Review / Tutorial de Donuts’n’Justice

* Esta análise foi feita com o código cedido pela Ratalaika (versão PS4/PS5)

Distribuidora: Ratalaika
Produtora: FobTi Interactive
Plataforma: PS4 / PS5 / Xbox One / Xbox Series S / Xbox Series X / Switch / PC
Mídia: Digital
Ano de Lançamento: 2021

Donuts’n’Justice é um shooter sidescroller sobre uma dupla de detetives combatendo o crime nas ruas.

Crime e corrupção infestam as ruas de uma cidade nos anos 80, com vilões perseguindo cidadãos e espalhando o caos.

Não esqueça de comprar os chapéus com o dinheiro coletado

Você incorpora um entre dois detetives (Mike Riggs e Nick Gordon) e precisa vencer hordas de bandidos sozinho ou acompanhado de um amigo via coop local.

Os comandos são simples: com O você atira para a direita e com X você atira para a esquerda; Quadrado serve para arremessar granadas.

Efeito de distorção da rosquinha verde

Chuvas de tiro varrem as ruas.
Rosquinhas verdes desaceleram o tempo, ajudando a evitar os tiros; as rosquinhas rosas recuperam a vida e a lata de chantilly aumenta a potência dos tiros.
Moedas e notas de dinheiro ajudam na pontuação e servem para comprar chapéus no menu inicial (alguns com bônus úteis no combate).

Barris rolando pelas ruas (que podem explodir ao toque) podem servir tanto de arma quanto de armadilha.
Civis em perigo não podem ser acertados pela sua munição, mas… eles bloqueiam os tiros!

O modo Boss Rush é habilitado após finalizar o jogo

Caixas de granadas para recarregar o estoque e caixas de itens misteriosos dão novas armas.
Conforme aumenta a pontuação, novas armas são desbloqueadas e irão surgir aleatoriamente das caixas.
Pistolas, bazucas, metralhadoras, submetralhadoras, escopetas, rifles de precisão e lança-chamas estão disponíveis no arsenal, com munição limitada; a pistola base possui munição infinita, mas baixo poder de fogo.

Bônus e upgrades brotam dos inimigos… junto do sangue

Os inimigos são temáticos com as fases: motoqueiros com coquetéis molotov, chineses portando espadas, punks, homens de terno (homens?) com armas laser e… rosquinhas alienígenas!
Sim, rosquinhas alienígenas querendo acabar com a sua vida.
Há ainda uma fase bônus de carro, onde você persegue um furgão.

Ninjas e anos 80: uma combinação infalível

Já os chefes variam entre um líder de gangue, um ninja (ah, os anos 80!), uma dupla de brigões com visual de luta livre, uma gosma verde (?) e, claro, a rosquinha dominadora.

O coop local marca presença

O gráfico simples de DnJ é colorido e claro, ajudando na visualização dos disparos.
Os cenários são detalhados e passam por uma estação de metrô, as ruas de Chinatown, uma nave espacial, entre outros.

A trilha sonora é marcante, com uso de chiptune.
Os temas combinam com os cenários e grudam facilmente no cérebro (a música de Chinatown é inesquecível… talvez por eu ter morrido e repetido a fase tantas vezes); as lutas contra chefes possuem tema mais heavy metal, bastante característico.

A platina segue o padrão Ratalaika, pedindo que você zere o jogo e concede um troféu por fase, além de um troféu para cada chefe derrotado.
Comprar um chapéu e desbloquear a primeira arma completam o set.

RESUMO DA ÓPERA:
Rápido e divertido, Donuts’n’Justice faz homenagem aos filmes e séries dos anos 80, com policiais (ou seriam detetives?) cheios de estilo e mestres na troca de tiros.

A jogabilidade simples e o alto desafio dão ritmo às hordas de inimigos, com rosquinhas e outros upgrades saltando nos cenários.
Por fim, as rosquinhas resolvem se vingar dos policiais (através da violência, não do colesterol e da diabetes).

Mais uma prova da abdução de Elvis!

Uma diversão descompromissada e leve, Donuts’n’Justice relembra os policiais oitentistas de Hollywood, usando o clássico terno branco Miami Vice e permitindo o jogo em dupla.

Prepare-se para detonar algumas rosquinhas… na base do chumbo!