Review / Tutorial de Trollhunters: Defenders of Arcadia

Continuando a leva de jogos plataforma, vamos agora para um que é baseado em um uma trilogia produzida pela DreamWorks por um serviço de streaming conhecido, criado por Guilherme del Toro. Justamente por isso acreditamos no apelo para um público mais novo, vamos então analisar o quão aplicável é para esse público alvo?

A desenvolvedora do jogo é a WayForward, uma das mais conhecidas por nos trazer Shantae Double Dragon Neo, River City Girls e o remake de Ducktales.

Código cedido pela Outright Games para Review, versão Playstation 4

Título: Trollhunters – Defenders of Arcadia
Gênero: Plataforma/Ação 2D
Desenvolvedora: WayForward
Estúdio: Outright Games (Bandai Namco Games para versão Européia física)
Plataformas: PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch
Lançamento: 2020 (25 de setembro)
Mídia: Física e Digital

Tela Título

História/Enredo

A história se passa pós série, contada de uma maneira nova com o intuito unificar o universo de Trollhunters, 3Below e Wizards, onde a premissa é:

Jim se encontra em algum lugar de New Jersey jogando seu portátil, quando, próximo dali, Clara e Bobbie pedem sua ajuda, chegando lá Porgon, o troll traiçoeiro, o prende num loop temporal, com o intuito de o deixar vagando em diveros loopings de Arcadia e alterar o tempo cronológico dos acontecimentos…

Através da ajuda do Mapa Temporal de Merlin, Jim deve restaurar a linha do tempo e evitar que o pior aconteça… o Tempocalypse…

Gráficos

Por alguma razão, não se sabe ao certo, a Wayforward preferiu usar a Unity de forma tridimensional, ao invés do seu habitual estilo desenhado na maioria dos seus jogos, com gráficos bem simples, onde há poucos efeitos de iluminação e coloração opaca, particularmente eu não me importo com isso (com talvez com a coloração opaca) porém… a movimentação dos personagens é relativamente pobre, dando uma engraçada impressão de mapping durante algumas cenas (clássico bug de boneco estar sendo posicionado flutuando), mapping de nível: Porgon aparecer criando o portal flutuando de forma travada quando salta em algumas cenas…

O artwork dos personagens aparece durante as conversas de eventos.

Som/OST

A trilha sonora é baseada em orquestral e cômica, da mesma forma que o seriado.
Na dublagem o jogo conta com vozes dos atores do seriado.
Emile Hirsch como Jim, David Bradley como Merlin, Charlie Saxton como Bobbie e Lexi Medrano como Clara

Jogabilidade

A jogabilidade do jogo é simples, com boa precisão mas com bugs em alguns momentos jogo, mas isso falarei detalhadamente nas considerações finais.
Como o jogo não tem mapeamento ingame para mostrar os comandos, vamos da forma clássica:
Direcional Digital / Analógico esquerdo – movimentação
– ataque normal
Δ – ataque de alcance
X – pulo / planar com o escudo
O – investida
L1 e R1 – alterna e usa os assistentes

Sistema de Jogo

Progressão

O jogo é totalmente linear, apesar de ter um mapa do tempo , sistema de quests e visitar o mercado troll para suas melhorias…
As fases se constituem em áreas variadas de 2 à 5 partes.

O HUD é simples, organizado e limpo na tela, onde vão aparecendo elementos que vai sendo desbloqueado conforme progredir (só comparar a HUD na foto dos gráficos e nessa):

Sem mais delongas:
Esquerda superior – vidas, energia e moedas
Centro – assistente e barra de cooldown
Direita superior – Coletáveis (meias sujas e gnomos) e chifre de gazela

Combatendo para resetar a linha do tempo

O combate do jogo envolve apenas dois fatores: destreza e timing.

Jim pode executar ataque normal baseado em combo de 3 hits.

Além disso, durante a progressão do jogo, Jim ganha ataque de alcance e investida.

Alcance é bom para inimigos que estejam usando armas longas, já a investida serve para quebrar escudo de alguns inimigos.
Além de claro, serem usados para o avanço e progressão das fases.

Assistentes na caçada de trolls

Os assistentes aparecem para ajudar na exploração/progressão durante as fases.
Serão 4 ajudantes no total, variando com personagens já conhecidos pela série.
Não vou dar mais detalhes para evitar spoilers, mas mostrarei o Bobby…

Ao ser usado, você deve esperar que a barra de carregamento encha novamente para poder repetir o chamado.

Ações Adicionais

Jim pode passar por lugares apertados e pequenos, deslizando neles.

Ao progredir no jogo, Jim ganhará o escudo que o fará planar.

Inventário

O inventário mostra a armadura que você está equipado, os itens de uso, os itens de quests e os assistentes disponíveis.

Chifre de Gazela

O chifre de Gazela é usado para poder interagir com as Portas Desenhadas por Giz, obtendo moedas bônus.

Mercado Troll

Toda vez que você terminar uma fase, você irá voltar para o mercado Troll, onde terá algumas opções de ações:

Loja de Presentes da Bernadete

Aqui você pode comprar items de uso e diminuir o cooldown dos assistentes comprando item específico para cada um.

Item de graça??? claro!!!!!

Vendel e Upgrade de armadura

Ao falar com Vendel, pode-se fazer melhorias na armadura da luz, sendo disponíveis 3 upgrades:

As variações de poderes da armadura da luz

Quests e Sub-quests

Em alguns momentos da história, ao falar com alguns personagens, eles poderão pedir algum favor, que se caracteriza numa subquest… ao resolver pode ganhar melhorias da sua energia, itens de uso ou moedas.

Ajude os personagens com favores e receba um agradecimento que te favorecerá…

Além de claro, ser possível verificar o histórico de quests que estão ativas, caso esquecer o que tem de fazer, acessando-o pelo inventário.

Se tiver esquecimento do que tem de fazer, só olhar no log através do inventário…

Fases Bônus / Mini-games

Luug – ao pegar Luug, você irá para uma fase bonus onde terá um tempo para coletar todas as moedas. Vale ressaltar que ela estará disponível somente quando tiver a indicação do botão X.

GoGo Sushi – ao falar com Bobby, você pode jogar o minigame Go Go Sushi, que se consiste em fugir de ingredientes ruins e pegar os ingredientes bons, fazendo um montante e servindo o sushi para ganhar pontos.

Tiro ao alvo com os Gnomos – ainda temos a troca dos coletáveis dos gnomos por um minigame de tiro ao alvo (sim….) com eles, vá até a taberna dos trolls e fale com Omelrug para ativar o minigame.
A tarefa é simples: você deve acertar 8 alvos usando 3 gnomos, os alvos se movem em um padrão para você ter o timing certo, com alguns momentos sendo impedido por uma frigideira de ferro, caso seu timing seja perfeito e acerte o alvo no centro 3x, você ganha um gnomo extra para atirar.
A premiação é moedas variando entre 50 e 100 (caso acerte o alvo no centro).

Câmbio de Meias – além dos gnomos serem usados para troca, as meias sujas coletadas nas fases também servem para um câmbio entre elas e itens usados, para isso vá no extremo leste do mercado e entre em Drot-Gut e fale com eles:

Registros

Ditacius registra várias coisas da sua jogada, caso tiver curiosidade, fale com ele.

Multiplayer

O jogo conta com multiplayer local, sendo a Clara a sua parceira, para isso é necessário ativar o outro perfil do console e ir no menu de inventário, selecionando o coop (o desenho com os dois bonequinhos) do lado do log de quests.

Bosses

Pra encerrar, enfrente alguns personagens da série em batalhas de chefes, caso você não os conheça, há uma pequena apresentação com seu “alias”…

Troféus / Conquistas

Dificuldade: 1/10
Para platina/domínio do jogo, não terá muitas dificuldades, já que a maioria você adquire jogando normalmente, como completar as fases, usar assistentes e pegar todos os coletáveis.
Entretanto, o troféu de dificuldade não é retroativo, ou seja, mesmo terminando o jogo no difícil, o troféu de normal não irá desbloquear, exigindo uma segunda jogada.

Considerações Finais

Na minha concepção de jogo, Trollhunters se tornou um jogo inferior comparado com a qualidade e opções dos outros jogos da Wayforward.

A engine gráfica (Unity) na minha opinião tinha um grande potencial, como disse antes, não me importo com falta de detalhes ou gráficos simples, mas como grande parte dos jogos da Wayforward são baseados em gráficos com arte cartoons / desenhos, acredito que por se tratar de uma série deste estilo, talvez teria combinado mais com esta arte de gráficos (pra quem não entendeu, me refiro arte no estilo Shantae).

A dificuldade do jogo é baixamoderada, portanto se você for um caçador de plataforma hardcore, esqueça, a proposta de desafio é mais para o público infantil que for querer jogar, talvez no máximo nas partes finais eles possam ter alguma dificuldade, onde o design de uma das fases perto do fim poderá confundir eles.
Se tiver filhos, é um bom começo de jogo para eles, tendo uma duração recomendada para esse tipo de público, questão de 7 fases, variando em torno de 3 à 5 horas, dependendo da sua forma de jogar.

O desempenho do jogo varia entre 60 e 40 frames no PS4 FAT, mostrando que talvez não tenha uma otimização boa perante o aspecto comentado no parágrafo de engine.
Agora o que realmente me incomodou:
Os bugs acontecem em casos variados enquanto o jogo for executado, sendo incômodo por serem bugs gráficos e na jogabilidade, onde algumas funções não são reconhecidas pelo jogo

Bug gráfico

Pode duplicar o Jim na tela, por alguma razão, um desses bugs me causou dano com inimigo batendo no clone.

Bug Jogabilidade

Pode não reconhecer as funções de assistência e suas seleções, como podem ver ao lado, apertei L1/R1 entre os dois lados para alterar e não foi reconhecido, variando entre os momentos durante o gameplay.

Se fechar o jogo e voltar pode-se verificar novamente os bugs ou não, vai depender de como o código fonte do jogo vai interpretar as funções por cada execução… o que exige uma revisão de código e patch de correção urgente.

E por fim, com relação à história, a idéia da sequência final na última fase achei muito boa.

É um jogo que talvez vale a pena ficando com um preço mais acessível do que o sugerido, apenas se tiver filhos e se quer introduzir eles para um jogo simples, com dificuldade rasa moderada.