Review / Tutorial: Gunvolt Chronicles: Luminous Avenger iX 2 (Atualização com DLCs)

Lola, a bot parceira do Copen na sua versão idol

Ola, aqui é o Pena e hoje vamos com um jogo de ação em plataforma bem agitado, o Gunvolt Chronicles: Luminous Avenger iX 2.

O jogo é produzido e publicado pela Inti Creates, dos quais já fizemos reviews dos jogos anteriores da série Gunvolt, do três jogos do Blaster Master Zero e do Bloodstained: Curse of the Moon 2.

Ele foi lançado principalmente na mídia digital, mas existe a versão física Asiática e Japonesa com Inglês e Português inclusas (além de outras línguas) e a pré ordem da versão americana está em aberto até dia 27 de Fevereiro na Limited Run Games. Todos os links estão mais abaixo no post.

Review feito em base da versão do PlayStation 4
(código cedido pela Inti Creates)

Titulo: Gunvolt Chronicles: Luminous Avenger iX 2
Produtora: Inti Creates
Distribuidora: Inti Creates
Gênero: Ação / Plataforma
Plataformas: PlayStation 4, PlayStation 5, Nintendo Switch, Xbox One, Xbox Series X, Pc (Steam)
Mídia: Física e Digital
Textos: Português, Inglês, Espanhol, Italiano, francês, Alemão, Japonês, Coreano e Chines Tradicional
Dublagem: Inglês e Japonês

Padrão com Inglês e Português
Limitada com Inglês e Português
Padrão com Inglês e Português
Padrão com Inglês e Português
Limitada com Inglês e Português
Padrão com Inglês e Português

História

Depois dos acontecimentos do primeiro Luminous Avenger, o mundo conheceu a paz depois de tantos anos de guerra. Nesse meio tempo, Copen encontra um equipamento que literalmente surgiu nas suas mãos e durante uma das manutenções um buraco negro aparece e suga ele, Lola e Kohaku, mandando eles para um outro mundo.

Lá eles encontram uma robo (aqui são conhecidos como “trabalhadores”) chamada Null e descobrem que aqui os humanos foram totalmente extintos. Depois de alguns meses de investigações eles encontram a Torre do Sepulcro, que tem todos os segredos desse local e uma possibilidade de retornar ao seu mundo original.

Luminous Avenger segue uma linha alternativa dos acontecimentos da série principal protagonizada pelo Gunvolt (não esperava uma continuação dessa linha), então não entrarei em detalhes pra não dar spoiler do primeiro jogo.

Gráficos

O efeito de corte transversal do “Megaman Zero” voltou aqui no iX 2

Como nos jogos anteriores e dos produzidos pela Inti Creates, temos gráficos em pixel art muito bem feitos e detalhados, tanto nos personagens e efeitos dos ataques, sempre dão uma boa caprichada nessa parte do jogo.

Pra entender melhor esse ponto sem vídeo, quando você ataca algum ponto do cenário, mesmo que o ponto não seja destrutível, ele fica danificado e assim como ocorria no Megaman Zero, agora você pode cortar no meio os inimigos e eles explodem em diversas partes que são espalhadas no cenário.

Durante vários pontos do jogo temos umas artes assim, muito boas

E também durante algumas partes da história temos umas artes em CG (sem ser em pixel art) de ótima qualidade pra expor o ponto do da campanha.

Copen no ASG2
Copen no LAiX
Copen no LAiX 2

E o Copen recebeu um belo upgrade no seu visual, principalmente se você comparar com os jogos anteriores, o visual mudou bastante e ficou bem mais intimidante.

Áudio

As musicas também agradam bastante e seguindo o estilo da série, ela varia entre as mais agitadas e de ação durante os estágios e batalhas de chefes misturando as canções de Idol da Lola durante as sobrecargas e mesmo que você não seja muito fã desse estilo de musica, elas são bem gostosas de ouvir.

Não encontrei as musicas do jogo no Spotify e nem no SoundCloud, mas achei uma pequena lista das musicas (mais das de idol da Lola) no YouTube, então da pra curtir as músicas enquanto termina de ler o review.

Pela primeira vez na série o jogo tem dublagens em inglês, mas também mantiveram as versões originais japonesas pra agradar ambos os gostos. Se preferir a versão japonesa, temos bons dubladores no time, entre eles:

  • Yuuma Uchida: Dublador do Copen desde o LAiX 1 e do Ypsilon nesse jogo, faz a voz do Aaron Wei da série Legend of Heroes e o Megumi Fushiguro no anime Jujutsu Kaisen;
  • Yumiri Hanamori: Dubladora da Kohaku, fez a voz de Seth do anime Radiant e Chiaya Misono do anime Rolling Girls;
  • Mayu Mineda: Duladora da Lola, faz a Tsubaki do jogo Shinobi Master Senran Kagura: New Link e a Millia do anime Peach Boy Riverside;

Jogabilidade

O jogo mudou alguns detalhes que variam bem a jogabilidade, mas ajuda bastante os novatos da série. Temos também como alterar os comandos conforme a nossa preferência, o que ajuda bastante a adaptação (ou readaptação se faz tempo que você não joga a série) dela.

Menu de Missões

Kohaku em versão pixel (entre outras versões) é um bônus posterior do jogo 😛

Aqui você escolhe qual dos estágios pretende explorar a seguir. Dessa vez o menu ficou bem mais simples e direto, já que a parte das customizações dessa vez ficaram direto no menu principal (que eu comento logo em seguida).

Na opção de “Missão” você escolhe diretamente o estágio pelo setor da torre e na frente do nome dele temos o símbolo que mostra quantas partes de emblemas você encontrou nele.

Caso já tenha concluído pelo menos uma vez o estágio tem a marcação de ✔️ na frente, dai fica fácil de verificar quais faltam.

Você também pode chegar quais foram as pontuações e tempo em cada um deles, pra aqueles que curtem um desafio e tentam as melhores posições.

Ao contrário do jogo anterior, nesse não temos escolha do “Kudo Mode” que tinhamos antes, então a escolha é direta do estágio e só tem esse placar dessa vez.

Ao escolher a opção “Conversar”, mostra uma pequena conversa entre os personagens. Além da interação deles, aumenta as chances da Lola ativar a técnica “Hino” caso morra durante uma missão.

Já em “Música” você pode escolher qual das musicas da Lola podem tocar durante as missões (dentro das que você já liberou, claro).

Menu Principal

O menu principal é dividido em algumas abas. Na primeira você tem acesso as “Armas EX” que você já adquiriu na partida e equipa-las, além de especificar um atalho pra acessa-la direto durante a partida sem ter que entrar no menu.

Na aba “Talentos” você pode comprar novas habilidades pro Copen com os cristais que você encontra nos estágios e desativar qualquer uma delas que não queria usar no momento.

Já na aba “Status” você tem uma visualização geral de como o Copen está, como o seu nível, quanto falta de experiência, quanto tempo de jogo e quantas missões você já concluiu.

A aba seguinte e a de “Sistema”, onde você pode mudar as configurações do jogo sem ter que voltar pra a tela titulo dele.

Missões

Assim como no LAiX 1, esse segue uma linha que lembra mais o estilo dos jogos do Megaman, mas dessa vez jogando com o Zero (em partes) e que a primeira vista ele parece “menos agressivo” que o primeiro jogo.

Nesse jogo Copen não usa os equipamentos de tiro do jogo anterior, trocando por uma arma que usa um tipo de serra que varia o tamanho dependendo da quantidade de ataques, mas todas em curto alcance. E caso você segure o botão de ataque durante o 1º ou 3º ataque, ele mantém o ataque, causando mais dano.

Mantiveram o dash aéreo, mas agora não tem como fazer mais de um antes de tocar no chão, mas caso consiga acertar um inimigo assim, você marca o inimigo e consegue atirar serras nele, causando bastante dano consecutivo enquanto a marca manter.

O dash também serve pra “quicar” entre as paredes e ter uma movimentação bem mais rápida em locais estreitos. É um pouco difícil de se acostumar, mas vale bem a apena o seu uso. Também pode escalar a parede normalmente, caso precise de mais precisão.

A habilidade de planar funciona no modo normal também

Conforme você ataca os inimigos, acumula os Kudos (a pontuação que aparece no canto esquerdo). Caso chegue a 1000 Kudos, Lola ativa o “Modo Sobrecarga”, começando uma canção e ativando diversos bônus pro Copen. É nesse momento que a agressividade do primeiro LAiX retorna, já que agora você consegue ativar vários Dashes aéreos e formar mais combos e acumular bem mais pontos, o que meio que força o jogador agora a tentar manter esse modo.

Dessa vez a Lola tem uma técnica de cura, que é utilizável a qualquer momento e ilimitadamente. Claro, tem um “pequeno preço”, que é a transferência dos Kudos para a pontuação final assim que ativada. Então se você estiver com o “Modo Sobrecarga” ativado, ele é desativado na hora, mas é melhor do que morrer, não? XD

A outra técnica é o “Redemoinho Colossal”. Aquele eles ativam um ataque extremamente forte na tela toda e caso derrote algum chefe ou sub-chefe com ela, ganha uma quantidade considerável de Kudos. Mas pra essa técnica tem um porem, além de converter os Kudos em pontos, você precisa ter a barra de energia do especial cheia pra ativar (é aquela barra em cima do circulo que marca a Arma EX ativa no momento).

No melhor estilo Megaman de ser, quando você derrota um chefe, você recebe o especial dele, com umas modificações da Lola (um toque especial dela, com ela mesmo diz haahah) e a utilização delas pode variar um pouco se você tem um inimigo marcado ou não. Independente de como for utilizada, cada arma tem uma barra de energia própria e como nesse jogo não temos itens que recupera vida ou energia das armas, elas recarregam automaticamente depois de um tempo sem utiliza-las, mas precisa ter ela ativada pra ela recarregar.

A Lola avisa quando uma Arma EX é eficiente

E claro, seguindo o padrão, cada chefe tem uma fraqueza contra alguma das armas, mas nem sempre deixam eles paralisados, então você precisa se adaptar nos combates.

Aquele “X” é um check point, que caso você morra no estágio, retorna dali. Ao ativa-lo, ele recarrega toda a vida e barra do especial do Copen, mas faz com que a contagem de Kudos seja transferida pra a pontuação direto, então depende muito de como você joga a utilização deles.

Essas barreiras são pontos que precisam ser destruídas pra seguir pro próximo ponto do estágio.

Esses são os emblemas que você encontra nos estágios, sendo que quando existem eles, cada um deles tem 4 partes escondidas. Pegar eles da 500 Kudos, o que vale bem a pena caso esteja querendo ativar logo o “Modo Sobrecarga”.

Caso você morra, tem uma pequena chance de ativar o “Hino”, aonde Lola ativa o modo mais forte dela. Além de te ressuscitar, vários bônus são ativados, como uso das EX Armas infinitamente, mas tem um preço também, já que não é mais possível acumular Kudos e automaticamente, não recebe mais pontos, o que afeta o seu rank final da missão.

Deixa eu me vangloriar, foi o único rank X que eu consegui, tá hahahaah

No final da missão, além de receber a arma do chefe (caso seja a primeira vez que tenha derrotado ele), você recebe uma pontuação geral e um bônus / penalidade dependendo do seu tempo de conclusão, recebendo um rank que varia entre C, B, A, S e X. Isso só é importante caso esteja preocupado com pontuação e caso tenha uma técnica que te da pontos de melhoria dependendo do rank alcançado, fora isso não afeta a sua partida.

Alguns detalhes e comparação ao primeiro LAiX de coisas que não temos mais nesse jogo:

  • Não tem mais a proteção dos bots contra os ataques inimigos;
  • Não temos mais acesso ao especial Berserk da Lola;
  • Sem itens de cura nos estágios;
  • Não temos mais diferentes Kudo Mode, não perdendo a pontuação quando toma dano (excluindo caso ative técnica para isso);
  • Não temos mais o Prevasion automatico (evita dano), mas tem uma técnica que ao liberar tem um funcionamento parecido, mas não impede todos os danos;
  • Não tem mais contagem de munição por usar outros tipos de técnicas.

Extra

Depois que você finaliza o jogo libera batalhas diretas com os chefes e também um boss rush, tudo isso dentro do save finalizado. Tem alguns prêmios nessa parte, o que eu deixo pra você descobrir quando jogar.

Também temos o MODO DIFÍCIL, só que ele é secreto e tem uns detalhes extras dele que eu não vou entrar em detalhes pra não estragar surpresas, mas esse modo é BEM DESAFIADOR, já que nele temos as seguintes variações:

  • Agora temos vidas nos cenários e perder todas faz com que você retorne pra a seleção de estágio;
  • Não tem mais a cura infinita da Lola;
  • Não sobe de nível;
  • Não tem as melhorias do Copen;
  • Não tem os emblemas;
  • Receber dano ZERA a contagem de Kudos;
  • Os chefes causam bem mais dano e tem padrões novos de ataque.

DLCs

Kohaku do Cogen usa várias das suas habilidades do jogo de origem

Dia 10 de fevereiro o jogo recebeu a sua primeira DLC, adicionando uma batalha contra Kohaku, a protagonista do jogo Cogen: Sword of Rewind. Essa é uma DLC colaborativa, já que Copen é um personagem de DLC no jogo dela.

E agora dia 24 de fevereiro será lançada a segunda DLC colaborativa, dessa vez enfrentamos a Yang Yumo, protagonista do jogo Dusk Diver 2, que ainda não foi lançado, mas você encontra um review do primeiro jogo aqui.

A terceira DLC colaborativa já está a caminho, dessa vez trazendo Jason Frudnick, o protagonista da trilogia “Blaster Master Zero” feita pela Inti Creates, que você encontra o review deles aqui.

Copen é um personagem de DLC do segundo jogo dele, o que faz esse retorno colaborativo já esperado, mas ainda assim bem agradavel.

A quarta DLC colaborativa anunciada é a da Kurona, a diabinha da série Gal*Gun Double Peace, que são os jogos de tiro pervertidos da Inti Creates ahahahaha.

Conquistas

Demorou, mas saiu a platina. O modo difícil é insano…

Enquanto o jogo base é relativamente fácil, principalmente se compararmos com os jogos anteriores, fazer toda a lista de conquistas será uma coisa extremamente trabalhosa, por mesmo que não seja muito grande e boa parte deles são coisas de história ou ações que você faz com facilidade, tem umas conquistas que vão fazer você perder os cabelos (ou o que sobrou deles hahahaha). Entre os mais complicados temos:

ConquistaDescrição
Break Through the ApeXFechar o jogo no Modo Difícil
High Speed ActionFechar o jogo em menos de 60 minutos
Song That Transcends WorldsConseguir todas as músicas da Lola

Conclusão

Liminous Avenger iX 2 traz mais um jogo de ação bem agitado, mas que ainda assim é bem mais amigavel para iniciantes da série, mas não deixa de lado os que já conhecem ela e preferem um desafio extra.

Os gráficos estão muito bonitos, tantos nos pixel arts do jogo como nas CGs que aparecem durante alguns pontos da campanha, seguindo o estilo anime nas suas artes.

As musicas variam entre as mais agitadas e as de Idol da Lola, mas são bem gostosas de ouvi. Enquanto ele mantém a dublagem japonesa, pela primeira vez temos dublagem em inglês pra aqueles que preferem as conversas dessa maneira.

A jogabilidade em si teve bastante mudança em comparação ao primeiro jogo, mas ainda continua bem divertido com bastante variedade nas partidas e deixa uma abertura pro pessoal que quer tentar desafios por conta ou disputar pontuações a vontade, assim agrada diversos tipos de jogadores.

No geral, se você gosta de jogos de plataforma que LEMBRAM os do Megaman se ser uma cópia na cara dura, tanto esse jogo como os outros da franquia são uma excelente pedida pra passar o tempo nas explorações e ação do jogo.