review / Tutorial: Märchen Forest: Mylne and the Forest Gift

Ola, aqui é Pena e hoje venho com um jogo que tem toda a cara do “kawaii-desu“, mas que pega pesado na exploração, o Märchen Forest: Mylne and the Forest Gift.

Esse é o jogo de estreia da PrimaryOrbit, sendo publicado pela Clouded Leopard Entertainment, do qual já fizemos o review do Wing of Darkness e é responsável pela publicação de vários jogos no território asiático, tal como o OneeChanbara Origin e da série Legend of Heroes.

Esse jogo teve um lançamento inicial mais simples e só ia até a segunda parte do jogo (no review eu entro em detalhes das separações do jogo), mas esse review é feito no jogo final, com todas as partes e melhorias gráficas em comparação ao original. Como não joguei a versão anterior, só conheço sobre essa por pesquisa, não entrarei nesse ponto no review.

Review feito em base da versão pra PS4
(códigos cedidos pela Clouded Leopard)

Titulo: Märchen Forest: Mylne and the Forest Gift
Produtora: PrimaryOrbit
Distribuidora: Clouded Leopard Entertainment Inc.
Gênero: Dungeon Crawling / Batalha em tempo real
Plataformas:
PlayStation 4, Nintendo Switch e PC
Mídia: Digital e Físico
Textos: Inglês, Japonês, Coreano, Chinês Tradicional e Simplificado
Dublagem: Japonês

Link pra importação da versão física japonesa (contem inglês):

História

No jogo acompanhamos Mylne, uma garotinha com orelhas de gato que vive numa floresta encantada junto com o seu avô, um profundo conhecedor de alquimia.

Sua vida é bem tranquila nesse floresta, convivendo com diversas espécies diferentes e aprendendo a criar poções por alquimia com os ensinos do seu avô.

Mas isso muda depois que uma caverna misteriosa é descoberta nos fundos da floresta, aonde uma dungeon cheia de mistérios e perigos lhe espera.

Enquanto a premissa inicial do jogo é bem simples e infantil (caso já não tenha reparado pelo estilo de arte do jogo), a ultima parte do jogo pega um pouco mais pesado em certos pontos, mas claro que eu não vou entrar nos detalhes pra não estragar as surpresas, mas ficou interessante o desenrolar da história.

Gráficos

O jogo todo é em 3D puxando pro estilo chibi de animes, com personagens pequenos e sem certas proporções, deixando o conteúdo do jogo com uma cara mais infantil.

Quem pegou a referencia, pegou XD

Mesmo que os gráficos do jogo sejam mais simples, é possível ver que eles prestaram bastante atenção nos detalhes do jogo, além de ter uns ataques legais que puxam os de animes.

Mas não ache que por que o jogo é todo “kawaii-desu” que ele fica bonitinho pra sempre, tem uns locais do jogo que eu não esperava que tivesse os designs de dungeon que fizeram, muda completamente o ambiente, mas isso eu vou evitar de mostrar pra evitar os spoilers, esses pontos valem a pena ver por conta.

Áudio

As musicas do jogo from feitas por Matthew Steed, seguindo o mesmo estilo dos gráficos, começando bem bonitinhos e cômicos, mas conforme avança na campanha elas tornam-se macabras, isso sem contar que tem umas cantadas bem gostosas de ouvir.

Infelizmente não achei a OST do jogo completa pra compartilhar, então segue o tema de batalha de chefe que achei no Soudcould pelo próprio autor.

Todas as conversas do jogo são dubladas, mas apenas em japonês, o que mantém o clima anime do jogo. Dentre o time de dubladores, vale comentar as duas principais:

  • Ayana taketatsu: Dubladora da Mylne, faz a Shirley Orlando na série Legend of Heroes e Leafa / Suguha Kirigaya da série Sword Art Online;
  • Kanon Takao: Dubladora da Rosetta, faz a Noelle do Genshin Impact e a Hermit Mio do Edens Zero;

Jogabilidade

O jogo no geral é um dungeon crawler com batalhas em tempo real, mas ele tem 3 divisões de jogo bem distintas, que precisam ter comentários separados pra entender melhor o jogo.

Parte 1 – O dia a dia na floresta

A primeira parte do jogo é focada no aprendizado de alquimia com o avô da Mylne, aonde ela precisa encontrar ingredientes na floresta pra criar novas poções.

Enquanto a premissa lembra bastante os jogos da série Atelier, como desenvolve aqui é bem mais simples e direto, simplesmente encontrando e entregando esses ingredientes pra criar as poções, tudo junto e misturado mesmo, tendo somente uma parte que precisa selecionar bem os ingredientes.

O todo da casa depois que você consegue fazer tudo fica assim

Essa primeira parte pode assustar alguns jogadores pois na verdade não tem muito haver com o que ocorre no resto do jogo, mas se você passar essa parte (que dura coisa de 2 horas se você fizer tudo direito), já da pra avançar aonde realmente o corre a ação do jogo, na caverna.

Pra encontrar os ingredientes, você precisa vasculhar a pequena área da floresta que você tem acesso e conversar com os NPCs, precisando resolver alguns pequenos problemas pra assim avançar na história.

Durante esse período, temos algumas ações pra realizar, tal como ajudar no treinamento do pinguim pra ele se declarar pro seu amor. Pra isso, basta falar pra ele o que ele deve treinar (as asas ou as pernas) e deixar ele treinando. Quando tiver num nível satisfatório, mande ele se declarar pra ver o resultado.

Também tem um jogo de perguntas e respostas sobre cogumelos. Todas as informações ali são verdadeiras e se conseguir responder todas as respostas, consegue itens pra usar na campanha.

Tem também uma parte de pesca, bem simples e direta, mas ainda assim vale a pena comentar. Você joga a isca e assim que ela for fisgada e afunda, aperte o botão de confirmar pra iniciar a batalha contra o peixe.

Depois só precisa apertar os botões que aparecem na tela pra conseguir pescar de vez o peixe. Você pode vende-los com o pescador perto do local de pesca e comprar novas varas.

Durante essa parte do jogo, você só consegue salvar na casa do seu avô. Também pode dormir na cama pra avançar um pouco o tempo interno do jogo.

Parte 2 – A Curiosa Caversa

Passando a primeira parte do jogo que entramos finalmente no jogo de verdade, a exploração da caverna escondida na floresta. Aqui que ocorre toda a ação do jogo.

O jogo tem duas dificuldades, Fácil e Difícil, nada de meio termo. Enquanto o começo é bem mais tranquilo, as partes mais avançadas dele são bem complicadas, então não tenha vergonha de ir no fácil caso esteja apanhando muito.

Menu

Eu não entrei em detalhes do menu na primeira parte do jogo por simplesmente não precisar (você tem acesso, mas não muda muita coisa). As opções no menu vão aparecendo conforme você avança na campanha, então não estranhe se nem tudo estiver livre.

Na opção Inventory você tem acesso a todos os itens que você recolheu e eles ficam divididos pelas categorias que eles pertencem, mostrando cada categoria conforme adquire algo dela.

Nessa parte, os mais importantes são:

  • Potions: todos os potes criados e encontrados ficam aqui, que servem pra recuperar vida ou outros efeitos diversos;
  • Ingredients: Qualquer ingrediente usado nas poções ficam listados aqui;
  • Exploration Materials: Qualquer item que ajuda na exploração da caverna ficam ai;
  • Foods: todas as comidas, tanto as já preparadas como ingredientes, ficam aqui.

Em Equipment você tem acesso aos seus equipamentos. Mylen pode equipar 4 tipos diferentes:

  • Arma: O tipo de cajado que ela utilizaram em batalha;
  • Armor: Essas, além de aumentar a defesa, as vezes aumentam outras caracteristicas junto;
  • Acessories: Os efeitos são variados, indo desde aumentar HP, comida e outras caracteristicas;
  • Head Parts: Também tem efeitos variados, mas esses mudam a aparência da Mylen.

Em Sword Arts, você pode rever qualquer técnica que já aprendeu pra relembrar os comandos.

Locais da Caverna

Antes de se aventurar na caverna, é bom se preparar bem pra não morrer a toa. Faça uma visita aos locais que são liberados conforme avança na exploração pra te facilitar a vida.

A loja da Rosetta utiliza nozes como moeda de troca

Na Loja da Rosetta você pode comprar e vender itens e equipamentos utilizando as nozes (Acorn) que você adquire nas batalhas e explorações. Não há muito segredo aqui.

Pena que esse mapa não nos leva para um tesouro XD

Ela também identifica qualquer relíquia desconhecida que você encontre na exploração gratuitamente, bastando conversar com ela. Essas relíquias servem apenas pra vender e ela tem um controle do que você já encontrou. De uma lida no livro dela, tem uns comentários engraçados e algumas curiosidades, principalmente pro pessoal que manja das referencias de jogos e animes ahahahah.

Nosso amigo Pardal Ronin te ensina técnicas de espada (mesmo que Mylen utilize um CAJADO como arma XD), o que vai te ajudar bastante nas batalhas.

Mas claro que nada é de graça, pra ele te ensinar você precisa dar comida pra ele. Mas não pense que ele aceita alpiste, ele tem um paladar mais refinado e só aceita Sushi XD. Dependendo do tipo que ele comer, você ganha uma quantidade variada de Sushi Points.

Com a quantidade necessária de Sushi Points você pode aprender as técnicas do jogo. Mas além dos pontos, você também precisa adquirir alguns livros com as técnicas e estar num nível necessário pra aprender o melhorar a sua utilização.

Depois que você encontra o primeiro caldeirão do jogo, você consegue criar as poções na sala inicial da caverna. Pra criar elas basta selecionar qual poção quer fazer e se tiver os ingredientes, aceitar pra cria-las, não tem muita variação aqui.

Durante essa parte do jogo, você pode voltar pra a floresta caso queira pescar, mas não terá muita necessidade nesse ponto do jogo, ao menos que queira pegar peixe pra vender e conseguir algum equipamento. O save da casa continua funcionando, mas agora tem também um save na entrada da caverna.

Exploração

A visualização durante a exploração é por cima, pra ter uma base melhor do que tem atrás das paredes, é um pouco estranho inicialmente mas realmente facilita. Enquanto estiver nas cavernas, você precisa prestar atenção na comida (Food), que é a energia da Mylne. Conforme você explora, vai gastando esse energia e caso chegue a zero, começa a perder HP até morrer. Você pode recuperar comida comendo alguma coisa do seu inventário.

Um detalhe extremamente importante: Uma vez que você inicia a exploração, não tem como retornar pra a superfície de modo normal (explico posteriormente como retorna) e nem voltar pra certas áreas já exploradas, então tenha certeza que fez tudo que queria antes de seguir pra a próxima área.

A diversas portas e armadilhas no jogo e, enquanto o jogo não é um rogue-like só com mapas aleatórios, existe sim partes aleatórias, como conteúdo dos baús e certas armadilhas. Esse botão pode tanto abrir uma porta como ativar uma armadilha, mas se você usar o drowning rods, tem um efeito visual pra te facilitar.

Existem 2 tipos de baús:

  • Marrons: esses sãos os normais, estão destrancados, basta interagir com eles pra abrir;
  • Dourados: esses estão trancados. Pra abrir eles, você pode usar uma Magic Key (tem uma chance de quebrar, mas não é sempre) ou forçar ela. Caso force e falhe, perde o item.

Pra abrir algumas portas você precisa de chaves especificas, mas essas você só encontra na caverna durante a exploração, nada de comprar na loja da Rosetta.

Em alguns pontos específicos do jogo você encontra acampamentos. Eles servem como check points, podendo retornar pra a exploração a partir desses pontos e também da pra preparar comida neles. Que nem as poções, basta escolher qual comida quer fazer e se tiver os ingredientes, aceitar.

Pra escapar da caverna só existe algumas poucas maneiras:

  • Morrendo ou usando o Escape Flask: Nessas duas opções, você volta pro inicio da caverna, mas perde qualquer item não identificado que tenha no inventário, independente de ser relíquia ou equipamento;
  • Usando a Escape Rope ou pagando o Corpse Cab: Se você utilizar uma dessas opções, você retorna para o começo da caverna mantendo todos os seus itens. mas claro que ambos são um pouco mais caros, mas vale a pena;
  • Plataformas: Ao finalizar uma camada e chegar na próxima, existe uma plataforma que te permite o retorno para a superfície, mais precisamente para loja da Rosetta. Não há nenhum gasto extra assim.

Independente de qual a maneira usada pra retornar, você não perde dinheiro, itens normais ou experiência adquirida, o que facilita bastante a exploração do jogo.

Batalhas

As batalhas do jogo ocorrem de maneira aleatória, mas pelo menos o índice de ocorrência não é muito grande, da pra explorar com mais tranquilidade.

As batalhas são em tempo real, sempre contra apenas um inimigo, então você não precisa se preocupar com outros elementos e apenas se focar nos movimentos dele.

Durante as batalhas, você tem 3 comandos básicos:

  • Attack: Desfere um ataque físico com o cajado;
  • Defend: Entra em posição defensiva por alguns momentos, diminuindo o dano recebido. Se utilizado no momento certo, pode evitar totalmente o dano e desequilibrar o inimigo (somente certos ataques, entro em detalhes posteriormente);
  • Evade: Esquiva dos ataques dos inimigos;

Pra usar os combos que você aprendeu com o Pardal, tem que apertar o botão certo da técnica no momento que aparecer o “Combo Chance”.´ Isso é rápido, então precisa treinar um pouco.

Enquanto esquivar pode parecer a melhor opção para evitar os ataques, não é bem assim que funciona. Os ataques inimigos entram em quatro categorias:

  • Sem Nome ou Texto com cor branca: Esses ataques podem ser tanto esquivados ou defendidos. Se acertar o momento do parry, desequilibra o inimigo;
  • Ataque em Verde: Esses é melhor defender, por que eles afetam uma área grande e a esquiva não é suficiente pra evitar o dano;
  • Ataques em Vermelho: Esses é melhor esquivar, já que a defesa não reduz tanto assim o dano recebido;
  • Ataques em Azul: Esses não tem como defender ou esquivar. Enquanto a maioria são efeitos pro inimigo, alguns são de ataque e tem efeitos variados;

Caso acerte o momento do parry, o inimigo desequilibra e te permite ações que antes não estavam acessíveis:

  • Secret Skill: Libera o especial que a Mylen está equipado. Você pode equipar no máximo dois;
  • Item: Libera o acesso aos itens do seu inventário.

Como já da pra imaginar, aprender a usar o parry nesse jogo é primordial, já que você não tem acesso aos seus itens e especiais de outra maneira.

Enquanto o especial finaliza o desequilíbrio do inimigo, utilizar itens não faz isso, podendo utilizar vários itens pra se recuperar. Só que, caso selecione a opção de usar os especiais, não tem retorno pra usar item.

Parte 3 – O Reino Astral

A partir daqui que as coisas ficam feias XD

Ao chegar na terceira e ultima parte do jogo, as regras e adição de novos elementos é tão grande que necessita de um tutorial novo só pra essa parte (tudo é explicado em tutorial dentro do jogo). Algumas regra básicas continuam funcionando, mas vamos a variações:

  • Não é mais possível retornar pra as áreas anteriores do jogo, ficando preso nessa parte do jogo daqui pra frente;
  • Armas desse ponto do jogo em diante tem técnicas próprias;
  • Adição de técnicas extras pra a Mylen;
  • A partir de um certo ponto tem uma companheira de exploração;
  • O gasto de Comida é bem maior;
  • A maioria das ferramentas de exploração da dungeon não funcionam aqui;
  • Não tem mais áreas aleatórias e qualquer porta e baú abertos ficam pra sempre abertos;
  • Baús agora tem armadilhas;
  • Retorno do a entrada dessa parte fica mais dificil, somente por pontos específicos;
  • As penalizações de morrer são bem mais pesadas;
  • Agora pode melhorar as armas;
  • Tem side-quests;
  • Adiciona o sistema de pontos de méritos (Merit Points).

Como deu pra ver, a mudança a partir daqui é bem drástica, sendo o ponto mais difícil do jogo e aonde você passara a maior parte da campanha e assim como no jogo tem a explicação novas, vou deixar as variações aqui.

Entrada do Reino Astral

Claro, nem tudo está liberado desde o começo também, mas vamos aos pontos. Logo no inicio tem uma estante, aonde você pode trocar livremente as técnicas especiais sem ter que usar um livro novamente, mas só entre as que você já aprendeu. O acesso ao nosso Pardal sensei fica mais ao lado, então ainda temos acesso a ele também.

Conversando com a coruja Trowley, ela te passa missões paralelas, que vai desde derrotar quantidades específicas de inimigos como chegar em certos pontos do jogo. Essas missões são adicionadas conforme você avança na exploração.

Nosso amigo prisioneiro que no começo não ajudava em nada (por isso nem tinha comentado dele ainda), agora vira um ferreiro, que melhora as armas encontradas nessa parte do jogo. Você precisa de material pra fazer essas melhorias e tem uma chance de falhar, perdendo os materiais, mas não há penalidade na força atual da arma.

Com a Freira Benedictine você pode trocar pontos de méritos adquiridos no final das batalhas pra melhorar caracteristicas da Mylen e da sua companheira (é um semi spoiler, mas não vou ter como fugir disso, mas comento dela na parte das batalhas).

O Sprite tem uma loja também, mas ele só aceita moedas prateadas, nada de nozes e só compra itens dessa área do jogo, mas no resto funciona da mesma maneira.

A única parte que você tem acesso da parte anterior do jogo é a loja da Rosetta, mas pouquíssima coisa daqui realmente é utilizável nesse ponto da da campanha (e continua aceitando nozes).

Com o Baath você pode aprender técnicas novas exclusivas desse ponto do jogo, mas pra isso precisa trocar com ele fragmentos de livros por AP e usar esses pontos pelas técnicas. Tem três categorias:

  • Base Abilities: Habilidades pra apoio na exploração.
  • Exploration Abilities: Habilidades usadas pra avançar na exploração, tal como pra abrir baús e achar armadilhas;
  • Battle Abilities: Técnicas utilizadas nas batalhas.

Essas técnicas tem as passivas, que sempre estão ativas a partir do momento que aprendeu e técnicas que precisam ser ativadas, essas consomem comida.

Quando você derrota um chefe, a tumba dele aparece na entrada. Se usa-las, você entra numa sala aonde tem batalhas e pode enfrentar o chefe novamente. Isso é bom pois os chefes tem itens secretos muito bons e nessa área especial pode aparecer itens bons pra ajudar na exploração.

Exploração

A parte de exploração do jogo muda bastante. De inicio é que o gasto de comida é bem maior, sendo 10 de comida a cada 10 segundos, independente de andar ou não.

Agora pra abrir baús, você precisa ter a técnica de destrancar baús, mas não é garantido que destranque de primeira. Nos baús também tem armadilhas, você pode detecta-las e desativa-las com a técnicas correta. Caso abra sem desativa-la, você não perde o item, mas sofre as penalidades (não vou entrar em detalhes aqui pra não estragar as surpresas ahahaha).

As portas não tem armadilhas, mas tam várias trancadas, precisando usar as técnicas também. Já deu pra perceber que o uso de comida aqui nesse ponto é enorme.

Agora no jogo, pra retornar pra a entrada é utilizado os Basin of Fate. Pra viajar entre os pontos DENTRO da dungeon, não tem gasto nenhum, mas pra retornar pra entrada você precisa gastar um “Water of the Homesick“, que é um item meio raro.

Outras maneiras de voltar pra entrar é literalmente andando até a entrada (o que é uma bela caminhada) ou morrendo. O problema de morrer aqui é que as penalidades são mais pesadas.

Se você morrer, além de perder uma boa quantidade das moedas prateadas, recebe um status negativo que deixa Mylen muito fraca. Existe um pote pra curar isso, mas é bem raro, então o ideal é evitar morrer.

Com a dificuldade de retorno pra a entrada, você vai passar muito mais tempo na dungeon, podendo acampar em pontos específicos ou usando uma tenda portátil. Você consegue salvar na tenda e tem outras opções nela:

  • Depart / Sleep: Dorme e sai da fogueira da tenda (mas não da tenda propriamente dita);
  • Light Campfire: Acende a fogueira da tenda, podendo assim criar poções e preparar comidas. Precisa de lenha pra acender a fogueira;
  • Eat Meal: Escolhe uma comida do inventário pra comer.

O consumo de comida na tenda tem uns bônus:

  • A quantidade de comida restaurada é dobrada;
  • Ao comer na tenda, você recebe “Camp Bonus” e esses pontos são convertidos em cura de HP quando você dormir.

Se você acender a fogueira, tem acesso a criar as poções e comidas, o funcionamento é o mesmo de antes. Outro detalhe é que com ela acesa, a quantidade de HP restaurado é maior na hora que você dormir.

Batalhas

A maioria das regras da primeira parte ainda valem, mas agora temos algumas novidades:

  • TP: Pontos utilizados ara ativar as técnicas especificas das armas. Cada ataque normal recarrega um ponto;
  • Abilites: Libera quando desequilibra o inimigo. Você pode utilizar elas que nem os itens, enquanto não ativar a técnica secreta, mas elas consomem comida dentro da batalha.

Outro detalhe é que, depois de um certo ponto, a Rosetta te acompanha na exploração. Você não tem controle direto dela, ela age conforme você especifica pra ela, podendo te ajudar nos ataques, te curando ou recuperando comida. Quando você utiliza um especial, ela te acompanha no ataque também (tem uns legais, mas isso deixo pra vc descobrir quando tiver jogando).

Extra

O jogo não tem NG+, mas tem uma dungeon extra que foge totalmente da história, mas tem uma campanha própria. Ela está um pouco escondida e precisa fazer umas coisas bem específicas pra libera-la, mas é o ponto mais difícil do jogo. Não precisa fechar o jogo pra liberar ela, mas tem que fechar no ponto final do jogo.

Conquistas

Se prepare, tem vários troféus perdíveis nesse jogo

Enquanto o começo do jogo é bem tranquilo e te carrega, a ultima parte eles te chutam e grita “te vira” e a lista de troféu também não muda muito isso, por que além de ter alguns troféus bem trabalhosos, tem vários perdíveis entre as três partes do jogo. Segue uma lista (um pouco maior do que o comum) dos troféus mais trabalhosos:

ConquistaDescrição
Liberator of SoulsFinalizar a dungeon extra
MasterfulRealizar 500 parries
Back in TimeConseguir a arma Yggdrasill
Universal TruthDerrotar o alienígena
Slayer of HundredsVencer 1000 batalhas
Straight FlushConseguir a arma Dotanuki Blade
Wealth of KnowledgeAbrir a sala de referências
Remnants and ShadowsDerrotar o Subject (Lv99)

Conclusão

O jogo começa totalmente “kawaii-desu” mas termina te dando um chute no peito com os dois pés com o inesperado pico de dificuldade, não que seja uma coisa ruim, depois que você se adapta as novas regras do jogo (e consegue equipamentos pra te ajudar), a aventura desenrola bem, mas é algo que eu realmente não estava esperando, principalmente o design da dungeon final.

A parte gráfica do jogo é relativamente simples, mas os modelos chibi 3D dos personagens ficaram muito bonitinhos e tem uns ataque legais, pena que a quantidade de inimigos não é muito grande, ficando em 2 tipos de inimigos por andar (existe uma exceção, mas não vou entrar em detalhe pra deixar as surpresas).

As músicas que começam num estilo bem caricato pegam um ritmo mais pesado e agitado conforme avança no jogo, além de vários pontos de musicas tensas usadas na exploração, ficaram muito boas, principalmente as de alguns chefes.

Um ponto final é sobre a história, o desenvolvimento dela é razoável, nada extremamente profundo, mas agrada ao ponto de segurar a atenção do jogador, principalmente com o que ocorre na ultima parte do jogo, foge completamente do clima infantil inicial do jogo.