destrui-la antes de causar dano mesmo neles e alguns chefes ainda só é possível causar dano no ponto fraco deles.

Extras

Quando você finaliza o jogo, ele cria automaticamente um save para fazer o conteúdo extra que libera nesse ponto do jogo, podendo assim completar tudo dele.

Fechei ele com quase 18h por que fui fazendo tudo que dava

Outro detalhe é que ao carregar o save novo, também libera o modo difícil, que aumenta bastante o nível dos inimigos e os seus danos. Você ainda pode alterar a dificuldade na base, caso ache que está muito complicado.

Conquistas

O que dá mais trabalho aqui é fazer todas as missões paralelas, é muita coisa

O jogo é até fácil, mesmo no difícil não dificulta tanto assim, mas fazer 100% nele é uma história bem diferente, pois ele cobra que melhore todos os equipamentos dos personagens e faça todas as missões paralelas, algo que tem em excesso nele. Entre as mais complicadas temos:

ConquistaDescrição
No One BetterChegar no nível 50 com algum dos personagens
A Local HeroCompletar a ultima cartela de carimbos

Conclusão

Eiyuden Chronicles: Rising traz um metroidvania que mistura RPG de ação, fazendo juz ao gênero, já que faz com que você retorne a vários pontos até ter as habilidades e equipamentos necessários pra avançar na campanha.

Os gráficos dele segue a proposta do jogo principal, trazendo ambientes em 3D com personagens e inimigos em 2D. De primeira temos a impressão de usarem o estilo de “jogos de flash”, aonde conseguimos ver as juntas dos sprites, mas essa ideia some rapidamente conforme avança no jogo e encontramos mais inimigos e acostumamos com o estilo do jogo.

As musicas, mesmo que não temos uma grande quantidade, são bem gostosas de ouvir durante as explorações e passeadas na cidade, enquanto as de chefes são bem agitadas pro momento.

A jogabilidade segue os RPG de ação em plataforma, tendo o detalhe do controle dos 3 personagens com uma rápida troca entre eles, podendo realizar combos e adaptar-se as situações conforme necessário, além de termos sistemas de criação de equipamentos e outros itens.

Único porem que eu realmente vejo no jogo é a quantidade excessiva de missões paralelas, que tomam um tempo extra desnecessário e muitas delas é literalmente conversar com um NPC, ir na área logo ao lado, conversar com outro NPC e retornar.

No geral, é um jogo bem gostoso que da uma prévia do que podemos esperar do jogo principal, o Hundred Heroes, dando uma entrada para a trama principal do jogo e dando aquele gostinho de quero logo ele ahahaha.

Um comentário sobre “Review / Tutorial: Eiyuden Chronicle: Rising