Review TBT – SD Gundam G Generation Cross Rays

A série Gundam é uma veterana não só no mundo dos animes, mas na indústria de jogos também, são mais de 35 anos com jogos da franquia, dando origem a muitas sub séries dos mais diversos gêneros, seja ação, estratégia, luta, FPS, RPG, RTS, dentre outros.

Quando uma franquia forma uma sub série de jogos, quanto mais tempo se passa, mais rica e independente ela fica, esse é o caso do “G Generation“, uma série de SRPGs do universo Gundam.

Barbatos no campo de batalha

Cross Rays é até o momento, o lançamento mais recente da série e ele é especial por um motivo: O primeiro G Generation lançado no ocidente via Steam! Mas ele também está disponível em inglês no PS4 e Switch em mídia física ou digital na PSN e eShop asiática.

O jogo possui muitas de variações de gameplay, com destaque para customização e evolução do seu time, são tantas features que tentarei focar no que o jogo tem de melhor, começando pela história.

Seletor de histórias

A série G Generation é um tanto variada na hora de definir um modo história. Tem jogos que segue uma linha totalmente original, novas histórias com novos personagens, se passando em paralelo aos animes, mas uma grande parte nem ao menos tem história e vai direto para o gameplay, fazendo só uma coleção de melhores momentos.

No caso de Crossrays a decisão foi adaptar as histórias originais de maneira que fiquem completas com início e fim. São 13 histórias diferentes dentro de quatro universos de Gundam (Há unidades além destes universos, mas só via DLC, sem conteúdo de história incluso):

  • Gundam Wing
  • Gundam Seed
  • Gundam 00
  • Gundam Iron-Blooded Orphans

Porém o grande destaque é que não estão incluso só os animes, mas também mangás e novels, alguns materiais que não possuem tradução oficial ou de fã, tornando o jogo uma ótima fonte para conhecer histórias inéditas.

E sim, uma ótima fonte, pois as histórias do universo Gundam se encaixam perfeitamente no modelo narrativo de um SRPG, com plot twists no meio da batalha, sejam reforços inimigos ou aliados. Particularmente eu não sou nem mesmo muito fã dos animes de Gundam, mas adoro as histórias deles nos jogos! Para quem é fã de um universo específico, você pode começar qualquer história na ordem que quiser, a progressão é livre.

E o jogo possui várias cenas em CGs!

O jogo possui cenas de CG para momentos importantes e belos cut-ins de pilotos

Nos estágios os personagens que participam da história são fixos, incluindo o level e não podem morrer. Ganhar “kills” com eles são uma das formas de torná-los recrutáveis, existe uma barra que enche quanto mais eles derrubam unidades. A progressão é acumulativa, não precisa encher em um estágio só e quanto maior o nível de dificuldade, mais rápido ela enche.

O principal da sua tropa mesmo são 2 batalhões que você monta com qualquer personagem e mobile suit que quiser, incluindo personagens originais de outros jogos da série G Generation (Sua party inicial) ou até mesmo personagens criados e customizados por você. 

Aqui entramos na parte do gameplay onde o grande destaque é liberdade de customização e de evolução, há várias formas de se conseguir pilotos ou unidades novas.

Você pode enviar dois grupos destes na maioria dos estágios

E quando se fala em liberdade é liberdade mesmo, você pode liberar qualquer personagem que aparece no jogo, independente de ser aliado ou inimigo ou mesmo nem ser piloto na série original!

Algumas unidades possuem inclusive falas especiais para os ataques, todo personagem tem sua frase para “TRAN-SAM” ou “God Finger“, alguns com comentários bem hilários. Um baita trabalho com centenas de dubladores.

Você pode até mesmo transformar Relena, defensora do Pacifismo Absoluto em uma total máquina de guerra. Na imagem seguinte por exemplo temos Kudelia, uma jovem política, altamente treinada para batalha!

São muitas formas de se liberar novos pilotos e unidades, uma delas é simplesmente completando estágios, outra forma é completando objetivos específicos que você conferir dentro das batalhas ou no menu principal.

A aquisição dos Mechas é especial pois não é linear, há várias formas de se liberar uma mesma unidade. Além de completar estágios e missões, você pode capturar unidades inimigas enfraquecidas e sem líder, enchendo a barra dos personagens fixos da história com kills, citado anteriormente, fazendo uma “pseudo-fusão” ao juntar modelos de unidades diferentes e ganhar o blueprint de outra com característica de ambos e a melhor e mais divertida forma, passando de level e evoluindo como um Pokémon! Chamado Develop.

Sistema de Quest com objetivos extras e prêmios, seja em objetivo de colecionáveis ou desafios na batalha
Develop: Savior Gundam e suas 4 opções de evolução com o level necessário

Com Develop ao subir de nível você ganha a opção de transformar sua unidade em 3 a 4 unidades diferentes, inicialmente as que você ainda não possuiu ficam escurecidas, então se torna uma espécie de quebra-cabeça onde você tenta revelar todas as unidades presentes no jogo. E são mais, muito mais de 450 unidades diferentes, você fica distraído muito e muito tempo só evoluindo seus PokeGundams e conhecendo aos poucos novas unidades de diversas origens, indo muito além dos animes.

Acaba que tanto conteúdo torna o jogo gigante, o que pra mim é um ponto positivo pois valoriza o seu dinheiro. Levei mais de 180 horas para terminar o modo história e as quests. Assusta, mas como dito, modo história, vendo coisas novas, são várias histórias com várias conclusões! Onde você fica satisfeito e pode dar um tempo antes de começar uma nova.

O jogo vai muito além da história também, no jogo base há 4 níveis de dificuldade: Normal, Hard, Extra e Hell. Via DLC foi acrescentado mais um nível: Inferno.
Cada nível de dificuldade faz inimigos droparem skills melhores para os pilotos, então é recomendado sempre ir tentando níveis maiores para ter uma sensação melhor de progressão ao invés de completar tudo em um nível baixo antes de partir pro próximo, já que são muitos estágios e tentar completar tudo em um nível só pode passar uma sensação de estagnação.

Tela de seleção de estágios com unidades da história, inimigos e skills que eles dropam

O jogo começa difícil, se uma unidade for destruída em batalha, o piloto vive, mas você perde o mecha pra sempre! Tenso. Mas aos poucos com tantas e tantas formas de evolução você acaba formando um exército de um homem só, outro motivo para os níveis de dificuldades serem bem importantes.

Os estágios são bem longos na primeira vez que se joga lendo a história, como uma dica pessoal eu recomendo não fazer mais que 2 estágios por dia, de preferência 1. Eles são bem satisfatórios individualmente. Fica uma espécie de “episódio do dia”.

Como uma outra feature de destaque, o jogo tem a opção de Custom BGM, você pode usar qualquer música em MP3 que quiser nos ataques, podendo escolher uma diferente por ataque individual ou quando a unidade aumenta seu nível de tensão. (É muita feature, tem coisa que nem vou citar!). Imagina o “feeling” quando o personagem fica tenso e começa a tocar sua música tema vocal! Mas isso só na versão Steam ou do PS4! Não há suporte ao mp3 na versão de Switch!

Então Crossrays é jogo um excelente, rico em conteúdo de todos os tipos, história, sistema de progressão e gameplay. Não tenham medo de jogar sem assistir os animes, eu não assisti simplesmente nenhum destes contidos no jogo! Iron-Blooded Orphans foi simplesmente emocionante! Nada bate a narrativa de um SRPG.