Review / Tutorial de Signs Of The Sojourner

* Esta análise foi feita com o código cedido pela Digerati (versão PS4/PS5)

Distribuidora: Digerati
Produtora: Echodog Games / Bromio
Plataforma: PS4 / PS5 / Xbox One / Xbox Series X / Xbox Series S / Switch / PC / Mac OS
Mídia: Digital
Ano de Lançamento: 2020/2021


Signs Of The Sojourner é um jogo de cartas narrativo sobre conexões pessoais, onde as conversas abrem caminhos e amizades pelas viagens de uma caravana.

Juntando-se À Caravana

Após a morte de sua mãe, você deve substituí-la na caravana que percorrer diversos vilarejos, para conseguir novos itens para vender na loja que seu amigo de infância, Elias, administra.
A aceitação na caravana, contudo, depende do humor de Nadine, que é responsável por definir as rotas de comércio e escolher os membros presentes durante as viagens.

Elias, à direita, seu amigo de infância que assume a a loja enquanto você parte na caravana em busca de novos produtos

Nadine está considerando remover Bartow (a sua cidade-natal e de Elias também) da rota de comércio da caravana, pelas baixas vendas.
Cabe a você, através dos diálogos e da criação de relações com diversos personagens (em diferentes vilarejos), conseguir produtos e descobrir caminhos para outros vilarejos e rotas diretas entre os diferentes povoados.

Nadine o aceita na caravana em respeito à sua mãe

O jogo se passa durante cinco viagens pelas rotas de comércio, que podem ser expandidas com as descobertas de novas estradas e localidades (bem como possíveis atalhos).
Ao chega a cada local, são apresentados alguns personagens com os quais você poderá conversar: consiga o máximo de diálogos positivos (quadrados brancos) e eles lhe darão itens, missões e/ou informações sobre novos vilarejos.

Completar as rotas da caravana será um desafio conforme a Fadiga toma conta

Conforme várias cidades são visitadas, a Fadiga vai acumulando, criando cartas que não combinam com nenhuma outra.
Para livrar-se das cartas de Fadiga, é possível interagir com Thunder (o cão), participar de eventos aleatórios durante a movimentação na estrada ou voltar para sua cidade e descarregar o caminhão (o que irá zerar a totalidade da Fadiga).


Decks e Sentimentos

Ok, por texto pode ser um pouco confuso, então vamos exemplificar como funciona com um trecho do jogo.

Ao conversar, sua prioridade é combinar símbolos nas cartas, como vemos acima

Você encontra Klaus e ela parece querer pedir um favor, mas para isto você precisará conseguir mais diálogos positivos (quadrados brancos) do que negativos (quadrados pretos).
Isto se dará por alguns fatores: o tipo de personalidade do interlocutor, representado por símbolos geométricos e as habilidades de conversa que você e o interlocutor possuem.

Observar as personalidades representadas pelos dois símbolos geométricos é uma boa forma de escolher o interlocutor, baseado em seu próprio deck

Embora o fator randômico determine algumas variantes, como a mão de cartas com que você começa e as frases de Klaus, que irão ser afetadas pelas suas, determinando o rumo da conversa, é possível safar-se de certas situações com as habilidades de conversa que você possui.
Quanto mais conversas com diferentes pessoas você executar (especialmente quando se sair bem), mais tipos de personalidades e habilidades conseguirá.

Sucesso ou derrota em cada conversa é definido pela maior quantidade de quadrados brancos obtidos

Após uma série de sucessos com Klaus, ela informa que precisa pegar um objeto na casa de determinada pessoa e, para isto, você deve distrair o alvo (através do diálogo, claro).
O sucesso no diálogo com o alvo irá determinar o sucesso da missão de Klaus.

Quanto mais conversa e descobre novas pessoas e cidades, maior se torna a variedade de seu deck e suas habilidades

É desta forma que não apenas novas rotas e atalhos são conseguidos, mas também novas missões secundárias, que podem variar de conseguir um produto específico para alguém ou convencer uma pessoa a permanecer na própria cidade.
Abaixo listo as personalidades e habilidades.

Personalidade nas Cartas:
– Triângulo, lógico e diplomático;
– Círculo, empático e observador;
– Quadrado, direto e forte;
– Losango, criativo e cuidadoso;
– Espiral, angustiado e aflito;
– Pata, personalidade exclusivo do cachorro Thunder, combina com qualquer carta (exceto fadiga)

Ao retornar para casa, você coloca os itens obtidos para venda e remove as cartas de Fadiga decorrentes da viagem

Habilidades de Conversa:
– Falante (Chatter), permite utilizar outra carta antes do interlocutor responder;
– Acomodado (Accommodate), duplica os símbolos da carta anterior;
– Clarificar (Clarify), permite inserir a carta entre duas cartas compatíveis já usadas;
– Reconsiderar (Reconsider), modifica a mão disponível para as próximas jogadas da conversa;
– Elaborar (Elaborate), utiliza os símbolos corretos da carta anterior;
– Retroceder (Backtrack), remove todas as cartas até a última combinação correta;
– Preparar (Prepare), você escolhe qual das suas cartas adicionar ao deck;
– Observar (Observe), revela a mão de cartas da outra pessoa;
– Ouvir (Listen), termina o seu turno e faz o interlocutor usar duas cartas;
– Fadiga (Fatigue), carta recebida durante longas viagens, não combina com nenhuma carta e só pode ser removida do baralho quando você retorna para casa e desempacota os itens;
– Acordo (Accord), criado quando você e o interlocutor combinam quatro símbolos semelhantes em duas cartas (uma parada cada), o acordo permite ignorar um erro durante a conversa.


As Cores do Deserto

A arte de SotS possui um tom leve, com diferentes povos, tribos e raças (e quando falo em raças aqui, não falo de cores, mas de diferentes espécies de seres mesmo).

Diferentes seres encontrados ao longo da aventura ficam registrados em seu caderno, abaixo a quantidade de sucessos e falhas nos diálogos com os mesmos

As cidades possuem características próprias, com diferentes estilos e tonalidades, bem como seus habitantes.
O design de cada personagem também reflete parte de suas personalidades. Uma miríade de personagens, incluindo fazendeiro, robô, pintor, ladrão e quiromante, dentre tantos outros.
Vale lembrar que conhecer cada um dos personagens é diretamente ligado à rota que se escolhe e ao cumprimento de tarefas e bom relacionamento com os personagens.

Diferentes cidades possuem diferentes tipos de pessoas e modos de viver

A trilha sonora é também bastante leve e relaxante, acompanhando o clima das conversas e a arte colorida do jogo.
Composta por Steve Pardo, a trilha possui um clima convidativo e bucólico, que “ilustra” muito bem a jornada da caravana.
Segue abaixo a lista completa, pelo canal Skew Sound (que também trabalhou em (Risk of Rain / Disintegration), ao qual Steve faz parte como Co-Fundador:

A platina do jogo, composta de “apenas” 15 troféus, pede que uma série de locais e missões seja completa, além de completar todas as rotas de todas as caravanas.
Não vou entrar em detalhes quanto aos troféus por possíveis spoilers, mas adianto que é uma platina bastante desafiadora e que provavelmente vá exigir diversas runs por parte do jogador (mas não se preocupe, elas não são longas, dependendo de como você jogar).

Através dos diálogos prévios, é possível tentar adivinhar a persona de cada indivíduo

RESUMO DA ÓPERA:
Signs Of The Sojourner é uma experiência bastante diferente, simulando conversas através de um curioso sistema de cartas para os diálogos.
Uma parábola para as interações, ler as intenções das outras pessoas pode ser um desafio para tentar prever o caminho de uma conversa, mas assim também o é no mundo real.
O jogo possui uma arte leve, com muitas cores e diversidade de personagens, além de uma trilha sonora que conduz o jogador calmamente através da jornada da caravana, contrastando com a “tensão” durante as escolhas nas conversas.
Ao finalizar a primeira run, eu estava bastante confuso sobre o funcionamento correto do sistema, mas ao jogar pela segunda vez, comecei a entender a complexidade escondida por baixo da aparente simplicidade do título.
Assim como conversar com pessoas pode ser difícil pelas diferentes interpretações, Signs Of The Sojourner consegue transportar de maneira precisa tal desafio para um jogo de cartas.
Um título para aproveitar “sem compromisso”, mas que traz uma reflexão interessante sobre as interações humanas e como nos comunicamos.