Review / Tutorial: Godstrike

Voltando para o intuito de jogos de arena e boss rush, temos Godstrike, que tem elementos de bullet hell com uma mecânica um pouco diferente em alguns aspectos que irão desafiar sua agilidade…

Desenvolvido pela OverPowered Team e publicado pela Freedom Games, foi lançado primeiro para PC e Nintendo Switch e posteriormente para Playstation 4 e Xbox One, vamos então ver o que esses jogo nos traz em desafio???

Freedom Games (site oficial)

Lançado em 2020, o Freedom Games foi fundado por Donovan Duncan e Ben Robinson, ambos veteranos da indústria em videogames e mídia. Jogadores de longa data, eles criaram Freedom Games com uma única visão: fornecer suporte a desenvolvedores independentes onde era mais necessário e ajudá-los a dar vida a jogos exclusivos.
Freedom Games baseia-se na ideia de parceria. Estamos aqui para apoiar os desenvolvedores, apresentando seus jogos a novos jogadores, e para ajudar os jogadores, dando vida a experiências de jogo incríveis.
Formada por uma equipe de jogadores ávidos com décadas coletivas de experiência na indústria de jogos, a Freedom Games está aqui para ajudar os desenvolvedores a tornar seus jogos uma realidade para jogadores de todo o mundo.
Este não é o nosso trabalho, é a nossa paixão.

OverPowered Team (site oficial)

OverPowered Team é uma desenvolvedora de jogos independente com sede em Madri, fundada por amigos da faculdade. Eles se esforçam para criar títulos que expandam gêneros familiares com uma mecânica única e arte colorida. Godstrike é o título de estreia do estúdio. Eles também são responsáveis pelo roguelike tático, Ruin Raiders.

Código cedido para review pela Freedom Games, versão Playstation 4

Nome: Godstrike
Gênero: Shoot’em Up (subgênero: Arena / Boss Rush / Roguelike)
Desenvolvedora: OverPowered Team
Distribuidora: Freedom Games
Plataformas: Playstation 4, Xbox One, Nintendo Switch, PC
Lançamento: 2021 (15 de abril NSW / PC, 14 de outubro PS4 / XB)
Mídia: Até o momento do review, apenas digital

Tela Título

História / Enredo

Gráficos

O jogo conta com um estilo de cellshader e texturas mais suaves e paletas de cores mais variantes. As luzes são com efeitos tridimensionais e com alto nível de brilho fazem um bom contraste à simplicidade imposta nos gráficos.

Som / OST

Usando a engine FMOD, é composta por arranjos orquestrais e com algumas temática tribais, os ritmos acelerados e lentos destoam bem com cada tipo de chefe e padrão deles, deixando o jogo com uma agradável trilha sonora. Composta pela Red Forge, eles também trabalharam em 8 Days e POMG.
O compositor de fato é Elías Fraguas.

A trilha sonora foi disponibilizada pela própria Red Forge no Spotify.

Jogabilidade

O jogo conta com um esquemático simples, onde usa os triggers e shoulders do controle para o uso das técnicas, além de usar o estilo “dual stick” para atirar….
Para os que preferem botões de ação, é possível usar os 4 botões, combinando-os para a direção que for preciso diagonalmente.

Sistema de Jogo

Talaal deverá enfrentar seus adversários em uma série de batalhas 1v1 / arena, com padrões variantes conforme mudar suas fases e com tempo cronometrado.

A Última Arauto

Talaal tem como poder, o uso de magias, direcionadas em sentidos octagonais e com uma cadência média alta.

Os chefes não tem pontos fracos específicos, ou seja, o tiro precisa apenas atingi-los de forma direcionada e sem muitas complicações (em algum aspecto xD).

Os chefes entretanto podem ter mais de 1 padrão, dividido em fases.
Ao derrotar uma fase, o jogo irá mostrar uma pequena animação que irá mostrar a nova forma do chefe, com novos poderes e padrões.

O tempo está contra você…

Um dos diferenciais do jogo está na mecânica regressiva do tempo, além de ele ser usado para outras coisas que veremos no decorrer do review / tutorial…
Sim, você terá uma quantia X de tempo para derrotar todos os inimigos, entretanto, há dois aspectos que irão definir o destino de Talaal:

Perda de vida = perda de tempo : ao ser atingida, o tempo é diminuído de acordo com o poder do chefe que está lutando, sendo progressivo em cada uma de suas possíveis fases.

Último Momentum: porém, ao ser totalmente extinguido, o jogo lhe permite dar seu último momento, ficando com o cenário em preto e branco e aguardando a sua morte, que virá a partir do último dano levado nessa condição.

Habilidades podem ter um preço, ou não…

A cada inimigo derrotado, Talaal ganhará um poder para usar nas batalhas e uma habilidade passiva para equipar, aqui é onde entra o aspecto roguelike, pois é RNG.

Habilidades Ativas tem 2 fatores cruciais para suas estratégias.

São 4 slots para equipar 10 possíveis poderes gerados.

Talaal junta almas (orbes azuis flamejantes) nos combates, essas almas ficam sinalizadas nas barras azuis entorno dos ícones.

Entretanto, cada habilidade equipada irá descontar quantidades variadas do seu tempo total para as batalhas, já na ativação, haverá apenas um tempo de ativação e não interfere no seu tempo de vida durante o uso. Ainda é possível combinar mais de 1 poder ao mesmo tempo, portanto use com sabedoria os combos certos para ter grande vantagem no seu combate.

Para as Habilidades Passivas, você também terá 4 slots, entre 10 possíveis.

Já para as habilidades passivas, não há custos de tempo para equipa-las e nem para usa-las. As habilidades já são naturalmente ativadas no momento que ocorrem as batalhas. São sinalizadas pelos ícones abaixo da barra de tempo.

Maldições / Bênçãos

As maldições e bênçãos são nada mais, nada menos que modificadores de jogo para Talaal, podendo ajudar ou atrapalhar…

Uma Talaal Versátil…

São 40 habilidades possíveis para descobrir enquanto jogar, sendo 20 ativas e 20 passivas.
A possibilidade de fazer builds poderosas é vasta, porém depende muito da sua sorte de acordo com o RNG imposto no seu jogo, mas acredito que se você se empenhar, conseguirá montar tática e build perfeita.

Modos de Jogo

O jogo conta com um modo história que pode ter dois finais, sendo o modo mais padrão.
O modo arena permite você treinar contra um específico chefe e testar as habilidades.
O modo desafio diário é uma série de 5 dos chefes escolhidos de forma aleatória e 1 tentativa apenas, com modificadores de jogo aleatórios.
O modo desafio é o mesmo que o diário, porém com possibilidade de salvamentos ou mais de uma tentativa.

Troféus / Conquistas

Dificuldade: 5/10

Troféus em efeito de mosaico por serem de natureza oculta…

A platina exige um pouco de habilidade e persistência, baseada em aspectos de tentativa e erro, além de decorar os padrões dos inimigos. De forma resumida, você precisa:

  • Zerar o jogo e fazer os dois finais…
  • Vença um modo Desafio normal
  • Use todas as habilidades
  • Vença um chefe na condição de último momentum
  • Vença um chefe sem receber dano
  • Vença o Desafio Diário por 5 dias seguidos
  • Morra 10 vezes
  • Pegue 50 almas
  • Vença um chefe sem habilidades ativas e passivas
  • Termine o tutorial

Considerações Finais

Graficamente, apesar de texturas simples, o jogo tem efeitos de luz admiráveis. O design dos inimigos são os mais variados possíveis, desde elementos da natureza até inimigos mecânicos. A criatividade em cada formato de fases dos inimigos é notável.

A trilha sonora é um dos pontos fortes do jogo, na minha opinião. As músicas fazem jus às batalhas dos inimigos e, apesar de ser um número pequeno em músicas, todas são minimamente variadas. Tendo em vista que é um jogo sem dublagens, obviamente o foco maior foi na conquista de agradar pelas músicas.

A jogabilidade é confortável, mesmo que para os jogadores que prefiram os botões de ação. O ritmo rápido das batalhas e a precisão de uso das habilidades em criar os combos trabalham de forma condizente com o ritmo do jogo.

A performance é plenamente satisfatória, sendo fixa em 60fps no PS4 FAT, sem variação nos frames, independente da quantidade de tiros e projéteis na tela, mostrando um desempenho otimizado.
Não houve fechamentos repentinos independente do tempo que o jogo estava sendo executado.

A duração do jogo varia muito com suas habilidades no estilo do gênero. Para os mais acostumados, o jogo demora em torno de 3 horas e meia para completar o modo história, já que o plot é mais limitado e não há cenas muito extensas.
O desafio por sua vez é algo que irá destoar essa duração, em contraponto, se não for acostumado, perderá boas horas pelas suas tentativas e erros, até pegar os padrões dos chefes e aprender os melhores setups para Talaal.

De forma resumida, Gostrike é um jogo perfeito para os amantes do gênero BOSS RUSH e BULLET HELL com inovação em BUILDS, a mecânica de tempo contar como sua resistência / agilidade torna a inovação para o gênero algo criativo, saindo um pouco da dificuldade de tiro instant kill, desafiando de forma gradual os seus reflexos.
Independente do seu estilo de jogo, seja um novato ou um experiente, tente construir builds variadas e baseadas nas suas tentativas. Se ficar algo difícil demais ou que incomode, tire um tempo pra si, dê uma pausa, faça outra coisa, pois esses jogos irão desgastar seus sentidos e reflexos conforme jogar em questão de minutos, já que são batalhas seguidas em curto tempo.