Review / Tutorial de Is it Wrong To Pick Up Girls In A Dungeon? Familia Myth – Infinite Combate

Is it Wrong To Pick Up Girls In A Dungeon? é uma série de light novels escrita por Fujino Omori e ilustrada por Suzuhito Yasuda (publicada pela GA Bunko).
Recebeu duas adaptações para mangá e uma para anime, além de um OVA e um longa. 
A terceira temporada do anime foi adiada para Outubro de 2020 devido à atual pandemia (se você está lendo isto no futuro, em 2020 tivemos a pandemia do Covid 19).
A série é carinhosamente chamada pelos fãs de DanMachi, diminutivo do nome japonês “Danjon ni Deai o Motomeru no wa Machigatteiru Darō ka“.

O roteiro gira em torno de Orario, uma cidade onde os deuses descem para experienciar a vida entre os mortais, reduzindo seu poder. (Note que eu me refiro aqui aos deuses, mas na verdade muitos dos deuses de diversas mitologias estão representados em suas formas femininas, então Hefesto, Loki e outros são mulheres; ao passo que Hermes é um dos que permanece masculino).

Os deuses reúnem aventureiros sob sua égide em grupos chamados Famílias. Os aventureiros descem para um labirinto chamado de Dungeon, à caça de monstros para pegar fragmentos de cristal, que podem ser usados para criar itens mágicos, mas servem também como moeda de troca local.
A Dungeon possui diversos andares e níveis, cada qual com monstros mais perigosos e pedindo níveis maiores por parte dos aventureiros (sim, exatamente como num RPG); os deuses são responsáveis por atualizar os níveis de experiência dos aventureiros de sua Família.

O protagonista é Bell Carnel, aventureiro de 14 anos, em começo de carreira e único membro da Família da deusa Héstia*. Bell se interessa por Ais Wallenstein, famosa guerreira da Família de Loki, que o salvou durante o ataque de um minotauro. Assustado, Bell foge, passando a se esforçar mais nas caçadas para poder subir de nível e chamar a atenção de Ais, não percebendo que outras mulheres da cidade se interessam por ele, Héstia inclusa.

*Héstia é uma deusa menor da Mitologia Grega, a deusa virgem do lar, lareira, arquitetura, vida doméstica, família e estado.Embora seja do panteão principal, filha dos Titãs Crono e Reia e, portanto, irmã de Hera, Hades, Poseidon e Zeus, é menos conhecida, assim como sua outra irmã, Deméter.

* Esta análise foi feita com o código cedido pela PQube Limited (versão PS4)

Distribuidora: PQube Limited
Produtora: Mages
Plataforma:  PlayStation 4 / Switch / PC / PS Vita (apenas versão japonesa)
Mídia: Física e Digital
Ano de Lançamento: 2020

Links da Play-Asia para compra:
PS4 (US / Euro / JP / Asia / Limited Edition)
Switch (US / Euro / JP / Asia / Limited Edition)
Vita (JP)

A Guerreira e O Novato

It’s Wrong To Pick Up Girls In A Dungeon? Family Myth –  Infinite Combate (que vamos chamar aqui de DanMachi Infinite Combate, para facilitar a leitura) é um action RPG dungeon crawler.
A história é contada num modo semelhante aos visual novels, ou seja, imagens semi-estáticas (apenas movimentos simples de corpo inteiro do desenho do personagem e do rosto) e dublados pelas vozes originais japonesas do anime.

O jogo acompanha paralelamente as histórias de Bell Carnel e Ais Wallenstein na cidade de Orario e na Dungeon.
Bell inicia sozinho, sem personagem de suporte e sem habilidades especiais, ao passo que Ais já possui uma party com vários companheiros e um nível mais elevado de evolução e poderes. Esta dinâmica torna o início de Bell consideravelmente mais difícil que o de Ais.

O combate é essencialmente simples, tendo o ataque no botão círculo (característica comum nos jogos japoneses, curiosamente não foi readaptado ao controle ocidental), o X faz a função de dash (para frente com Bell e para trás com Ais), o duplo X faz Bell executar uma cambalhota para trás, como opção de esquiva. Quadrado executa uma magia, ao custo de mana (Bell começa sem este poder), triângulo executa o golpe forte (bom para finalizar o combo). L1 e R1 acionam, cada qual, um dos personagens de suporte; pressionados juntos, acionam a habilidade do personagem.

Bell executando uma magia contra um grupo de lobos

Os personagens de suporte possuem habilidades passivas e ativas: ao serem acionados, usam um ataque elemental forte em área e concedem algum bônus (como por exemplo aumento de pontos de habilidade, aumento de força, etc.), enquanto a habilidade do personagem jogável é apenas passiva, concedendo acertos críticos automáticos a cada ataque por um curto período de tempo.

Personagens de suporte possuem habilidades ativas e passivas (escolha bem a sua equipe)

Orario, Uma Cidade de Aventureiros

A cidade gira em torno dos aventureiros que exploram a Dungeon.
No Mercado é possível comprar itens consumíveis como poções de cura e proteção contra determinados efeitos nocivos, bem como armaduras e armas. Além disso, é possível aplicar dano elemental às armas e melhorar armas e armaduras.

Partes de monstros podem ser coletadas para dar upgrade em armas e armaduras

A Guilda é onde estão os contratos para missões secundárias: aqui é possível realizar missões específicas a pedido de algum personagem ou missões de treinamento, estas últimas não possuem limite de vezes em que podem ser concluídas, servindo para ganhar Pontos de Habilidade (Skill Points).
As missões da história ficam separadas, no menu principal da cidade.

Já na Família é possível evoluir o personagem através do Skill Sheet: os upgrades passam por diversos tipos, como vida, força, defesa, ataque, aumento de dano da arma (por tipo de arma), aumento no ganho de cristais ou de pontos de habilidade, dentre outros.

Upgrades são comprados com Pontos de Habilidade

Dungeon, O Labirinto dos Monstros

O labirinto por onde os aventureiros avançam possui diversos níveis, cada qual referente a um nível de experiência. Cada nível do labirinto possui dez andares e, ao final do último andar, um chefe que protege a passagem para o próximo nível.

Cada missão possui um objetivo distinto, especificado assim que se aceita o contrato: geralmente envolve coletar um determinado número de um item específico, derrotar uma série de monstros de um mesmo tipo, derrotar todos os monstros do local ou avançar uma série de andares, sendo algumas das missões com tempo para conclusão (neste ponto o uso do mapa ajuda para orientação no labirinto (tela de toque do controle no PS4).

Cada nível possui um aspecto e/ou vegetação diferente: os primeiros variam entre florestas e cenários rochosos. Ao concluir-se o jogo, novos andares, com temáticas como fogo e água são liberados, com uma dificuldade bastante elevada e um formato diferente de design.
Neste modo extra é possível refazer as batalhas contra chefes normais e também batalhas em dificuldade avançada, bem como alternar na cidade livremente entre Bell e Ais, cada qual recebendo duas páginas extras de habilidades para serem compradas com os pontos.

No modo Extra é possível refazer as lutas contra chefes

O modo extra libera também a opção de Encontros entre personagens através de um sistema onde as novas quests geram corações que podem ser usados para Encontros com níveis maiores de afetividade.

Visual Novel + Dungeon Crawler

Como dito anteriormente, o jogo divide-se em dois modos, sendo a história completamente desenvolvida através de diálogos ao estilo visual novel, com pequenas animações corporais dos personagens e grande parte dos diálogos dublada pelas vozes japonesas do anime.
Embora não haja nenhuma cutscene ou CG, a abertura é cantada em japonês, um belo toque, considerando-se que as adaptações de jogos de anime para o Ocidente costumam substituir estes temas nipônicos na maior parte dos casos.

A história é contada através de uma parte visual novel, alternada com os combates

Já na parte do combate, os personagens são representados no estilo chibi (ou super deformed), com corpos pequenos e cabeças grandes.
Graficamente o jogo é simples nas dungeons, com personagens, monstros e cenários com um estilo mais semelhante ao gráfico de jogos de RPG tático e/ou mobile. O jogo é bastante colorido e há uma boa variedade de monstros, de diferentes formatos e cores, entre orcs, lobos, plantas carnívoras e outros.

Ais na sua versão chibi executando uma lagarta (Virga) gigante

A trilha sonora é bastante distinta entre as duas partes do jogo, tendo temas mais repetitivos e voltados ao tema medieval (no estilo Fanfarra), ao passo que as dungeons possuem uma música mais ao estilo Hard Rock/Heavy Metal, mais agitadas e que combinam bem com o ritmo da ação.

RESUMO DA ÓPERA:

DanMachi Infinite Combate possui um bom ritmo entre aventura e roteiro, sendo uma experiência mais rápida e direto ao ponto comparado com outros action RPGs/dungeon crawlers.
Embora não impressione graficamente, o jogo cumpre bem o seu papel, representando os personagens do anime. A apresentação do roteiro através unicamente de visual novels é um dos pontos baixos do jogo: algumas cenas animadas, mesmo que retiradas diretamente do anime, ajudariam melhor a ilustrar o conteúdo.
A dificuldade se torna alta no pós-jogo, possuindo bastante conteúdo adicional, ainda que o jogo possa ser um tanto repetitivo.

PONTOS POSITIVOS:
– combate rápido e funcional
– roteiro direto ao ponto
– ótima trilha sonora nas batalhas
– personagens carismáticos e boa diversidade de monstros e chefes

PONTOS NEGATIVOS:
– plot somente através de imagens semi-estáticas
– a natureza dungeon crawler torna o jogo repetitivo (embora a duração curta das missões compense este ponto)
– o gráfico simples cumpre seu papel, mas não impressiona