Review / Tutorial de Clash Force

Um rinoceronte, um escorpião e uma equidna humanoides entram num estande de tiro…
Ok, ok, péssima tentativa de piada.

* Esta análise foi feita com o código cedido pela Ratalaika (versão PS4)

Distribuidora: Ratalaika Games
Produtora: Spicy Giro Games
Plataforma:  PlayStation 4 / Xbox One / Switch
Mídia: Digital
Ano de Lançamento: 2020

Clash Force é um esquadrão composto por Voom (rinoceronte), Scorpido (escorpião) e Echid (uma equidna, aquele mamífero que bota ovos, igual ao Knuckles).
Junto eles precisam derrotar o Sonic do mal Evil Crackman e seu exército de robôs.

Clash Force é um shooter sidescroller retrô, bem ao estilo Contra.
A dinâmica aqui é simples: ande e pule atirando em tudo que se mover na tela.
Robôs-tanque, robôs voadores, canhões móveis, peixes-robôs cuspidores de bolhas ou cactos disparadores de espinhos: tudo pode ser aniquilado com um arsenal de tiros especiais, coletados durante a fase.

Eu ODEIO esse peixe!!!

As fases variam de planaltos simples a plataformas móveis na água ou no ar e carrinhos de mina.
Lembre-se não só de saltar as plataformas, mas de atirar enquanto pula!
Ao fim de cada fase, um estágio bônus aparece, onde você pode coletar uma arma especial para iniciar a próxima fase.


O tiro normal causa menos dano, mas é fixo como arma, já os tiros especiais são coletáveis, mas perdidos após um ponto de dano, sendo três o limite de vida (no modo Normal, se você for masoquista, tente o Hard ou Expert).

Crackman é o vilão do jogo (mas eu continuo enxergando uma versão humana do Sonic)

Existe ainda um item especial, que coloca um campo de força em volta do personagem e impede que ele perca a arma no primeiro dano.

Scorpido atira em uma robô-totem com rosto humano (e viva os anos 80!)

Clash Force conta com gráficos simples, mas bastante coloridos (como você pode ver nas imagens) e uma trilha sonora animada.
Em ambos os casos, o sentimento retrô é forte, lembrando bastante jogos da geração 8-bits.

A platina é fácil, sendo os troféus todos baseados em passar as fases e matar os chefes (Crackman pilotando diversos modelos de robôs diferentes).

Crackman e seu insistente hábito de pilotar robôs gigantes