A Armadilha da Nostalgia

“No meu tempo era melhor!” – você certamente já ouviu esta expressão de algum conhecido, ou mesmo a proferiu.
Mais comum entre idosos, o sentimento de nostalgia não é exclusividade deles, especialmente no que tange aos jogos eletrônicos.

É bem verdade que muitos jogos, após várias continuações, perdem sua essência, transformando-se em produtos muito diferentes do original, carregando apenas o seu nome.
Mas isto nem sempre é ruim.
Muitas séries se reinventam e até mesmo se salvam do esquecimento por isto.
É claro, os fãs puristas podem não gostar do resultado final, mesmo que faça sucesso.

É o caso de Resident Evil, por exemplo.
Nascido no PSOne, RE foi projetado com câmera estática e o famigerado movimento de tanque dos personagens, pois foi pensado antes da criação dos analógicos em video games, quando apenas o digital era a opção de movimento e não se controlavam as câmeras. Afinal de contas, era o nascimento dos jogos 3D e ainda não se sabia exatamente como programar e criar jogos além do 2D.

Com a chegada de Resident Evil 4 no Game Cube, as coisas mudaram (Shinji Mikami, o jogo saiu para praticamente toda plataforma, incluindo o falecido Zeebo, ainda esperamos que o senhor corte a sua cabeça fora!).
RE4 trouxe a câmera sobre o ombro (over the shoulder), mais próxima do personagem e focando o jogo na ação, ao contrário dos primeiros títulos, mais voltados ao terror.
Isto indignou parte da fanbase, mas atraiu novos fãs, fenômeno que se repetiria com o lançamento de Resident Evil 7, mudando o jogo para visão em primeira pessoa.

Mas afinal, era mesmo melhor no seu tempo?
A resposta curta, segundo a minha vó por parte de mãe, era não!
Ela dizia que no passado não havia microondas e máquina de lavar roupas, não entendia porque os outros velhos gostavam tanto de falar isto.

Quando analisamos ou relembramos algo do passado, é preciso perceber a armadilha da nostalgia, que nos confunde misturando o produto e a experiência da época.
Memórias de infância, sons, cheiros, tudo que é agradável em nosso passado funde-se ao produto e nos faz esquecer seus defeitos.

A câmera fixa e o controle tanque de RE1 eram fruto das limitações de sua época, bem como a névoa de Silent Hill (para reduzir loadings e carregamento de texturas).
Nem tudo são ilusões; The Legend Of Zelda Ocarina Of Time ainda se mantém bastante jogável, embora com alguns pequenos defeitos.

No fim das contas, devemos sempre tentar experienciar os ícones de nossa infância com cuidado, pois muitas coisas só eram melhores em nossas memórias.
Cabe ressaltar, no entanto, que nem tudo novo é necessariamente bom.

Alguns jogos realmente perdem sua essência e se tornam piores, Dead Space 3, eu estou olhando pra você!
Ou seja, o que vale na vida é equilíbrio.
Então pare de dizer que só o que era da sua época era bom, ou comece a usar sua bengala!