Review / Tutorial de Metal Tales Overkill

* Esta análise foi feita com o código cedido pela Zerouno Games (versão PS4/PS5)

Distribuidora: Zerouno Games
Produtora: Zerouno Games / Nuberu Games
Plataforma: PS4 / PS5 / Xbox One / Xbox Series S / Xbox Series X / Switch / PC
Mídia: Física e Digital
Ano de Lançamento: 2022

Metal Tales Overkill é um dual stick shooter rogue-lite com temática focada nos gêneros de metal.


WARRIORS OF THE WORLD

O demônio Kuk apoderou-se dos deuses do metal, convertendo fãs e músicas em zumbis controláveis.
Você assume o papel de um entre quatro guitarristas para enfrentar as hordas de monstros e fazê-los voltar às suas formas originais.

Cada personagem possui suas características próprias

A história é essa mesmo, simples mas funcional, apenas uma desculpa para você praticar seus riffs matadores (literalmente).
Você pode usar o R2 para disparar na direção desejada, escolhida com o analógico ou optar pelos botões com direções específicas: quadrado equivale à esquerda, triângulo acima, círculo à esquerda e x abaixo.

Inimigos derrotados com o poder do metal

Além dos tiros normais, você conta com amplificadores (R1), que servem como uma bomba, acertando inimigos em uma grande área, momento em que a música para de tocar (sem amplificador não dá, né?).
Upgrades temporários são utilizados com o L1, variando entre aumento do dano, velocidade, transporte rápido para outra área do mapa (ideal para fugas), etc.

A descrição dos itens geralmente é vaga… você vai descobrir para que serve ao usar
Uma pedaleira pode salvar a sua vida?

Conforme você derrota os chefes, ganha acesso a membros famosos de bandas dos diferentes subgêneros do metal, como Shav, o baixista (Shavo Odadjian, do System of a Down), que desacelera o tempo. Os summons são ativados pelo D-Pad e variam conforme as partidas.

Summons podem salvá-lo em momentos difíceis, especialmente nos chefes

Há ainda modificadores de ataque e velocidade para o personagem, mas você pode carregar apenas um por vez, então pense bem antes de trocar o item (especialmente se você achar o Super Muscle, um martelo prateado que mata praticamente todos os inimigos com um acerto).
As guitarras também podem ser trocadas (achadas em salas de presente ou compradas na loja) e afetam a velocidade dos disparos e sua força.

Escolha sua arma com sabedoria…

WAR ETERNAL

Os inimigos variam entre vários tipos de “metaleiros” (headbangers), passando pelo bêbado, o mosher e incluindo o screamer (que dispara um raio rosa pela boca) e possui um estilo Robert Plant de caminhar ou Ronnie, com sua roupa de motoqueiro e grito potente que acerta toda a área (claramente inspirado em Rob Ralford) e, claro, garrafas voadoras de cerveja!

Ao adentrar uma sala, você só poderá sair dela após derrotar todos os inimigos

As salas são geradas proceduralmente, passando por bares, shows abertos e, como não poderia deixar de faltar, o inferno.
Ao explorar o cenário, diferentes salas com funções específicas podem ser encontradas, como salas com presentes, lojas, salas com armadilhas e salas-desafio (você aperta o botão no chão e precisa sobreviver às hordas inimigas).

Salas-desafio derrotadas rendem baús com prêmios

Por se tratar de um rogue-lite, há uma série de upgrades que podem ser comprados conforme você realiza tarefas e acumula pontos, sendo usados sempre que morre, para comprar melhorias permanentes, como velocidade, dano, diferentes guitarras e mais itens para vender nas lojas.

O vendedor é seu amigo!

A sala com a grande caveira representa o chefe e há uma variedade deles: você não irá enfrentar todos em uma única run.
Os chefes são inspirados em diferentes vertentes do gênero, como o viking, o cara do black metal e o demônio propriamente dito.

A força do Folk Metal no Viking…
… e o poder do Black Metal!

EMPIRE OF THE CLOUDS

O gráfico de MTO é seu ponto fraco: os personagens não possuem muitos contornos, o que fica evidente nos closes.
A história é curta, mas contada através de quadrinhos, mas não espere nada profundo.

Um jogo com a temática não pode escapar das fases no Inferno

Já a trilha sonora é o ponto de destaque do jogo, contando com uma série de bandas mais undergrounds, como Nereis, Despite, Hyperion e Legacy Of Brutality.
Não há vocais (com exceção de algumas lutas contra chefes, o que até combina com o estilo do jogo, focando apenas na parte instrumental.

Conhecer novas bandas é sempre bom… abaixo a OST


PALHETANDO PLATINAS

A platina de Metal Tales Overkill não é particularmente desafiadora… ao contrário do jogo!
A maior parte dos troféus envolve completar determinadas fases e matar os chefes, além de morrer 100 vezes e gastar 100 moedas na loja.

Capturei as imagens com o Axel e acabei zerando com a Eve…

RESUMO DA ÓPERA DO SHOW:
Metal Tales Overkill é uma interessante experiência pelo mundo e estereótipos do metal.

O alto desafio é recompensado com uma ótima trilha sonora, além de inimigos e chefes inspirados em diversos clichês comuns ao fã do estilo musical (estou nessa lista).
A parte gráfica apresenta alguma defasagem, especialmente por tratar-se de um port do jogo original: Metal Tales Fury Of The Metal Gods, de 2016.

Os upgrades irão ajudá-lo em futuras runs

Apesar de algumas pequenas falhas, Metal Tales Overkill diverte com sua experiência frenética e rápida, enquanto você enfrenta hordas de inimigos zumbificados e desvia de vômitos, garrafas voadoras e gritos ensurdecedores.
Recomendado especialmente aos fãs do Metal!